Grupos

Novo grupo e novo blog

15:27 @ 19/12/2006

Meus amigos,

Sejam bem-vindos ao grupo CONTERRÂNEOS E AMIGOS DE MIRACEMA-RJ e ao nosso blog. Ele receberá informações dos membros do grupo, dos assuntos lá tratados e que a comunidade de Miracema em geral tenha interesse em tomar conhecimento.

Nosso grupo tem o intuito de discutir assuntos de Miracema e do país, além de dialogar sobre amenidades e temas diversos, desde que sejam de interesse dos membros do grupo.

Um dos projetos em andamento no grupo é o LOGRADOUROS DE MIRACEMA, que está em seu primeiro volume, organizando a história e a biografia de cada pessoa que empresta seu nome a um logradouro miracemense.

O projeto é tocado pelos membros LUIZ CARLOS MARTINS PINHEIRO e RICARDA LEAL ALVIM e pode ser adquirido em seu primeiro volume mediante o recolhimento das taxas devidas à sua confecção.

O grupo está preparando o VOLUME II, contendo a história de vida dos homens e mulheres que dão nome a um novo grupo de ruas.

Se você conhece a história da sua rua, mande um email para nós e conte-nos o que souber e quiser.

MELHOR??? IMPOSSÍVEL!!!

 

No anoitecer de 20/11/06 (segunda-feira, nublada, morna e seca), desde às 17 h, na AML - Academia Miracemense de Letras, Centro Cultural Melchíades Cardoso, Praça Ary Parreiras, 156, Centro, frente à Prefeitura, numa linda cerimônia por ela preparada, sob a liderança de June de Souza Cardoso, Cadeira no. 03 e sua presidente e a destacada participação Marcelo Salim de Martino, Cadeira no. 01 e responsável pelo Centro Cultural, com incontáveis presentes, deu-se o lançamento de LOGRADOUROS DE MIRACEMA, através de seu Volume I, com 127 páginas, a cores, formato A 4 e cerca de 700 g cada exemplar, organizado por Ricarda Maria Leal Alvim (Tia Ricarda), Cadeira no. 02 e Luiz Carlos Martins Pinheiro, em edição artesanal da MPmemória, num trabalho de mutirão envolvendo inúmeros co-autores, vivos e falecidos, de Miracema ou de fora do Município, sem patrocínios públicos ou particulares.

 

Reúne textos, poesias, depoimentos, documentos, mapas, fotos etc, publicadas e inéditas, vinculados, principalmente, ao Centro Histórico de Miracema, margem direita do Ribeirão Santo Antônio, o esquecido: Praça Ary Parreiras (também conhecida como Praça das Mães) (Largo da Igreja, Largo da Matriz, Praça da Matriz), Praça Jornalista Bruno de Martino (Praça Redentor); Praça Dona Ermelinda (Praça do Chafariz); Rua Francisco Bruno de Martino; Rua Cel. José Carlos Moreira (Rua das Flores), Rua Cel. Josino e Rua Marechal Floriano (Rua Direita), entre outras informações.

 

Capa especialmente dedicada à primitiva Capela de Santo Antônio dos Brutos, extraída de magnífica pintura de Glória Maria da Consolação Freire Vargas de Oliveira, Cadeira no. 05, em computação gráfica do jovem Luís Felipe Pinheiro Sym.

 

Indescritíveis o interesse e o entusiasmo dos presentes, mormente dos acadêmicos, diante da esmerada programação ofertada, caprichosamente planejada e executada, sob o comando da Acadêmica June.

 

Magnânimo momento de cultura e entretenimento, com poesias, músicas encantadoras e inebriantes, deslubrantemente interpretadas, com poucos e reduzidos discursos.

 

Wilder, com seu filho Lucas, encantou e entusiasmou com o Hino à Miracema, de autoria de sua mãe, Tia Ricarda, e Cantoria, de sua própria autoria e 5o. lugar no Festival da Canção, recém ocorrido em Miracema. Joel, seu pai, soltou a voz com Fascinação.

 

Maria da Graça Salim Nogueira, Cadeira no. 08, deslumbrou declamando poesias de June e de Evane Aparecida Barros Barreto, Cadeira no. 07.

 

Tia Ricarda, profundamente emocionada, discorreu com muita firmeza e emoção, sobre o que foram os trabalhos ao Logradouros de Miracema, até o momento ao seu Volume I e aos seguintes.

 

Luiz Carlos, encantado com tão inimaginável acolhimento, complementou o discurso de Tia Ricarda, entregando a Carlos Roberto de Freitas Medeiros, Prefeito de Miracema, um exemplar doado pelos organizadores de Logradouros de Miracema ao povo do município e outro a June, à AML.

 

Carlos Roberto que, com sua encantadora esposa, prestigiou o acontecimento, vestindo sua camisa, desde o início até após às 21 h, conversando livremente com  quantos quiseram lhe falar, disse da importância ao Município de tal contribuição ao resgate de sua memória, especialmente, de sua gente. Relembrou o exemplar da MPmemória, sobre ´´OS MOREIRAS´´, também, doado à Prefeitura, em 2005, e que se encontra à disposição do público no Centro Cultural.

 

15/01/06, poética e musical família Leal Alvim, recebendo Luiz Carlos, em sua residência, pela primeira vez, ao lançamento de Lougradores de Miracema.

 

Assinado: Luiz Carlos/MPmemória

COORDENAÇÃO-GERAL (CG) Tel.: (0XX21) 2258-5412 - mpmemoria@yahoo.com.br

PARA AQUISIÇÃO DO LIVRO "LOGRADOUROS DE MIRACEMA":

Entrem em contato com o telefone e e-mail acima.

 

 

 

Nossa Rosa de hoje é Quem?

´´Dia 20 de novembro foi um dia de muita emoção para todos nós que participamos ativamente do Projeto - ´´Logradouros de Miracema´´. Nada faltou para que todos saíssem num clima de felicidade, entusiasmo e o coração festejando o lançamento deste marcante documentário. Os volumes foram esgotados. Estamos agora, em casa, registrando encomendas para um significativo presente de Natal ou mesmo para que possam conferir este trabalho realizado por muitas mãos e com todo amor a Miracema.

Sabemos que erros muitos encontrarão. Divergências muito mais. Podem acreditar todos terão muito mais surpresas agradáveis no decorrer da leitura do que aquele pontinho preto que por mais minúsculo que seja, sempre será notado em primeiro lugar. E temos certeza de que o ´´Logradouros de Miracema´´ se eternizará, porque como eterno é tudo aquilo que às vezes dura uma fração de segundos, mas com tanta intensidade que se petrifica e nenhuma força consegue destruir. E este documentário é a voz do passado e nos oferece a herança da história de nossos heróis às vezes tão esquecidos, tão desconhecidos e eles passarão, como um milagre, a fazer parte dos momentos de cada miracemense que ama a sua Terra. O passado continuará caminhando lado a lado com aquele que tiver o privilégio de ler o ´´Logradouros de Miracema´´ e todos sentirão como o passado ajudou a construir o nosso presente e cairá em nossos ombros a responsabilidade de deixar lastros seguros para as gerações futuras.

Luiz Carlos Martins Pinheiro responsável pela Coordenação de Editoração e Distribuição do ´´Logradouros de Miracema´´ falou sobre o trabalho realizado e agradeceu, emocionado, o apoio recebido, afirmando que tudo foi organizado de modo perfeito e com muito bom gosto. Ele ofertou um exemplar ao Prefeito Carlos Roberto que agradeceu, enalteceu e exaltou o valor desse Documentário para Miracema, assim como à Academia Miracemense de Letras.

Todos os convidados vibraram com o entusiasmo de Graça Salim Nogueira que deu vida, encantando as poesias recitadas.

A família Leal Alvim unida na arte de tocar e cantar encantou os presentes: Wilder Alvim mostrou a sua inconfundível voz cantando várias músicas acompanhado por seu filho Lucas de Lima Alvim e o amigo Carlos Éden Bessa. Joel Alvim e Silva completou o momento cantando com toda propriedade e muita emoção a música Fascinação.

A última rosa do ano tem a cor do Menino de Deus e o perfume do amor. É oferecida à Academia Miracemense de Letras e ao Centro Social Melchíades Cardoso que promoveram o lançamento do Documento – Logradouros de Miracema – Volume I. Não foram medidos esforços para que tudo se tornasse uma festa movida pela ternura de June de Souza Carvalho, que como sempre, conduziu de maneira magistral toda a programação, transformando aquela noite em infinito encantamento. Estou feliz em poder repassar a presença carinhosa de Marcelo Salim que, com seu talento nato, transformou o lançamento em êxito total.

Resta-nos contemplar:

´´Se algum dia alguém lhe disser que seu trabalho não é de um profissional, lembre-se: amadores construíram a Arca de Noé e profissionais o Titanic´´.

Vamos continuar, como ´´amadores´´, construindo a nossa Arca de Noé e dentro dela o Logradouros de Miracema Volume II´´. Aguardem.´´

Ricarda Maria´´

(Liberdade de Expressão, no. 85, 12/2007)

 

 

PREZADOS CONTERRÂNEOS E AMIGOS DE MIRACEMA-RJ,

 

DEIXEM AQUI SUA CONTRIBUIÇÃO, PARA QUE TODOS OS INTERNAUTAS INTERESSADOS POSSAM CONHECER UM POUCO DA HISTÓRIA DE NOSSA TERRA.

TODA COLABORAÇÃO FEITA COM ÉTICA, RESPEITO E BOA INTENÇÃO, SERÁ BEM-VINDA!

 

FELIZ 2007 A TODOS OS VISITANTES.

 

ANGELINE COIMBRA TOSTES DE MARTINO ALVES

Sem medo de ser feliz!

"Avante, Mocidade! Miracema quer ser livre, quer viver independente, amplamente."

 

 

O Alvorecer de Miracema

 

 (1842 - 1882 )

 

                                                                                                   

 

 José Frederico M. Siqueira

 

 

            O declínio da exploração do ouro, no final do século XVIII, provocou o surgimento de massas humanas com pouquíssimas perspectivas econômicas. Por outro lado, como resultado da política colonial de impedir rotas alternativas para o contrabando do ouro, a atual zona da Mata mineira e o Noroeste fluminense foram consideradas Zonas Proibidas, tendo o seu povoamento e exploração fortemente reprimido pelo governo colonial. Nessas condições, nada mais natural  do que levantar as barreiras burocráticas e permitir que ali, tão próximos, na borda da região aurífera, fossem ocupados os milhares de quilômetros de matas virgens.

         Então, os mineiros desceram aos magotes! Do chão áspero e imantado do Sabaruçu, Queluz, Catas Altas, Santa Bárbara para a mata jurássica das grandes árvores, dos rios caudalosos e dos índios ( uns se deixando facilmente dominar, outros lutando ferozmente ). Como resultado, em menos de cinco décadas, onde existiam esparsas choças indígenas brotaram centenas de núcleos populacionais.

        A doação de terras públicas por autoridades provinciais, apesar de abolida após a independência, era prática comum. Entretanto, a  terra pertenceria a quem conseguisse, efetivamente, ocupá-la. Os Rodrigues Pereira tinham certa influência no Queluz e em Barbacena e podem ter obtido cartas de doação de terras no vale do rio Pomba. Para dar início a exploração e ocupação foi designado Antônio Rodrigues Pereira  (conhecido por Antônio Mutuca ) que, ajudado por índios puris, construiu o núcleo do que seria a futura fazenda Floresta, dando condições para que D. Ermelinda e demais familiares se fixassem no vale do ribeirão Santo Antônio. Em 1842, D.Ermelinda, com auxílio do padre Bento de Gênova, constrói a capela e doa 25 alqueires para o patrimônio do santo. Esta construção é considerada o marco inicial de Miracema.

            Nesse ano e nos seguintes chegam ao ribeirão de Santo Antônio os homens que vão  povoar e expandir a localidade. Manuel Felisberto Pereira da Silva ( fazenda da Cachoeira), Joaquim de Araújo Padilha ( Recreio e Floresta ), Anacleto Reveziano de Siqueira Alvim (São Pedro ), Joaquim José Bastos ( Tirol ), Marcelino Dias Tostes ( Agua Limpa ), Deodato e Reginaldo Mendes Linhares ( Cachoeira Bonita ), Lucas Mendes Linhares ( Pinheiro ), Gabriel Alves Rodrigues ( São Luis), Antonio de Araújo Barbosa ( Fortaleza ), Plácido Antônio de Barros ( Paraiso ), Custódio Bernardino de Barrros ( São Luis ) e Francisco Bernardino de Barros  ( Santa Inês ).

            Por volta de 1855-58 esses homens já haviam implantado e consolidado suas fazendas, sendo o café a fonte de renda principal. As fazendas possuíam lavouras de subsistência, criações de porcos, galinhas, gado, engenhos de moer cana, moinhos de fubá. Os excedentes eram comercializados na distante São Fidélis...

           Mas, além da atividade agrícola, devia-se construir o poder político, pois a população, tendo como centro a capela, crescia e novos imigrantes não paravam de chegar. Manuel Felisberto tornou-se o principal líder não só do Ribeirão de Santo Antônio como de toda a freguesia de Pádua a qual o Ribeirão pertencia. Quando da fundação do município de São Fidélis, em 05 de março de 1855, foi o vereador representante da região. Vamos encontrá-lo em 1863 como subdelegado de polícia ( na Cachoeira ficava o tronco e a roda de bacalhau...), foi ainda juiz de paz e provedor de ordens religiosas. Tenente-coronel da guarda nacional, monarquista, escravista, conservador, exerceu o mando político praticamente sem oposição até o seu falecimento em 1872.

             Outro líder importante, desse período inicial de Miracema, foi Joaquim de Araújo Padilha (genro de Manuel Felisberto) organizador da companhia de transporte ferroviário que levou o primeiro trem a Miracema, transformando-a na povoação mais populosa, mais desenvolvida e mais rica da freguesia. Foi elevada a categoria de distrito de paz em 1882. Nesse momento, novos lideres exerciam o poder político: Francisco Procópio Alvim e Silva ( filho de Manuel Felisberto ), José Carlos Moreira, Ferreira da Luz , Firmo de Araújo.

           Entretanto, o ardor da campanha republicana e da libertação dos escravos, quebrou a estrutura política hegemônica, colocando esses líderes em campos opostos.

             Era o prenúncio das acirradíssimas batalhas políticas que logo a seguir ocorreriam !

 

 

Bibliografia

 

BUSTAMANTE, Heitor.  Sertões dos Puris.  Secretaria de Educação e Cultura do Rio de Janeiro, Niterói. 1971. 

 

COSTA, Joaquim Ribeiro. Toponímia de Minas Gerais.  Imprensa Oficial, Belo Horizonte. 1970.

 

LESSA, Jair.  Juiz de Fora e seus pioneiros.  Funalfa/Edufjf, Juiz de Fora 1985.

 

MONTEIRO, Maurício. Altivo Linhares: Memórias de um líder da velha província.  Editora Damadá ltda, 1986.

 

O artigo saiu no Página Um, ano III - número 25 - Miracema, 30 de julho de 1997.

 

 

FÁBRICA DE TECIDOS SÃO MARTINO

Esse imóvel, apesar de tombado pelo patrimônio municipal, foi destombado e demolido, restando apenas sua fachada principal, que deveria ser preservada pela CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS, porém, até a presente data, nenhuma obra foi erguida no local, sujeitando o que resta ao risco de desabamento, pondo fim à história da FÁBRICA DE TECIDOS SÃO MARTINO e da própria cidade. A CAPPS, apesar de ter assumido o compromisso de manter a fachada, nega-se a fazê-lo.

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

A antiga Estação Ferroviária abriga atualmente a Rodoviária de Miracema, ponto de partida e chegada de todas as linhas de ônibus de Miracema. Miracema não é mais servida com linha férrea, após desativação dos ramais por ato da Rede Ferroviária Federal.

CASA DO BRUNO DE MARTINO

Sem foto

 

IGREJA MATRIZ

 

A igreja matriz homenageia Santo Antônio, padroeiro de Miracema. O prédio é um cartão postal da cidade e têm acervo histórico tombado pelo patrimônio municipal. A praça que o abriga é a Pça. Ary Parreiras, reformada, não guardando as características originais.

Na primeira foto a igreja na forma atual e na segunda a igreja com as torres ainda menores. A foto é histórica e mostra a construção de uma torre maior.

PARQUE ECOLÓGICO

(sem foto)

CENTRO HISTÓRICO (foto histórica ofertada pelo jornalista Renato Mercante)

CASARIOS

 

 

HOSPITAL DE MIRACEMA - (ANTIGA CASA DE DR. OTÁVIO TOSTES)

O prédio abriga atualmente o Hospital de Miracema, entidade privada de fins filatrópicos, mantida com verbas do SUS e convênio com a Prefeitura de Miracema. É dirigida por um corpo de médicos e atende pacientes do SUS, particulares e conveniados. Os pacientes atendidos no pronto-socorro municipal são encaminhados para o Hospital de Miracema.

CASA SR. NICOLAU BRUNO (R RICARDO DO VALE 212)

Pai do Dr. Sebastião Bruno, Maria José Bruno Magacho.

 

FAZENDA Liberdade (Pertencente à Família Barros)

FAZENDA Santa Inês

Pertenceu ao Cap. Ventura Lopes e hoje essa sede pertence a seu filho Dr. Roberto Ventura Coimbra Lopes.

 

FAZENDA Cachoeira

Fazenda Mantinéa (Distrito de Paraíso do Tobias)

Pertecenceu a Nicolau de Martino e hoje pertence a seu neto Dr. Alexandre Barros de Martino.


NOSSO FOLCLORE

22:51 @ 19/12/2006

FOLIAS DE REIS:

 

UM POUCO DE NOSSAS FOLIAS DE REIS NOS LINKS ABAIXO:

http://www.youtube.com/watch?v=CdXoiTRSIO0&mode=related&search=   

http://www.youtube.com/watch?v=L8Ejm_crNrQ&mode=related&search=

http://www.youtube.com/watch?v=IK4X6lIPUBo

http://www.youtube.com/watch?v=3q8XCr33Fo4&mode=related&search=

Gravação de BÁRBARA TOSTES.


http://www.youtube.com/watch?v=yfnkzYaipd0


Gravação de CARLOS AUGUSTO TOSTES DE MACEDO - em Miracema "Encontro de Folias" dia 14/1/07)

A DIVERSIDADE DE NOSSO FOLCLORE. UMA MULHER QUE REPRESENTA A PRESERVAÇÃO DA CULTURA E DO JONGO - "Caxambu" em nossa terra - D. APARECIDA RATINHO.

 

 

Parabéns à D. Aparecida Ratinho pelo PRÊMIO CULTURAL HERMES SIMÕES FERREIRA 2006!

 

 

 

 

CAXAMBU É PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO

 

O Registro do Jongo, antiga manifestação cultural de comunidades afro-brasileiras do Sudeste do país - também conhecido como tambu, tambor e caxambu - foi aprovado como Patrimônio Cultural Brasileiro pelo Conselho Consultivo do Iphan no último dia 10. Apresentado pelo relator e conselheiro Roque Laraia, o Registro do Jongo será inscrito no Livro das Formas de Expressão. 

 

O pedido do Registro foi feito ao ministro Gilberto Gil em novembro de 2002. A iniciativa partiu das entidades Grupo Cultural Jongo da Serrinha e da Associação da Comunidade Negra de Remanescentes de Quilombo da Fazenda São José. Constam ainda da solicitação, vários abaixo-assinados de municípios do Rio de Janeiro (Miracema, Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Valença); de São Paulo (Capivari, Cunha, Guaratinguetá, Lagoinha, Piquete, Piracicaba, São Luís do Paraitinga e Tietê); de São Mateus no Espírito Santo e de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

 

O jongo é uma herança cultural dos grupos bantos da África Meridional, trazidos ao Brasil para trabalhar como escravos nas fazendas de café, entre os séculos 16 ao 19. Sua prática envolve canto, dança e percussão de tambores. Por seu intermédio, os membros da comunidade atualizam suas crenças nos ancestrais e no poder da palavra. O canto, baseado em provérbios, metáforas e mensagens cifradas, permite aos praticantes relatar os acontecimentos do cotidiano e reverenciar os antepassados. A importância do reconhecimento e valorização desse bem, símbolo da resistência cultural afro-brasileira na região sudeste, foi unanimidade entre os conselheiros.


 

Fonte: Departamento de Patrtimônio Imaterial - IPHAN - INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL

 

  

EU FUI EM MIRACEMA E GOSTEI

17:30 @ 20/12/2006

Este tópico deve reunir lugares bacanas em Miracema que você tenha ido e tenha gostado, como um barzinho, restaurante, ponto turístico ou evento e festa. A dica é para o conterrâneo e para o visitante.

RESTAURANTE DO MULAMBINHO

Forno à lenha - Mulambo´s Bar

Quem quiser comer uma deliciosa comida mineira do interior, pode e deve conhecer o Restaurante do Mulambinho, localizado na estrada para Venda das Flores (seguindo para Itaperuna). Preço por pessoa, sem balança, no fogão à lenha.

 

BAR DA MARIA (Mercado Municipal)

Quem quiser uma cerveja gelada com tira-gosto honesto e muito bem servido, pode deliciar o bar da Maria, no Mercado Municipal. A dica de lá é o bucho à milaneza.

 

 

 

PREZADOS CONTERRÂNEOS E AMIGOS DE MIRACEMA-RJ,

 

PRECISAMOS UNIR FORÇAS NO SENTIDO DE LUTARMOS JUNTO AOS PODERES EXECUTIVO, LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO, BEM COMO O "QUARTO PODER" - A IMPRENSA, PARA CONSEGUIRMOS O TOMBAMENTO ESTADUAL E FEDERAL DOS BENS HISTÓRICOS DO CENTRO DE MIRACEMA -RJ.

 

SEM ESSA ATITUDE E INICIATIVA IREMOS PERDER NOSSO ATRATIVO TURÍSTICO, NOSSA MEMÓRIA E NOSSA HISTÓRIA VIVA.

 

AVANTE, MOCIDADE!

 

ANGELINE

 

 

 

COM A PALAVRA O INEPAC (cópia de email recebido por José Souto Tostes da Direção-Geral do INEPAC)

 

Prezado Senhor José Souto Tostes,
Comunicamos a V.Sa que a Direção-Geral deste Instituto está enviando correspondência ao Prefeito Municipal solicitando providências quanto a preservação do Pórtico da Fábrica São Martino.
No que se refere a ocorrência de destombamentos municipais, esclarecemos que o INEPAC tem conhecimento e foi consultado apenas no caso da própria fábrica, pronunciando-se contrário ao pleito . Mas por se tratar de proteção no âmbito local, prevaleceu o parecer do Conselho Municipal favorável a demolição do prédio histórico, com a ressalva da preservação do citado pórtico.
Quanto ao prédio da Praça D. Ermelinda, apesar de não constar em nossos arquivos o tombamento do imóvel pelo município, fomos informados de que a administração local está trabalhando no sentido de sua preservação.
Informamos ainda que os estudos de tombamento pelo estado do Centro Histórico de Miracema,  em complementação a proteção estabelecida pelo próprio município, está incluído dentro das prioridades da programação do INEPAC.
Atenciosamente, Marcus Monteiro / Diretor-Geral.

Praça D. Ermelinda nr 6, atual PRAÇA ARY PARREIRAS NR 6.



Para o conhecimento de todos, após o abaixo-assinado que o Grupo Conterrâneos e Amigos de Miracema enviou ao Prefeito de Miracema, em maio de 2007, foi tombado pelo Patrimônio Histórico do município o prédio que está na foto. Há interesse em preservação não só pela arquitetura, mas pelos inúmeros fatos históricos ocorridos nesse "palacete".



O Palacete (Maria Alice Barroso)



"A primeira vez que a vi eu saltara do trem que nos trouxera do Rio de Janeiro: meu olhar percorreu, ansioso, a comprida rua que ia serpenteando o caminho mais importante do distrito de Miracema até se localizar no final da chamada rua Direita (segundo me informaram depois); então essa avenida também possuía o nome oficial de Avenida Marechal Floriano. Portanto, fora no final dessa longa avenida que eu pude fixar meus olhos no casarão que dava a impressão de ter sido colocado assim, no alto de uma elevação, no mínimo obedecendo ao desenho de mãos familiares.

Naquela ocasião eu começara a me adaptar a essa nova cidade, cujo nome indígena teria o significado de "terra do pau que brota". Talvez, pelo inusitado desse nome, meus olhos tentaram localizar, novamente, aquele casarão que eu passara a chamar de palacete, por sua semelhança com os palacetes luxuosos que estavam colocados no Rio de Janeiro, precisamente na Avenida Oswaldo Cruz.

Também nessa época tivera início a curiosidade dos visitantes, que demonstravam interesse em conhecer o interior da grande casa, cuja posição, naquele elevado, a colocara bem defronte à paróquia do lugar. Confesso que consegui conhecer a divisão das salas e quartos do chamado "palacete", por ter feito parte do pequeno grupo de turistas que visitava a região. Ainda assim, não demorou muito a que eu descobrisse que os chamados "turistas" nada mais eram senão políticos que visitavam Miracema numa disfarçada coleta de votos.

Foi, portanto, dessa forma que esse distrito teve sua primeira Escola Pública inaugurada: o casarão, pelo primor de suas instalações, também acolheu reuniões de políticos em que se destacavam prefeitos de outras regiões. Teve início, portanto, a campanha separatista de Miracema, o povo já se julgava preparado para ser um novo município, livre do comando de Pádua.

Quando o separatismo tornou-se vencedor , naquela mesma noite a fim de celebrar a grande vitória, muitas casas tiveram suas luzes acesas: mas eu não consigo esquecer o casarão todo iluminado, os políticos galgaram as escadas para festejar Miracema liberta!

Os miracemenses gravaram, em sua história, como o casarão foi o local onde se processaram os maiores eventos políticos em nossa terra. Podemos lembrar que a família que veio morar no sobradão também se multiplicou, e quando alcançaram a geração de netos, surgiram os chamados "vendilhos do templo", isto é, venderam o sobradão por um preço inferior. Na verdade, não era necessário pertencer à família para fazer oposição à venda daquele imóvel: exatamente naquele prédio muitas paixões tinham se desenrolado ali, amizades foram rompidas por motivos tolos, outros acordos espúrios calcados no chamdo agro-negócio, e depois a inesperada notícia de que o candidato a comprar o sobradão se desinteressa  do imóvel.

Chegara o momento, enfim, de alguém afirmar que o sobradão deveria passar à gerência da Educação/Cultura, onde o aletramento seria uma das principais funções.

Confiemos, portanto, que o povo miracemense saiba defender a magia do tempo contido no casarão e que seja ele tombado para sua segurança.


Rio de Janeiro, 16 de janeiro 2007."

Maria Alice Barroso


(aderiu ao pedido de tombamento do PALACETE)




 


 

POETAS MIRACEMENSES

21:30 @ 29/12/2006

ANJO DE RUA

Autor:
Marcelino Tostes Padilha Neto


As sobras do que as pessoas comem
Muitas vezes são insuficientes para matar minha fome;
E meu pranto torna-se um grito - lâmina
Que traspassa lentamente o coração da loucura
E mina todas as forças que magicamente fizeram-me gente.
Mas eu mastigo o fel - fecunda lição para meus delírios.


As sobras do que as pessoas vestem
Tantas e tantas vezes não impedem o frio que corrói minha pele;
E o vento faz-se música - canção de ninar
Que curto pelas empoeiradas calçadas
E corrói todas as vontades que francamente alimentam-me as veias.
Mas eu agasalho sonhos - doces desejos por dias melhores.


As sobras do que as pessoas são
comumente são parcos tijolos para construir meu Natal;
E minha cara torna-se um anjo - arcanjo
Que enfeita as mesas das ceias
Que alivia muitas das culpas que intensamente as pessoas vivem.
Mas eu transformo-me em luz - menino de rua com cara de santo

_______________________________

 

                                              Nosso Ipê

 

 

De manhã era o sol

eu ia pé na estrada para além daqui...

vi a o ipê enfeitando a linha do horizonte

de amor e cor a paisagem mas...

voltava , lá estava ele exuberante

majestosamente!

desperdiçando o vento na tarde

  Pétalas douradas, caídas, coloridas

Era o ipê, tão bonito,tão simbólico

assim  eterno enquanto durou...

E, tão efêmero o que o cortou

Mas vivo na reminiscência saudosa!...

Na retina de nossos olhos

Era o pano de fundo do quintal,

denunciando, uma beleza imensa!

iluminada...

E o contraste das cores misturadas?

Só de amarelo e preto...

Ah! e assim... meio ao verde

da vegetação escassa

Era o ipê, tão meu, tão nosso

De ninguém...

Vivo, morto, arrancado,

desfigurado!

Só porque no tempo e no espaço

embelezou!

Enfeitiçou a toda gente!

Nasceu, cresceu, enfeitou

Virou poema,

Virou saudade!...

 

  GLÓRIA MARIA DA C. FREIRE VARGAS DE OLIVEIRA

 

 

 

Júlio José de Oliveira
 
OS NAMORADOS DA RUA SENADOR EUSÉBIO

                                          à Carlos Drummond de Andrade
 

Os namorados
antes
via-os.
Sob um poste de invisível iluminação
/grilos, cigarras cantavam,/
                          /sapos, rãs coaxavam/
pelos olhos conspurcados
da quimera
               reflexiva 
                           morta
de onde vinha
dos mortos na vida.
Os namorados
depois.
Havia solidão simbólica
das horas paralisadas
pelo relógio do tempo findo.

 

INFORMAÇÕES ÚTEIS

23:55 @ 29/12/2006

BANCOS:

BANCO DO BRASIL:

TEL.: 22-38520150

CENTRO CULTURAL MELCHÍADES CARDOSO:

End.: Praça Ary Parreiras

Tel.: 22- 38520542

Diretor de Cultura: Marcelo Salim de Martino.

HOSPITAL DE MIRACEMA

Tel.: 22-38520055

1001 PASSAGENS

(21 ou 11) 4004-5001

Rio de Janeiro e Niterói 

LINKS INTERESSANTES:

http://www.arquivohistorico-mg.com.br

http://www.miracemarj.blogspot.com

 

FAMÍLIA MOREIRA SANTOS

23:22 @ 30/12/2006

Essa residência pertence à família BARBI e hoje abriga uma Escola de Música da Prefeitura Municipal de Miracema, dirigida pelo professor Carlinhos Moreira. Os últimos moradores da imóvel foram a Sra. DORVILA BARBI e suas filhas, Dorinéa e a professora Climene Moreira Barbi. O imóvel está localizado na Rua Coronel José Carlos Moreira, no centro de Miracema.

A residência é tombada pelo patrimônio histórico de Miracema e compõe uma listagem para tombamento pelo INEPAC.

ESCRITORES MIRACEMENSES

12:12 @ 31/12/2006

MARIA ALICE BARROSO

A cidade de Miracema se notabilizou por uma forte cultura, inclusive nas letras, onde destacamos a escritora MARIA ALICE BARROSO, miracemense autora de uma grande coleção de livros, tendo sua bibliografia referenciada no Brasil e no mundo. Maria Alice Barroso foi presidente da Biblioteca Nacional e algumas de suas obras estão sendo relançadas. A autora sofreu forte perseguição política em Miracema na ocasião do lançamento de suas obras, mas sobreviveu e ofertou ao mundo outros livros de grande importância.

Apesar de homenageada no Brasil e no mundo, Miracema lhe rendeu poucos aplausos. Uma das homenagens à autora ilustre foi da Escola de Samba Reação, campeã do carnaval com enredo "MARIA ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS", alusivo à escritora.

 

MARIA ALICE Giudice BARROSO Soares, nasceu em Miracema  - RJ, em 1926. Neta do Cel. José Giudice e de D. Alice, emigrantes italianos que ajudaram a construir nossa cidade. Cursou Biblioteconomia na UNIRIO. Com o livro "Um Nome para Matar", um dos romances apontados por João Guimarães Rosa, Antônio Olinto e Jorge Amado para a lista de vencedores do II Prêmio Nacional WALMAP, instituído pelo Banco Nacional de Minas Gerais S.A. e o mais importante do País.

Algumas de suas obras:

"Os Posseiros" (1955), "Um Nome para Matar", Quem Matou o Pacífico?", "A Saga do Cavalo Indomado", "Globo da Morte", "Estamos Sós" (1957), "História de um Casamento" (1960), "Um Simples Afeto Recíproco" (1962), etc.

Dr. HERMES SIMÕES FERREIRA

QUEM FOI HERMES SIMÕES FERREIRA
(Página Um - Marcelo Salim de Martino - novembro/1999)
Dr. Hermes Simões Ferreira nasceu em São Geraldo, pequenina
cidade mineira, situada entre Ubá e Viçosa, no ano de 1906. Era
filho de Constantino Simões Ferreira e Zaida Antunes Ferreira.
Ainda muito jovem, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde cursou
Direito, na Universidade Federal. Dizia ele não ser a carreira com a
qual sonhava, mas era um grande desejo de seu pai, a quem ele não
poderia deixar de satisfazer. Seu primeiro emprego, já no Rio de
Janeiro, foi no Citybank e, por exigência deste trabalho, aprimorou
seus conhecimentos em inglês, francês e espanhol, línguas que
dominava com perfeição. Terminado o curso de Direito, fez um
concurso para Promotor Público em Minas Gerais e optou por
uma vaga existente na cidade de Palma, porque ali residia sua irmã
Emília. Nesta época já havia escrito um grande número de poesias,
inclusive algumas em francês, muitas das quais publicadas pelo
Almanaque Bertrand, em Portugal.
Em 1937, já residindo em Palma, foi procurado pelo diretor do
Colégio Miracemense, para que aqui viesse lecionar Inglês e
Francês. Passou a vir em Miracema então duas vezes por semana.
À medida que seus conhecimentos foram sendo descobertos,
sucederam-se novos convites: aulas de Português, Geografia,
Desenho e outras disciplinas. Deixou a promotoria, optou pelo
magistério e veio residir definitivamente aqui.
Esta era sua verdadeira vocação. Numa ocasião em que houve uma
exigência de que se magistrasse aulas de Grego numa das séries do
Curso Colegial, o diretor entregou-lhe a tarefa e ele a executou.
Conhecedor profundo da Língua Portuguesa, resolvia as mais
difíceis questões a ela referentes e, quando interrogado sobre
algum caso cuja solução não era encontrada em nenhuma
Gramática, a resposta era dada imediatamente.
Casou-se com Almerita Martins Ferreira, sua namorada de
infância, que muito cedo faleceu. Em 1952 viu o seu sonho de dar
oportunidade de estudo a alunos que não pudessem freqüentar
escolas particulares: estava fundado o Colégio Nossa Senhora das
Graças, do qual foi diretor até aposentar-se. Anos mais tarde, já
aposentado, participou da fundação do Colégio Estadual Deodato
Linhares. Foi Juiz de Direito da Comarca de Miracema de 1960 a
1964.
Poeta, advogado, promotor, juiz, professor e, como ele mesmo
gostava de dizer: “em julho, dezembro, janeiro e fevereiro,
pescador”. Amigo, pai dedicado, alegre e, por que não dizer,
brincalhão? Sempre dotado de um sadio humor e até, as vezes, de
uma “pitada” de ironia, como a construir uma receita do
“bem-viver”. Era, sobretudo, um filósofo. Homem simples, não
foi sem razão que disse em seu soneto: “Passarei como um simples
pela vida/ E sem brasões, sem títulos, sem nada./ Passarei como
passam, de vencida,/ Os humildes e os tristes, pela estrada.”
Faleceu em 2 de julho de 1985 e deixou duas filhas: a professora
Maria Salette Ferreira Ribeiro, de quem hoje lembramos com
saudade, e a professora Maria da Graça Ferreira Tostes.
 
ELOGIO À VIDA
(Hernes Simões Ferreira)
Pode a vida ser má, ser miserável,
E reduzir-se a um mundo de ironia;
Pode ser a seqüência abominável
Da mais torpe e nojenta felonia.
Pode ser inclemente, atroz, mutável,
Um rosário de dor e nostalgia,
Ou na sede de angústia insaciável
Ser a injustiça vil que nos crucia.
Mas eu quero viver, sentir a vida,
Acompanhar minha'alma na descida
Ou ir com ela, aos páramos, subindo.
O que importa é viver, ir caminhando
Seja lá como for, mas conservando
A graça de viver, chorando ou rindo.