Grupos

Directório EXIT (Expertos en el Tratamiento de la Información) uma ferramenta que permite aos profissionais da biblioteconomia, da documentação e da arquivologia pôr-se em contacto com outros especialistas do sector.

http://www.directorioexit.info

EXIT conta já com cerca de 250 membros de Espanha, Portugal e América Latina.
A inclusão de novos membros é moderada por um Comité Avaliador internacional:
 
o qual, embora com critérios bastante flexíveis, avalia os seguintes aspectos:
 
- Experiência profissional de responsabilidade em bibliotecas ou centros de informação e documentação;
- Participação em projectos de investigação e desenvolvimento;
- Actividade docente;
- Publicação de livros e artigos em revistas científicas peer reviwed (EPI, REDC, ITEM, etc.);
- Disponibilização de web ou página pessoal (ou, na sua falta, Curriculum Vitae em formato pdf);
 - Ser citado no Google Scholar ou em motores de busca por temas profissionais;
 
Assinalamos algumas das características avançadas deste Directório:
- Mecanismos que impedem a captura das direcções de correio electrónico pelos motores de busca;
- Normalização dos nomes das entidades;
- Inserção opcional de Curriculum Vitae em PDF, pensando especialmente nas pessoas que ainda não tenham Web pessoal;
- Ligação automática às obras previamente depositadas pelo interessado no repositório E-LIS;
- Possibilidade de edição do operador de busca no Google, Google Scholar, Yahoo e MSN com vista a optimizá-lo para cada pessoa;
- Avaliação da popularidade de cada URL indicado nas fichas, incluíndo um mapa TouchGraphics-Google;
- Verificação automática, em tempo real, da validade de todos endereços mostrados na ficha;
- Conversão imediata das fichas para formato XML, RDF e vCard;
- etc.
 
Poderá ligar a sua ficha, por exemplo, deste modo: Ricardo Baeza-Yates.
 
Em todo o caso, o melhor é que o veja por si mesmo e preencha o formulário de admissão.
O URL é:
 
Postado por "Tomas Baiget"  em 18/06/2005

No Link (http://dici.ibict.br/archive/00000264/) encontra-se um relevante estudo publicado nos anais do VI CINFORM - Encontro de Ciência da
Informação (Salvador/2005)


Elaborado por Miguel A. Márero Arellano (arellano@unb.br),
Cláudia Mesquita (claudia.mesquita@gmail.com) e Luiz A. R. do Nascimento

PERFIL DE USUÁRIOS DE LISTA DE DISCUSSÃO DA ÁREA DE
CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Algumas frases-chave do texto:

Por ser parte da Internet, elas integram um processo de mudança constante e informal.
 
A comunicação via web não é mais, apenas, transmissão, mas interação entre pessoas.
Uma das características das comunidades virtuais é que elas não estão restritas ao tempo e espaço, sendo toda a comunicação mediatizada pelas TIC.
 
As listas são um dos elementos da comunidade de aprendizagem colaborativa à distância via Internet (Soares e Amaral, 2004), onde o pré-requisito principal é a pré-disposição pessoal para o
compartilhamento de informações.

Estudos de listas de discussão da área de ciência da informação na Espanha mostraram que elas estão sendo, cada vez mais, utilizadas como experiências de cooperação profissional.

Encontrando as Pérolas

20:08 @ 07/04/2006

 
Vamos falar de um Harvester*, que por enquanto não "explodiu" aqui
no Brasil. Trata-se do:

OAIster (www.oaister.org)

Para quem ainda não conhece o OAIster, foi lançado em 2002 pela Universidade do Michigan, ele é um repositório  que indexa milhões de metadados de quase 500 instituições (inclusive brasileiras)

*Os harvesters (coletadores) são programas que utilizam a interface oferecida pelo protocolo OAI-PMH para coletar e armazenar metadados.
OAI = Open Archives Initiative

O Repositório Acadêmico de Biblioteconomia e Ciência da Informação é
um espaço de comunicação e divulgação de trabalhos acadêmicos em
geral. O objetivo é possibilitar a troca de experiencias acadêmicas
atraves de trabalhos realizados para que os estudantes conheçam
melhor o que está sendo produzido pelos estudantes de outras
faculdades.
 
Essa proposta surgiu no ENEBD de 2004 que aconteceu em Recife e é uma
iniciativa de estudantes de diversas partes do Brasil.
 

Câncer

20:13 @ 07/04/2006

Lista de Bases de Dados sobre o Câncer:

 
 
 
Carcinogenic Potency Database (CPDB)
http://potency.berkeley.edu/cpdb.html
 
Cancer Genetics Services Directory
http://www.cancer.gov/search/genetics_services/
 
ClinicalTrials.gov
http://clinicaltrials.gov/
 
IARC Monographs Database on Carcinogenic Risks to Humans
http://monographs.iarc.fr/
 
International Cancer Research Portfolio
http://www.cancerportfolio.org/
 
 
 
 
CCRIS: Chemical Carcinogenesis Research Information System
http://toxnet.nlm.nih.gov/cgi-bin/sis/htmlgen?CCRIS
 
 
DGED: Digital Gene Expression Displayer
http://cgap.nci.nih.gov/Tissues/GXS
 
Familial Cancer Database
http://facd.uicc.org/
 
 
 
 
 
 
 
Mitelman Database of Chromosome Aberrations in Cancer
http://cgap.nci.nih.gov/Chromosomes/Mitelman
 
MMHC Cancer Models Database
 
 
Recurrent Chromosome Aberrations in Cancer
http://cgap.nci.nih.gov/Chromosomes/RecurrentAberrations
 
 
 

Filmes lançados de 1995 a 2004 constam da base

A Agência Nacional do Cinema – ANCINE , está disponibilizando, em seu Portal na Internet uma ampla base de dados dos filmes que foram lançados no mercado brasileiro de salas de exibição que cobre os anos de 1995 até 2004.

A série, agora à disposição do público, vem contribuir para a pesquisa, a análise e a reflexão sobre a industria e o mercado cinematográficos no país, além de permitir uma avaliação dos recursos aportados aos filmes através das leis de incentivo.

Para o Diretor Presidente da ANCINE, Gustavo Dahl , “dez anos de existência das leis de incentivo permitem acumular uma massa crítica preciosa no momento em que se vislumbra uma atualização da Lei do Audiovisual, cuja vigência expira logo ali, em 2006. Qualquer nova proposta impõe que se olhe com atenção o comportamento do filme no mercado. Até mesmo para que suas regras e procedimentos sejam compatíveis com ele, relacionados com a realidade. Dando divulgação aos dados sobre filmes de longa metragem lançados nas salas de exibição no período de 1995- 2004, a ANCINE, além de realizar sua competência institucional, tem a convicção de estar contribuindo para o aperfeiçoamento de todo o processo, para torná-lo regular e auto-sustentável, na medida do possível.”

 
 
 
Fonte: Ancine

Folha Informática - 31 de agosto de 2005 

 
 
PROFUNDEZAS DA REDE

Serviços de pesquisa ignoram a maior parte dos documentos on-line; ferramentas especializadas são opção

Buscador Google só alcança 1% da internet


Considerado um oráculo dos tempos modernos, o Google (http://www.google.com.br/) ganhou fama por ser supostamente capaz de encontrar qualquer página da internet em poucos segundos. A velocidade do site é realmente notável, mas especialistas afirmam que sua área de pesquisas é restrita a aproximadamente 1% do total de arquivos da rede.
Além de sites comuns, a internet abriga arquivos de áudio e de vídeo, imagens, bancos de dados, sites com acesso restrito e diversos tipos de servidor.
No total, de acordo com números da empresa Connotate Tecnologies (http://www.connotate.com/), existem cerca de 600 bilhões de arquivos na rede, mas o Google acessa apenas cerca de 8 bilhões.
Para acessar essa outra camada de informação, que também é chamada de internet profunda ou invisível, é preciso contratar os serviços de empres as especializadas ou então se valer de buscadores dedicados a um tema específico, que podem exibir resultados mais precisos do que os sites de busca generalistas, como o Google ou o Yahoo!.
Uma terceira opção é usar comandos especiais nos portais para tentar filtrar os resultados.
Há também engenhos, como o Turbo10.com, que acessam listas de bancos de dados externos e permitem encontrar sites ignorados pelos outros buscadores.
De uso gratuito, o Turbo10 também pode ser personalizado pelos usuários. É possível adicionar fontes de informação ao engenho e refinar ainda mais as pesquisas na internet.
Os resultados obtidos com cada tipo de técnica, entretanto, são díspares e ainda não conseguem satisfazer todos os usuários. Grande parte dos sites que usam as novas tecnologias segue em caráter experimental (beta) e se destina a aplicações específicas, como encontrar documentos de instituições de ensino ou de empresas privadas.

Questão de Estado
As tecnolo gias para exploração das profundezas da internet são consideradas ferramentas importantes para o governo dos EUA.
Prova disso é a participação de órgãos governamentais em projetos que visam filtrar dados presentes nas camadas menos acessíveis da rede.
A Connotate Tecnologies desenvolve um serviço de busca em parceria com o Departamento de Defesa dos EUA e usa uma programação especial para obter mais arquivos de cada endereço pesquisado. "Nosso produto é um complemento aos sites de busca e não usa um índice de páginas. O usuário informa um endereço e um código especial extrai as informações", diz o vice-presidente da Connotate, Dan Haughton.
Para que as buscas do mecanismo fiquem mais eficientes, programas chamados information agents (agentes de informação) monitoram e filtram os tipos de dados encontrados na localização informada pelo usuário.
Outra iniciativa para exploração da Deep Web é o projeto Aquaint (www.ic-arda.org/InfoExploit/aquaint/index.html), que é desenvolvido por um grupo formado por empresas, por universidades e pela CIA (agência de inteligência dos EUA). A base do Aquaint é um sistema capaz de relacionar dados no formato de perguntas e de respostas chamado de Q.A (questions and answers, em inglês).
Além de extrair informações de fontes da internet, o Aquaint poderia monitorar e converter o conteúdo exibido na televisão e nas estações de rádio em uma única base de dados.
Apesar do intuito de melhorar as pesquisas de civis, o potencial de um sistema capaz de varrer bancos de dados privados poderia ser usado para a espionagem.
Em teoria, um engenho que acessa sites restritos poderia buscar informações armazenadas em contas de webmail e em outras páginas com conteúdo protegido.

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) acaba
de lançar um Portal na Internet dedicado a discutir e a incentivar o acesso
livre à informação científica. O Portal apresenta iniciativas já
desenvolvidas em outros países, fórum de discussão, eventos previstos
relacionados a open access, glossário específico, periódicos nacionais e
internacionais, ferramentas de software, entre outros serviços.

O site está localizado em http://www.ibict.br/openaccess

Postado por "Edilson Damasio"  em 08/09/2005

Folha Online - 14/09/2005

O Google lançou nesta semana uma nova ferramenta de pesquisa: um buscador de blogs. Com o lema "Ache blogs com seus assuntos favoritos", o Blog Search foi criado com o objetivo de ajudar os usuários do site a explorar o universo da "autopublicação de maneira mais eficiente".

"Quer você esteja procurando análises sobre o Harry Potter, comentários políticos, receitas de saladas de verão ou qualquer outra coisa, a pesquisa de blogs permite que você descubra o que está sendo dito sobre qualquer assunto", afirma o Google em sua página.

Segundo o site, além de pesquisas de blogs escritos em inglês, o serviço procura endereços em francês, italiano, alemão, espanhol, chinês, coreano, japonês e português, entre outros idiomas.

O banco de dados por trás do mecanismo vai fazer a indexação de todos os blogs existentes, e não apenas daqueles publicados por meio do site Blogger.com, do qual o Google é dono.

Por enquanto, as buscas na versão beta trazem apenas resultados de mensagens publicadas a partir de junho de 2005, mas o Google disse que já trabalha para que a pesquisa também traga textos mais antigos.

Endereço

A ferramente está disponível em quatro endereços: blogsearch.google.com (interface com estilo do Google), search.blogger.com (interface com estilo do Blogger), Painel do Blogger e Navbar (em qualquer blog do Blog*Spot).

A pesquisa em todos os lugares é a mesma, independente de como ela foi acessada. A Navbar, no entanto, tem dois botões: um para pesquisar o blog que estiver sendo visualizado e outro para pesqu isar todos os blogs.

Plantas Medicinais

20:21 @ 07/04/2006

 
 
O site foi desenvolvido por pesquisadores da USP tem como objetivo de divulgar o uso das plantas medicinais, aromáticas e condimentares

Além disso, indica Bibliografia e disponibiliza trabalhos acadêmicos sobre o assunto.

"Vulnerabilidade" é um nome pomposo para os erros de programação que deixam os computadores, e seus infelizes usuários desprotegidos, à mercê dos ataques e da invasão dos hackers. Mensalmente são descobertos cerca de 300 desses erros, em sistemas operacionais e aplicativos.

O trabalho de quem precisa monitorar constantemente esses "buracos" na segurança agora será um pouco mais facilitado. O Instituto Nacional de Padronização e Tecnologia (NIST), dos Estados Unidos, criou a Base de Dados Nacional de Vulnerabilidades (NVD), um repositório de acesso gratuito, contendo informações sobre cada vulnerabilidade e como corrigí-la.

Além de todos os dados sobre segurança disponível em todas as esferas do governo norte-americano, a nova base de dados também contém links para outros sites de segurança e para as correções - os famosos "patches" - disponibilizados pelos fabricantes dos programas.

Já estão catalogadas mais de 12.000 vulnerabilidades, que podem ser pesquisados de várias formas, inclusive pelo tipo, pela gravidade e pelo impacto que os erros podem oferecer, além de, obviamente, pelo nome do fabricante do software.

National Vulnerability Database

Fonte: Inovação Tecnológica - 16/08/2005

Ciências Humanas e Sociais

20:24 @ 07/04/2006

 
Social and Human Sciences Online Periodicals - UNESCO (Full text)
 
Base de dados mantida pela UNESCO, possui mais de 700 periódicos científicos de acesso gratuito e textos integrais nas áreas de ciências humanas e sociais.

A Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica (Abipti) lançou uma biblioteca digital. Inicialmente, os usuários poderão acessar o catálogo on-line da biblioteca, como livros, periódicos e informações detalhadas sobre as publicações disponíveis.

 Também podem ser acessados determinados textos na íntegra. Em breve, a biblioteca deverá ter, também, uma base de dados com as monografias dos cursos de Agentes de Inovação e Difusão Tecnológica (Agintec), da Abipti, além de um serviço de resposta técnica.

 Segundo a associação, 50% de seu acervo já está catalogado. “A biblioteca é bem interativa. Também conta com uma relação de links para outras bibliotecas digitais da área de ciência e tecnologia, seguindo sempre a filosofia da biblioteca sem paredes, formando uma rede”, disse Monika Heringer, coordenadora do centro de informação da Abipti, em comunicado da instituição.

 Os interessados em fazer parte da biblioteca digital da Abipti podem entrar em contato pelo e-mail monika@redeabipti.org.br.

Biblioteca digital da Abipti: http://abipti.phlnet.com.br/

 

Fonte: Fapesp - 24/10/2005

FreePatentsOnline.com unveiled today a professional-level patent searching database, including powerful searching and document organization features, a reminder service, and more, for free. FreePatentsOnline.com plans to change the paradigm in the industry from one of fee-based searching to one of free searching, and is developing a full suite of abilities that rival or exceed that of the commercial providers in the patent data space.
 
Baltimore, MD (PRWEB) November 1, 2005 -- By announcing free searching of millions of patents and patent applications, and free downloading of patents in PDF format, FreePatentsOnline.com is challenging the notion that such services should be fee-based.
 
“The fact that companies like Delphion, who are already charging users per month or more to search their database, charge a substantial fee to simply download a patent is ridiculous. FreePatentsOnline.com provides patent searching and downloading for free,” says James Ryley, President of FreePatentsOnline.com. Ryley was previously the President of Patent Complete, LLC, a patent searching firm specializing in technology-related inventions.

FreePatentsOnline.com uses a custom patent database that provides powerful searching features such as word stemming, search term weighting, and proximity searching, and allows U.S. patents and patent applications, and European patents to be searched simultaneously. Patent images are available in TIFF or PDF format.

FreePatentsOnline.com also provides account features for the professional patent searcher, including an alert service, portfolios to organize documents, the ability to share portfolios with other users, and the ability to export document data to Excel.

“The interest in the site has been phenomenal. I am extremely pleased that so many attorneys, inventors, scientists, engineers, and other intellectual property experts find our site valuable,” states Ryley. “We hope that our services will be particularly useful to small businesses, and will encourage innovation globally by eliminating some of the costs associated with the patenting process.”

FreePatentsOnline.com has even more features under development, including searching via latent semantic indexing, and the addition of PCT and Japanese patent documents.

“We are committed to advancing the state-of-the-art in patent searching, and to delivering the most value in the industry,” said Ryley.

About FreePatentsOnline.com

FreePatentsOnline.com is a leader in patent searching technology and provides free access to a powerful patent searching database. By providing free access to terabyte s of patent information, FreePatentsOnline.com helps businesses lower costs associated with intellectual property. FreePatentsOnline.com also offers custom patent data and patent analytics services. More information is available at http://www.freepatentsonline.com/.

Psicologia

20:28 @ 07/04/2006

Novidades na área de Psicologia: o nome da ferramenta parece o de uma marca de refrigerante, mas é um exelente fruto da parceria entre a Biblioteca Virtual em Saúde – Psicologia (BVS-Psi) e a Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia – ABECiP.
 
PePSIC - Electronic Psychology Journals
 
 
Reúne uma coleção de revistas científicas em Psicologia e áreas afins.
 
Tem como meta ampliar o acesso à produção científica em Psicologia e áreas afins através da publicação de periódicos em formato eletrônico e sua disponibilização gratuita na Internet.

A Biblioteca Virtual em Saúde em Educação em Ciências da Saúde – BVS-Educ foi lançada oficialmente no dia 27 de outubro de 2005 em sessão especial do XLIII Congresso Brasileiro de Educação Médica que ocorreu em Natal, Rio Grande do Norte. O evento aconteceu durante o II Fórum Nacional de Informação em Ciências da Saúde, promovido pela Rede de Apoio a Educação Médica (RAEM), da Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM). A RAEM é também responsável pelo desenvolvimento e operação da BVS-Educ.
 
 
Confiram:
 

Ibict terá espelho do Latindex

20:34 @ 07/04/2006

Brasil passará a armazenar, em 2006, dados do sistema regional de informacão on-line de revistas científicas da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal
O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) passará a armazenar, a partir de fevereiro de 2006, os serviços do Latindex, um sistema regional de informacão on-line de revistas científicas da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal.
 
O instituto foi convidado para atuar como um “espelho” de segurança do Latindex, armazenando em sua estrutura técnica uma cópia da matriz do site e de todos os serviços do sistema.
“Tudo que estará disponível pelo Latindex no México estará também disponível, em cópia de segurança, pelo Ibict, com uma diferença de 12 horas apenas”, afirma Ricardo Rodrigues, coordenador de produtos e serviços do instituto brasileiro.
 
O Latindex nasceu c omo produto da cooperação de uma rede de instituições que funcionam de maneira coordenada para reunir e disseminar informação bibliográfica sobre as publicações científicas produzidas na região.
 
Criado em 1997, o sistema mantém informações sobre 14,2 mil revistas acadêmicas, sendo o Brasil o líder em publicações, com 3,1 mil títulos, seguido da Espanha, com 2.697 publicações, e da Argentina, com 2.244.
Segundo o Ibict, o Latindex também lançará novo site em 2006, mais dinâmico e interativo e com links para acesso ao acervo de bibliotecas dos países participantes da rede.
 
Em breve, também deverá ser iniciada a integração operacional entre o sistema de informações e os serviços do Serviço de Comutação Bibliográfica (Comut) e do Catálogo Coletivo Nacional (CCN), coordenados pelo Ibict. O instituto brasileiro ficará encarregado da atualização da tradução para o português dos serviços disponíveis pelo sistema.
Mais informações: http://www.latindex.unam.mx/
 
 
Fonte: Agência Fapesp

Arte Islâmica

20:39 @ 07/04/2006

Dezessete museus de 14 países da Europa, do norte de África e do Oriente Médio uniram-se para criar o Museu Virtual de Arte Islâmica. Visitem:

 
 
 

Biblioteca Medieval e Clássica

20:41 @ 07/04/2006

The Online Medieval and Classical Library (OMACL), mesmo possuindo poucos títulos a biblioteca oferece na íntegra o conteúdo das obras.

 
The Online Medieval and Classical Library
 

Já está no ar a  Biblioteca Virtual do Governo do Estado de São Paulo  que é um serviço gratuito oferecido para todos os interessados da administração pública paulista e à população em geral.
O objetivo é oferecer apoio e estímulo para o acesso à informação necessário para realizar os seus projetos, trabalhos escolares, atividades profissionais ou orientações para assuntos do seu dia-a-dia. A Biblioteca Virtual desenvolve pesquisas sobre qualquer assunto solicitado.
 
Para conhecer mais do serviço, clique aqui
 
 

Drogas

20:58 @ 07/04/2006

Drugbank Logo

 
 
DrugBank desenvolvida pela Universidade de Alberta (www.ualberta.ca) possui informações detalhadas (seqüências, estruturas, etc)  sobre Drogas (aspectos químicos, farmacológicos e farmacêuticos). Dispõe atualmente de 4.100 drogas registradas.
 

Portal de Acesso Livre da CAPES

21:03 @ 07/04/2006

Para professores e alunos da pós-graduação de todo o país, o MEC disponibiliza o Portal de Acesso Livre. Nele estarão disponíveis para consulta 1.050 publicações científicas brasileiras e internacionais de diferentes áreas do conhecimento, resumos de bases referenciais e de patentes, um banco com resumos de 175 mil teses e dissertações defendidas desde 1987 em instituições brasileiras ou por pesquisadores e estudantes brasileiros em universidades estrangeiras.
 
Além destes textos, os pesquisadores terão acesso a 17 sítios que oferecem periódicos de acesso gratuito, bases de dados referenciais com indexação e memórias de documentos científicos, estatísticas mantidas por organismos nacionais e internacionais, entre eles, da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Fundo Monetário Internacional (FMI); livros, manuscritos, gravuras, partituras, fotografias, entre outros documentos, do acervo digital da Biblioteca Nacional. No caso da Biblioteca Nacional, por exemplo, estão disponíveis livros, manuscritos, gravuras, partituras, fotografias e outros documentos. Para consulta acesse http://acessolivre.capes.gov.br/
 
Os estudantes e professores podem obter as informações neste portal de diferentes formas: pesquisa por palavra, área do conhecimento, publicação, editor, autor. De acordo com o diretor de programas da Capes, José Fernandes de Lima, os materiais agora colocados à disposição do público constituem parte do acervo do Portal de Periódicos da instituição que reúne 9.500 títulos de textos completos, 105 bases referenciais e bases de patentes. A consulta ao Portal de Periódicos da Capes, explica, é restrita a 160 instituições, entre elas, as 55 universidades federais, as instituições estaduais que têm programas de pós-graduação avaliados pela Capes e as instituições pri vadas com cursos de pós-graduação com notas acima de 5. Já o subportal de acesso livre estará à disposição de faculdades, universidades, secretarias estaduais e municipais de educação, saúde, meio ambiente, alunos, pesquisadores e dos cidadãos em geral.
 
Fonte: Assessoria de Comunicação do MEC
 

Dieta

21:05 @ 07/04/2006

International Bibliographic Information on Dietary Supplements (IBIDS) Database
 
 
Suplementos Dietéticos
 
- São mais de 730.000 citações de artigos científicos desde 1986 até o presente.  
- Utiliza 4 fontes para pesquisa: MEDLINE, AGRICOLA, AGRIS e CAB Abstracts / CAB Health
 
 
 http://grande.nal.usda.gov/ibids/index.php
 

Internet e motores de busca são quase sinônimos. Segundo os especialistas, as ferramentas das próximas gerações serão capazes de “raciocinar” e “entender” aquilo que está sendo buscado, oferecendo respostas contextualizadas e com maior precisão e qualidade. Pois bem, acaba de surgir no Brasil uma nova tecnologia, que promete antecipar a chegada do futuro. Trata-se do Ontoweb .
 
As ferramentas de busca nasceram praticamente junto com a interface www da internet. Na primeira geração, tivemos os diretórios (Yahoo! e similares). Logo em seguida, vieram os robôs (spiders) e as tecnologias automatizadas (Altavista). A terceira geração veio com o s metabuscadores (Miner’s). Logo em seguida, veio mais refinamento na organização dos resultados (All The Web). O Google, reunindo sofisticação e muita abrangência, trouxe o Page Rank para a web, e marca a quinta geração. Juntar vários tipos de arquivos diferentes em uma mesma busca (textos e imagens, por exemplo) é o foco da sexta geração (A9), que está se desenvolvendo.
 
A sétima geração é marcada pela qualidade na seleção das informações, por meio das análises inteligentes de conteúdo, e ela já está na internet com o Ontoweb, um incrível e inteligente motor de busca, baseado em ontologias e técnicas de inteligência artificial, que é capaz de “pensar” durante a seleção das informações.
 
O Ontoweb é o primeiro buscador do mundo a trabalhar com engenharia de ontologias, e é fruto de um projeto de desenvolvimento científico, util izando semânticas e estruturas valorativas para contextualizar as buscas e refinar os resultados. O uso das ontologias é um dos principais segredos da nova ferramenta (daí o nome Ontoweb), e é também um dos principais fatores responsáveis pela alta qualidade dos seus resultados.
 
Junto com as ontologias, ele utiliza tecnologias inteligentes como PCE — Pesquisa Contextual Estruturada, RC2D — Representação do Conhecimento Contextualizado Dinamicamente, Mineração de Textos e Raciocínio Baseado em Casos. O novo motor de busca também faz hierarquização de conteúdos com base em métricas de similaridade e engenharia do conhecimento, e permite a visualização gráfica de séries históricas de informações.
Experimente, por exemplo, realizar buscas com as expressões “lavagem de dinheiro”, “governo eletrônico” ou “drogas”, para ver como funcionam as buscas por aproximação conceitual.
 
Além disso, ele também é a primeira ferramenta de busca do mundo especialmente focada em governo eletrônico, pois tem como fontes de informação órgãos governamentais de mídia eletrônica, somados a fontes digitais comunitárias e livres, gerando alta capilaridade no contato informacional direto entre governo e cidadão.
 
O modelo inovador de desenvolvimento tecnológico do Ontoweb também permite que sejam feitas comparações entre textos. Experimente utilizar uma notícia inteira como texto de busca. A versão atual comporta entradas com até 7.000 caracteres, sendo que já foram realizados testes positivos com mais de 30 mil palavras (praticamente um capítulo de um livro). Vale lembrar que o Google, líder mundial do mercado, aceita somente 256 caracteres em sua versão padrão. Essa inovação tecnológica projeta a tendência de, no futuro, o Ontoweb atuar com um buscador para todos os tipos de assunto.
Essa maneabilidade é possível graças à forte qualificação cientifica da equipe que desenvolve o projeto, com um histórico de mais de 10 anos de pesquisas de ponta nas áreas de Gestão do Conhecimento, Inteligência Artificial, Governo Eletrônico e Sociedade da Informação, os quais geraram mais de 200 trabalhos publicados em países como França, Estados Unidos, China, Índia, Escócia, Espanha, Itália, Alemanha, Noruega, México, Chile, Inglaterra, Argentina, Portugal e Grécia, entre outros, além de 17 produtos tecnológicos já patenteados.
 
No último Congresso Mundial de Computação, por exemplo, realizado em Toulouse, na França, o grupo de pesquisadores que desenvolve o Ontoweb superou instituições como a Nasa, a IBM e a Siemens em volume de trabalhos selecionados para publicação. E em pelo menos outras três ocasiões o mesmo grupo de cientistas ficou em primeiro lugar mundial em renomados fóruns científicos internacionais, em Edimburgo (2003), Madri (2004) e Lisboa (2005), superando as universidades e centros de pesquisas mais desenvolvidos do planeta.
 
Além de ser desenvolvido e hospedado no Brasil, o Ontoweb é livre e gratuito, não apresenta banners e não requer cadastro para sua utilização. Como ele não adota a prática de comercializar o ranking dos resultados, as buscas são mais fieis aos conceitos procurados, ou seja, o único fator que influencia na seleção dos documentos é o mapa conceitual da pesquisa solicitada.
Será o fim do império do Google? Ainda não se sabe, mas, com certeza, é o início de uma nova era na gestão do conhecimento.
Revista Consultor Jurídico, 1 de fevereiro de 2006

Sobre o autor

Hugo Cesar Hoeschl: post doc em governo eletrônico professor da UFSC. É também ex-secretario de Geração de Oportunidades de Florianópolis. Especialista em Informática Jurídica, doutor em Inteligência Aplicada e pós-doutor em Governo Eletrônico. Ex-Promotor de Justiça e ex-Procurador da Fazenda Nacional.
 
 
Fonte: Consultor Jurídico

Parte da flora brasileira passa a ser conhecida em uma nova base de dados na internet. Cerca de 20 mil espécies fazem parte da estrutura inicial que pode ser acessada no endereço www.arvoresdeirati.com.

 
Segundo o administrador do projeto, Daniel Saueressig, acadêmico de Engenharia Florestal da UNICENTRO, em Irati (PR), o objetivo da “Base de Dados Livre – Plantas do Brasil” é modificar a maneira como as pessoas tratam a informação, disponibilizando-a de forma gratuita e democrática e permitindo colaborações.
 
Os usuários podem realizar buscas por espécies em cada um dos estados brasileiros ou de forma simultânea em vários deles. A pretensão do projeto é que ele se estenda e chegue a abranger todos os estados brasileiros. Para viabilizar a inserção em outras localidades, foi utilizada uma ferramenta que permite que usuários participem da construção da base de dados, podendo incluir, alterar e excluir os dados das espécies. “Busca-se a associação voluntária de indivíduos e grupos para desenvolver uma fonte comum de conhecimento na área da botânica”, afirma Daniel.
 
O acesso à base de dados é permitido para usuários cadastrados, que devem preencher um formulário no endereço: http://www.arvoresdeirati.com/index.php?area=cadastro e efetuar a confirmação no link indicado, recebido por e-mail. A validação se dá em 24 horas, permitindo acesso total. Enquanto o cadastro não é aprovado, o internauta pode visualizar os dados, porém, com restrições em algumas funções.
 
Espera-se agrupar nesse banco de dados informações sobre características morfológicas, fenológicas, ecológicas e potencial de utilização das espécies nativas. “Deste modo, ajudar na conscientização das pessoas quanto à necessidade da preservação destas espécies, e também esclarecer os benefícios e potencialidades existentes em nosso meio”, explica Daniel.
O projeto é semelhante à Wikipédia, explica o coordenador, falando da enciclopédia online de conteúdo aberto que, desde o seu início, em 2000, até dezembro de 2004, já haviam sido criados mais de um milhão de artigos em diversas língu as. “Este tipo de trabalho permite um constante crescimento e aperfeiçoamento das informações”.
 
“Sabemos que, inicialmente, existem erros em nossa base de dados, na inclusão de espécies exóticas e na sinonímia”, afirma o administrador do projeto, encorajando os leitores a auxiliar na correção de tais problemas. A maior parte dos registros iniciais foram extraídos de sites de herbários que mantêm suas coleções científicas on line, de acordo com ele, “como o Herbário de Nova York e o Herbário do Jardim Botânico de Missouri”. Os dados, porém, não foram totalmente revisados.
 
O design e a programação da base de dados on line são coordenados por Alex Saueressig, acadêmico de design gráfico da ULBRA - Carazinho/RS.
 
 
Fonte

Objetivo é facilitar acesso e aumentar eficácia da consulta.   
 
O Sistema de Legislação da Previdência Social (Sislex) permite que os beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) obtenham informações precisas acerca dos motivos que justificam a concessão, ou não, dos benefícios. Ele foi criado com o objetivo de oferecer à população um banco de dados para consultas sobre o tema, para facilitar o acesso ao material, aumentar a eficácia do atendimento e diminuir a pesquisa em documentos de papel.
 
O Sislex busca também diminuir o número de pedidos de revisão dos benefícios provocados pela desinformação acerca dos procedimentos da Previdência Social que sobrecarregam o órgão e prejudicam o atendimento.
Muitas vezes, os pedidos de revisão acontecem por causa da demora na resposta às solicitações. São situações em que os benefícios dependem da análise de documentos, como, por exemplo, quando se faz necessária uma perícia médica ou pesquisa externa. Nesses casos, os trabalhadores são informados posteriormente, por meio de carta encaminhada pelo Ministério da Previdência Social.
 
Quem deseja consultar a Constituição Federal, Decretos, Decretos-Leis, Emendas, Estatutos, Leis Ordinárias, Medidas Provisórias e, inclusive, a Lei nº 8.212 - que Dispõe sobre a organização da Seguridade Social - e a Lei nº 8.213 - que Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social - pode acessar o sítio eletrônico da Previdência Social (www.previdencia.gov.br).
 
Fonte:   FiscoSoft
 
OBS: O endereço direto do SISLEX é:
 

 
 
BDQueimadas - Banco de Dados Queimadas
 

A Divisão de Processamento de Imagens do INPE criou um banco de dados geográficos que contem várias informações relativas a queimadas, tais como: focos de calor dos mais variados satélites, imagens de vários satélites e com varios níveis de resolução, base cartográfica, dados meteorológicos, mapa de desmatamento, mapa das unidades de conservação etc...

Atualmente este banco está com aproximadamente 4.500.000 (quatro milhoes e quinhentos) de registros, ou seja, ja foram armazenados mais de 4.500.000 de foco s de calor, o que representa o maior acervo de dados de queimadas disponível no Brasil (e talvez no mundo). Através desde site é possível resgatar focos de queimadas desde 01 Junho 1992 até os dias de hoje.

LivRe! tem nova versão

21:16 @ 07/04/2006

Serviço facilita a identificação e o acesso a periódicos científicos, de divulgação científica e boletins técnicos de acesso gratuito na internet
O LivRe!, portal feito para facilitar a identificação e o acesso a periódicos eletrônicos de acesso gratuito na internet, ganha nova versão.
 
O serviço, desenvolvido pelo Centro de Informações Nucleares da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), engloba periódicos científicos, de divulgação científica e boletins técnicos cobrindo todas as áreas de conhecimento.
 
A coleção tem 2.201 periódicos na crescente coleção, além de informações mais completas e recursos de busca ampliados. Para cada título, são registrados as descrições fornecidas pelo editor, os assuntos e o período cobertos, o idioma de publicação, quais as fontes que indexam os artigos publicados e se os mesmos passam por processo de revisão por pares (peer review). Todos esses dados podem ser usados para selecionar e localizar os títulos de interesse.
 
Criado inicialmente como instrumento do serviço de fornecimento de textos completos da Cnen, ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) , o LivRe! tornou-se de uso público em 2003 com o lançamento de sua primeira versão na internet.
 
 
Fonte: Agência Fapesp

São Paulo, 03 de abril de 2006 – O Portal Domínio Público, biblioteca digital da Seed (Secretaria de Educação a Distância) do MEC (Ministério da Educação e Cultura), chegou aos 14 mil títulos em seu acervo em 2006. São 10 mil em arquivos de texto e 4 mil em outras mídias. Todo o acervo da biblioteca é constituído por obras de domínio público ou devidamente cedidas pelos autores ou detentores dos direitos autorais.
 
Atualmente, o portal conta com média de 41,4 mil visitas por mês, tem se consolidado como importante ferramenta educativa e de pesquisa. O acesso para consulta ao acervo pode ser feito por critérios tabelados (mídia, categoria, autor, título e idioma), nome do autor e por palavras.
 
No ar desde novembro de 2004, o portal é um ambiente virtual que permite a coleta, integração, preservação e compartilhamento de conhecimento. O objetivo é fornecer acesso às obras literárias, artísticas e científicas em textos, sons, imagens e vídeos. Paralelamente, o portal tem procurado reproduzir artigos e trabalhos acadêmicos relacionados à educação à distância.
 
Organizações internacionais, como o Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), têm permitido a reprodução de seus estudos, artigos e publicações.
 
Além do Domínio Público, o MEC dispõe de outras ferramentas, como o Portal de Periódicos da Capes, com 9,5 mil títulos de textos completos, 105 bases referenciais e bases de patentes, e o Portal de Acesso Livre, que coloca à disposição de qualquer internauta a 1,05 mil publicações científicas brasileiras e internacionais de diferentes áreas do conhecimento, resumos de bases referenciais e de patentes, um banco com resumos de 175 mil teses e dissertações defendidas desde 1987 em instituições brasileiras ou por pesquisadores e estudantes brasileiros em universidades estrangeiras.
 
Fonte: W News - 03/04/2006 

Fundação Alexandre de Gusmão inaugura Biblioteca Digital

A Fundação Alexandre de Gusmão acaba de lançar a Biblioteca Digital de Política Externa em sua página na Internet [ www.funag.gov.br ]. Trata-se de uma iniciativa que pretende ampliar o acesso do público interessado aos livros editados pela FUNAG sobre temas da Política Externa.
 
O acervo inicial conta com duas coleções de obras:
1] 31 livros dos seminários do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais [IPRI] da FUNAG;
2] 36 teses, já publicadas pela FUNAG, do Curso de Altos Estudos [CAE] do Instituto Rio Branco [IRBr].
A Biblioteca Digital de Política Externa oferece acesso, sem ônus, ao texto integral das obras constantes de seu acervo, em formato PDF.
 
Cooperação
A Fundação Alexandre de Gusmão [FUNAG] e a Universidade Federal do Ceará [UFC] assinaram, em 13 de março, Termo de Cooperação Técnica, que criou o Centro de Estudos Brasil-Cabo Verde.
 
No dia 16 de março, a FUNAG firmou Termo de Cooperação Técnica com a Universidade Federal do Pará [UFPA], para implantação do Centro de Estudos Brasil-Venezuela.
 
Segundo o Itamaraty, em 2005 e 2006, a FUNAG firmou cooperação com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul [UFGRS], para criação do Centro de Estudos Brasil-África do Sul, e com a Universidade Federal Fluminense [UFF], que criou o Centro de Estudos Brasil-Argentina.
“Essas iniciativas integram o programa da FUNAG de estímulo à implantação, em universidades brasileiras, de Centros de Estudos sobre Países do Hemisfério Sul [CESUL], no qual a FUNAG contribui com a doação de livros especializados, apoio a pesquisadores e edição de teses de Doutorado e Mestrado”, informou o ministério das Relações Exteriores.
 
Fonte: Inforel

Base de Dados do Paraná na web

12:47 @ 08/04/2006

 
A BDEweb é um sistema de informações estatísticas dos municípios paranaenses, com mais de 6 milhões de dados classficiados por grandes temas e assuntos.
 
São informações anuais e padronizadas das áreas física, econômica, social, financeira, política e administrativa. 
      
Na BDEweb você encontra dados como o Produto Interno Bruto (PIB), Índices de Desenvolvimento Humano (IDH), Densidade Demográfica e informações específicas como número de emprego por setores de atividades.
 
Acesse: http://www.ipardes.gov.br/imp/index.php
 

A Microsoft está trabalhando em um recurso de busca chamado Live Academic Search que irá concorrer com o Google Scholar. A versão beta estará disponível até Setembro deste ano e permitirá a busca de artigos acadêmicos pagos e livre acesso.

Endereço feito pelo Dieese permite comparar salários por categorias e regiões brasileiras. No entanto, exatidão depende de colaboração dos internautas
 
 
Para maiores informações clique aqui.

Apesar do receio das editoras de livros, o Google conseguiu pelo menos duas parcerias no Brasil: com o Senac e com a Callis.

O objetivo é lançar a versão brasileira do Google Books Search, uma ferramenta de busca de livros. O Google ainda tenta fechar acordos com dez editoras do país, mas não revelou quais são elas.

O contrato mais recente foi fechado pela empresa com a editora do Senac, no final de janeiro deste ano. Segundo o gerente-editor Marcos Vinícius Barili, a editora mandou os seus 660 livros para a digitalização. “Isso pode ajudar o leitor a localizar conteúdos e a saber como pode comprá-los.

O Senac se interessa pela divulgação”, disse Barili. Ele acredita que não há problemas de direitos autorais. A primeira a fechar com o Google foi a editora de livros infantis Callis, em 2005.

Segundo Miriam Gabbai, editora da Callis, 90 dos 350 títulos foram enviados para o Google. “Não me preocupei porque livros infantis têm um custo alto para imprimir, mas entendo o receio das outras editoras”, disse.

 
Fonte: Jornal Bom Dia S. J. Rio Preto - 08/04/2006
 
 

Bireme + Google

21:04 @ 12/04/2006

Uma das novidades do novo Portal da Bireme - que estará no ar em breve -  é que a busca também poderá ser realizada no Google Scholar.

 

Confiram a novidade aqui.

Já está disponível o texto da palestra "A Biblioteca Digital Européia" de Elisabeth Niggemann diretora da Biblioteca Nacional Alemã no Colóquio Internacional - Bibliotecas Digitais realizado no mês de abril em São Paulo e no Rio de Janeiro:
 

Arquitetura Portuguesa

21:35 @ 27/04/2006

A Ordem dos Arquitetos de Portugal apresentou hoje (27/04) a base de dados,
IAPXX - Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal.

O objetivo é registrar na base de dados o levantamento do patrimônio construído em  Portugal ao longo do último século. Este patrimônio inclui seis centros históricos no Brasil que possuem origem portuguesa.

O levantamento foi realizado ao longo de 32 meses e disponibilizará mais de 82 mil fotografias e 6112 fichas contendo informações específicas das obras.

O endereço da base é: http://iapxx.arquitectos.pt/