Grupos

Mame from Japan

21:31 @ 17/05/2010

Este mame é de Gazou ( uma espécie de uva?) tem sete centímetros de altura! Imaginem o cuidado que se deve ter para manter as condições de humidade, luz, adubação, ventos, etc, e para que este bonsai possa desenvolver-se e até florescer!

Ficus benjamina

19:12 @ 14/05/2010

Olá, pessoal! Publico esta foto de um ficus que cultivo desde 1992, a partir de sementes. Ele está bem encorpado agora e re-envasado num vaso feito pelo mestre Alves.

Celebrando a Estação

09:20 @ 25/10/2009

Desculpem a demora em postar, mas no inverno aqui a gente fica

 meio preguiçoso mesmo. Um abço a tds

Ficus retusa obtido através de misho em 1992.




Visão superior


Caliandra espinosa com pedigree

19:46 @ 29/09/2009

Caliandra espinosa criada por Lula Galvão, educada por José Martins, estilizada por Charlinho de Barretos. Nova poda de raízes, desfolha e re-envasamento em 27/09/2009.





Vista superior!






Neste alporque de piteco utilizei como substrato a vermiculita isolada ( - Excelente dica do nobre Ita! ). O resultado salta aos olhos. São muitas raízes em apenas 1 mês, mas não esqueça da tiamina duas vezes por semana.





Outra dica: use na confecção do bombom o plástico transparente perfurado (esses de embalar pães). Por fora, use um plástico preto de lixo. Pronto! Regue diariamente e semanalmente observe se as raízes já apareceram.




Retire a vermiculita e plante em um vaso provisório!

Sábado dia 26/09/2009, fizemos mais uma trilha no Rio Pitimbu, com a participação de nossos Bonsaistas Edmar e João Pontes, e já no horto tivemos a presença de nosso Martins. Vejam as Fotos.

Os Pré-Bonsais doados por Martins para ajudar o Horto...

João Pontes, Martins, Edmar e As Professoras do Pró Jovem que fazem parte do Projeto de Educação Ambiental do Horto e do Instituito Reação Periférica ...

Novamente os Pré-Bonsais ...

Martins, Eu e Edmar ...

... Vou fazer Yamadori ou vou pra trilha ...

Iniciando a trilha ...

O que é um pontinho branco e outro azul no mato ... Ed e J. Pontes!!!!

 Calma que estamos quase no Rio Pitimbu ...

Já vemos o Rio ... Agora vai ter que aguardar ... amanhã teremos mais ...

 

 

Sábado, 26/09/2009, visitamos o Horto de
Cidade Satélite, e participamos de uma caminhada ecológica pelas margens do rio Pitimbú.



Recolher lixo do caminho é uma missão quase que impossível, mas eles fazem a parte que lhes cabe.




 
Apesar das agressões sofridas diuturnamente, como  a captação de efluentes clandestinos e criminosos, ao longo do seu curso, o bravo rio ainda é belo e resiste heroicamente aos maus-tratos e ao descaso da sociedade.




Todos ressaltavam a beleza do rio lamentando o seu precário estado de conservação e nenhuma proteção!





Se existem ainda cardumes de piabas e outros peixinhos, há uma esperança de vida e ressurgimento do esplendor natural original!





Belíssimo recanto, mas não se enganem:  os pontos brancos são pedaços de placas de isopor que os poluidores desprezam em suas águas.





Um misto de contemplação, comunhão, alegria e ao mesmo tempo de revolta e indignação pelo descaso e abandono.





Mais um plácido lugar estrangulando-se devagar!





As piabinhas que vos falei. Têm as caudas escuras em " V" e uma mancha cintilante aos raios solares, localizadas por sobre o crânio, de cor amarelo-esverdeada e com tons metálicos. Lindas, lépidas e fagueiras!





Um espetáculo visual que só a natureza nos proporciona!





Este velho tronco morto e caído por sobre o rio é uma verdadeira ponte de lamentações. Os aguapés teimam em boiar por sobre o reflexo azul do céu. Imagem mais monetiana não há. Imaginem, observando-o abatido e ressequido, o porte que tinham as árvores que margeavam primitivamente o leito hoje assoreado do Pitimbú.





Lindo e importante demais para morrer! Vítima do avanço desenfreiado de condomínios, outros tipos de ocupações de terrenos, e invasões diversas. Moribundo pelo envenenamento progressivo e persistente de suas águas por efluentes nocivos, ligações de esgotos clandestinos, águas servidas, pesticidas, e estrangulado por resíduos sólidos e pelo avanço descontrolado de vegetação aquática alienígena. Palco de insegurança para os amantes e protetores da natureza devido à inexistência ostensiva de um policiamento ambiental efetivo. Falta-lhe a demarcação de trilhas educativas com placas sinalizadoras e classificação das espécies. Falta-lhe tudo, menos a "beleza serena da natureza" que um dia, com a ajuda dos que a entendem e protegem, resgatará para todos e para a posteridade este monumento à vida que tanto encanta aos que o visitam.  






Mestre Sérgio Barbosa

17:42 @ 23/09/2009

Mestre Sérgio contemplando uma jurema branca pré-bonsai. Pronto pra meter o aço e detonar até transformá-la em um verdadeiro bonsai.




Saudades no bonsai!

01:07 @ 26/08/2009

Esta é minha singela homenagem ao meu amado pai que recentemente nos deixou e partiu para um outro plano de existência. Ele e minha mãe estão aqui nesta foto tirada no viveiro de Sergivaldo, em Cabedelo, em 13/01/2009. Ele também amava os bonsai!





É um refresh de postagem anterior, mostrando etapas do envasamento! A árvore já está muito mais encorpada!



Este fícus tem 17 anos. Logo após a desfolha, as raízes aéreas foram  reduzidas e as restantes foram retificadas, dentro do possível, para dar a aparência de uma figueira da Índia.

Estaquia em Ficus retusa

00:10 @ 25/08/2008

    A poda dos galhos de um bonsai de certo porte nos permite ter um bom material para alporques e estaquias.  Este primeiro  método está sendo  muito utilizado no Japão  pois a preferência atual é por mamês e shoins.  Esta estaquia que agora apresento resultou de uma poda redutora de tamanho em um bonsai maior.


Esta técnica permite a formação de um nebari mais precoce e uniforme.






Um pouco de pó de pirlim-pim-pim!



Um mês depois...


Ficus retusa. Novas fotos!

12:05 @ 06/08/2008

   

Este Ficus retusa estava precisando de uma desfolha e nova aramação. Estou com ele desde 2004. É o resultado de uma estaquia.










Pithecolobium

08:53 @ 26/07/2008

   


Este piteco é resultado da soldadura de três mudas que foram platandas juntas e unidas com fita de ráfia e aramadas em seguida. Passaram-se três anos e as fitas e os arames foram retirados. Pode-se ver uma árvore bem encorpada e com um tronco bem desenvolvido!