Grupos

O que é Melasma? Melasms trata-se de um surgimento de manchas escuras na pele, aparecendo normalmente na região do rosto, mas também podem aparecer em outras áreas do corpo quando expostas ao sol. A Melasma é comum em mulheres entre 20 e 50 anos, porém também podem afetar os homens. Tipos de Melasma Podemos distinguir os seguintes tipos de Melasmas: Melasma epidérmico: Quando há depósito aumentado de pigmento através da epiderme (camada mais superficial da pele). Melasma dérmico: Caracterizado pelo depósito de melanina ao redor dos vasos superficiais e profundos. Misto: Quando se tem excesso de pigmento na epiderme em certas áreas e na derme em outras regiões. Causas do Melasma Não existe uma causa definida para o Melasma, mas o que podemos informar é que ela está relacionada a exposição ao sol, mas também existe indícios que o uso de anticoncepcionais e algumas outras medicações também podem causar o Melasma. A maioria das pessoas que sofrem com esse problema possui um histórico de exposição diária ao sol, os casos são mais comuns em mulheres, e aquelas com tons de pele mais escuros tem mais probabilidade de apresentar a doença. Quais os fatores de risco São vários e diversos os fatores que aumentam o risco de a pessoa contrair Melasma, entre eles estão: Ser mulher, pois elas representam aproximadamente 90% do total dos casos de Melasma conhecidos; Ter um tom de pele mais escuro, como as africanas e afrodescendentes, indianas, hispânicas e asiáticas, pois são mais propensas a contrair Melasma por possuírem mais melanócitos ativos para a produção de melanina (pigmentação da pele); Estar gestante também contribui devido às alterações hormonais; Algum familiar direto já ter tido Melasma; Altas temperaturas, exposição ao sol e período de verão. Diagnóstico e Exames Caso apareçam manchas na região do rosto ou pescoço a pessoa deve procurar imediatamente um dermatologista para verificar o que está acontecendo. Mesmo que seja um caso recorrente de Melasma, é importante verificar com o especialista o tipo e tratamento adequado para este momento. O Melasma não é cancerígeno, mas manchas na pele podem ter diversos significados. O dermatologista normalmente faz o diagnóstico de Melasma reconhecendo a sua aparência típica de manchas na face. Uma luz negra também pode ser utilizada para ajudar no diagnóstico, é mais comum que seja diagnosticado o tipo misto de Melasma e muito raramente é necessária uma biópsia da pele para excluir outras causas para a hiperpigmentação no local. Quais os Tratamento de Melasma? Os tratamentos para Melasma podem variar, mas é importante que o paciente sempre se proteja contra os raios ultravioleta e a luz visível, além de procedimentos para o clareamento e uso de medicamentos tópicos ou orais. Para iniciar o tratamento é necessário cuidar da proteção contra os raios solares, deve aplicar um bom protetor solar com fator de proteção (FPS) mínimo de 30 nas regiões expostas do corpo. É importante que o paciente dê preferência para os que oferecem proteção contra os raios ultravioleta A (UVA) e ultravioleta B (UVB), o filtro ajuda a estabilizar os benefícios do tratamento. Para ajudar na remoção das manchas podem ser utilizados cremes clareadores a base de hidroquinona, ácido glicólico, ácido retinóico, ácido azelaico, entre outras substâncias, e, os resultados demoram cerca de dois meses para aparecer. Ainda é possível que o paciente e o dermatologista optem por tratar a doença com o uso do peeling, que pode clarear a pele de forma gradual e, muitas vezes, mais rapidamente que os cremes. Contudo, é bom se atentar para a profundidade do procedimento, lembrando que os mais superficiais são mais seguros que os profundos e o dermatologista poderão dizer qual é a forma mais adequada caso a caso. Também existe a possibilidade de usar laser ou outras formas de energia luminosa para ajudar no processo, mas o profissional tem que ser reconhecido na técnica e ela deve ser a mais adequada para o caso. Se não for a mais recomendada ou não for aplicada corretamente, o procedimento pode gerar ainda mais manchas na pele do paciente. Se depois de iniciar o tratamento do Melasma o paciente notar que a pele escureceu, está irritada ou apresentou algum outro problema deve-se contatar o dermatologista o quanto antes.