Grupos

BDTD terá novo portal

18:47 @ 08/07/2008


O novo portal da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict), será lançado nesta quarta-feira (2/7), com novos produtos e serviços.


O serviço levará mais informação e conteúdo a profissionais da área, pesquisadores, estudantes e o público em geral que desejar conhecer inovações e conhecimentos gerados no âmbito das principais universidades brasileiras integradas à BDTD.


Segundo o Ibict, o novo sistema será totalmente orientado pelo Padrão Brasileiro de Metadados de Teses e Dissertações (MTD2-Br), cujas mudanças foram apresentadas e aprovadas na última reunião do Comitê Técnico-Consultivo da BDTD.


Alterações significativas no modelo e no sistema foram feitas com a incorporação dos dados de teses e dissertações à BDTD, por meio da coleta automática de metadados (harvesting) e em total compatibilidade, tanto em forma como em conteúdo, com o padrão MTD2-Br.


Além das funcionalidades tradicionais de acesso integrado aos conteúdos de teses e dissertações defendidas no Brasil e por brasileiros no exterior, o novo portal permite maior interação com os seus usuários mediante a disponibilização de novos produtos: estante digital, serviço de alerta, gerenciador de repositórios e indicadores de produção e de pesquisa.


Algumas instituições estarão, inicialmente, ausentes do novo portal, por estarem adaptando suas respectivas bibliotecas digitais de teses e dissertações ao padrão MTD2-Br.


O Ibict destaca que o portal original e o novo estarão simultaneamente ativos durante o processo de adequação, que deverá ser concluído até janeiro de 2009.


Mais informações: www.ibict.br



Fonte: Agência Fapesp

"De todas as paixões, o medo é aquela que mais debilita o bom senso"

Jean Retz




Um grupo de pesquisadores americanos estabeleceu as bases para criar uma nova biblioteca digital dedicada aos genes humanos, cujos dados serão armazenados na enciclópedia virtual Wikipedia.

"Existem 25.000 genes no genoma humano. Temos cerca de 9.000 artigos a respeito", afirmou Andrew Su, uma das pessoas por trás do projeto "Gene Wiki", do Genomics Institute da Fundação Novartis Research Foundation de San Diego, Califórnia.


"Nosso objetivo é oferecer um ponto de início comum para o assunto", indicou, destacando que depois corresponderá aos outros cientistas o acréscimo de informação e a atualização do site, como acontece com a Wikipedia.


Por sua parte, pesquisadores do Hospital Infantil de Boston e a Harvard Medical School também utiliza a internet com o objetivo de rastrear surtos de doenças infecciosas como a meningite ou a tuberculose.


O site HealthMap.org coleta, organiza e difunde on-line informações sobre esses surtos.


Fonte: AFP


"Sê senhor da tua vontade e escravo da tua consciência" Aristóteles
A imagem “http://www.suapesquisa.com/religiaosociais/aristoteles2.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

O presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Jorge Guimarães, disse ontem que Taiwan tirou do Brasil o 15º lugar no ranking da produção científica mundial em 2007, segundo um dos índices de aferição baseados no número de artigos publicados em revistas especializadas.


A vantagem de Taiwan, segundo Guimarães, se deve ao maior volume de produção científica na área tecnológica, ao lado de outros países asiáticos. "Hoje há praticamente cinco países que disputam a 15ª colocação: Brasil, Taiwan, Suécia, Suíça e Turquia", disse. O presidente da Capes afirmou que, apesar de perderem uma posição no ranking mundial, cientistas brasileiros aumentaram em 4,2% o volume de publicações entre 2006 e 2007.


A Capes usa duas fontes para apurar a produção científica. Uma é a Scopus, cujos números foram antecipados pela Folha na sexta-feira passada. Segundo essa fonte, o Brasil apresentou queda na publicação de artigos em 2007, mas manteve o 15º lugar no ranking mundial.


China é líder


A outra fonte é o ISI (Instituto para Informação Científica), que aponta aumento na publicação de artigos, mas queda no ranking. A primeira base de dados é mais extensa, mas cobre um período menor de tempo do que a segunda, sobre a qual Guimarães falou ontem.


De acordo com o ISI, o Brasil publicou 17.627 artigos em revistas especializadas em 2007. Taiwan publicou 17.914. Na comparação dos últimos dois triênios (de 2002 a 2004 e de 2005 a 2007), a China apresentou o maior percentual de crescimento (72,5%), seguida de outros três países (Turquia, Irlanda e Taiwan) antes do Brasil, que conseguiu aumentar em 34,5% o seu ritmo de publicação de artigos.


A Capes vai premiar cientistas nesta semana numa parceria com a editora holandesa Elsevier, que administra a base de dados Scopus.


Fonte: Folha Online


"O belo é o esplendor da ordem"

Aristóteles

A imagem “http://www.suapesquisa.com/religiaosociais/aristoteles2.jpg” contém erros e não pode ser exibida.



O Canal do Livro, iniciativa da empresa Retoque Assessoria e Comunicação que transforma obras literárias em ferramentas educativas, acaba de ser escolhido pelo Ministério da Cultura para integrar o Banco Mundial de Recursos Multimídia.

A empresa passa a disponibilizar, gratuitamente, LivroClips baseados em obras da literatura clássica.

Títulos como Os Lusíadas, Dom Quixote e o Inferno de Dante estão entre elas. O objetivo da iniciativa é contribuir para a melhoria da qualidade da aprendizagem colocando à disposição dos estudantes uma coleção com o que há melhor em recursos multimídia.

Os LivroClips também vão fazer parte do Portal do Professor para disseminação da cultura de uso nas escolas brasileiras. Conheça o conteúdo acessando o site.

Fonte: Publishnews

"A dúvida é o princípio da sabedoria"
Aristóteles
A imagem “http://www.suapesquisa.com/religiaosociais/aristoteles2.jpg” contém erros e não pode ser exibida.




O Yahoo lançou na quarta-feira, 09, o BOSS (Build your Own Search Service), serviço que permitirá a qualquer usuário desenvolver serviços customizados para busca, tendo como plataforma a tecnologia do buscador.


Os desenvolvedores também terão acesso às imagens, notícias e base de dados do Yahoo News e do Flickr e serviço de checagem ortográfica.


O BOSS faz parte do projeto Open Strategy, anunciado pela empresa de Jerry Yang no início do ano. O plano de longo prazo visa facilitar o acesso a sistemas de busca a partir de serviços e aplicações.


Fonte: Baguete


  "O paciente é o mais forte" 
Victor Hugo
Victor Hugo

A Universidade de Coimbra anuncia amanhã os detalhes de uma parceria com a Google que a tornará a primeira universidade portuguesa a integrar a Biblioteca Digital, o polémico projecto da empresa de Internet que pretende tornar pesquisáveis na rede o espólio de bibliotecas e editoras de todo o mundo.

O projecto, cujos custos são suportados na totalidade pela Google, vai juntar à biblioteca digital que a empresa vem criando desde 2006 600 obras da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, muitas delas escritas por professores e editadas pela própria biblioteca, no período em que funcionou como editora.

De acordo com o Público, que avança a notícia, os textos incluídos nos 600 documentos deverão estar em breve pesquisáveis no site do projecto, que enfrentou várias críticas de editoras e associações de direitos de autor, que consideravam esta disponibilização online uma forma de violar direitos.

A Google adaptou o projecto, garantindo uma maior defesa de críticas e enquadramento legal. As obras que não estão no domínio público só são publicadas em excertos. Por outro lado, só são publicadas na íntegra as obras do domínio público.

A Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra gere mais de um milhão de volumes e não esconde a intenção de fazer avançar o projecto para um número maior de obras, com a Google ou com outra empresa que aceite a parceria, disse um responsável da instituição ao Público. Uma das possibilidades seria a digitalização do acervo da Biblioteca Joanina com cerca de 200 mil obras datadas dos séculos XVI a XIX.


Fonte: Tek Portugal



  "A paciência é a arte de esperar"
Luc de Clapiers Vauvenargues
Luc de Clapiers Vauvenargues

FAPESP estréia novo portal

17:53 @ 14/07/2008

FAPESP estréia novo portal

Com informações mais bem organizadas para atender os 500 mil visitantes por mês, portal traz também novos sites, voltados a pesquisadores e bolsistas e com dados sobre projetos apoiados pela Fundação


A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) está de cara nova. O novo portal foi lançado nesta segunda-feira (14/7), no endereço www.fapesp.br, para melhor atender os mais de 500 mil visitantes que acessam os serviços eletrônicos da Fundação a cada mês.


Uma das primeiras instituições a integrar a internet brasileira, a FAPESP reúne no novo portal seus diversos sites e organiza melhor as informações de modo a atender mais eficientemente os pesquisadores, bolsistas e o público em geral.


O site principal (www.fapesp.br) conta com mais de 3,2 mil páginas de informações e serviços sobre as formas de apoio à pesquisa científica e tecnológica em todas as áreas do conhecimento oferecidas pela Fundação.


O menu superior traz links para as principais seções, com informações sobre a instituição e sobre todos os seus tipos de bolsas, auxílios e programas especiais e de pesquisa para inovação. Um pouco acima está a busca, que foi melhorada para trazer resultados mais consistentes e que leva em consideração as páginas mais acessadas em determinado momento.


Notícias são publicadas no destaque principal e na seção "Notícias da FAPESP". A seção "FAPESP na mídia" reúne reportagens sobre a Fundação publicadas em veículos de todo o país.


O site destaca também em sua página inicial a Biblioteca Virtual (www.bv.fapesp.br), na qual o usuário pode fazer pesquisas nas fontes de informação reunidas pelo Centro de Documentação e Informação. Outro site é o de Indicadores (www.indicadores.fapesp.br), que traz a série Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo e o Fapesp.Indica, que facilita a busca pela internet de informações voltadas à produção e análise de indicadores de ciência, tecnologia e inovação.


Acesso direto aos sites do Sistema de Apoio a Gestão (SAGe, em www.fapesp.br/sage), Sistema Agilis (internet.aquila.fapesp.br/agilis), revista Pesquisa FAPESP (www.revistapesquisa.fapesp.br) e Parque de Equipamentos (www.parques.fapesp.br), além do serviço Converse com a FAPESP (www.fapesp.br/converse), de atendimento ao público, também estão em destaque.



Novos sites

O portal também lança novos sites. Pesquisadores e Bolsistas (www.pesquisadores.fapesp.br) reúne informações de interesse ao principal público da FAPESP com acesso facilitado aos serviços oferecidos. Ali, os usuários podem acessar rapidamente as páginas de consulta de processos, formulários, valores de bolsas e diárias, Reserva Técnica, sistemática de análise, chamadas de propostas e diversas outras. O site também usa o recurso de tags, marcações em todas as páginas de modo a relacionar as mais procuradas.


Pesquisa Apoiada pela FAPESP (www.pesquisapoiada.fapesp.br) pretende reunir informações sobre todos os projetos de pesquisa apoiados pela Fundação desde que foi instituída, em 1962. Ali já estão cerca de 20 mil projetos apoiados por meio das modalidades Projeto Temático e Auxílio Regular a Pesquisa e dos programas Pesquisa Inovativa na Pequena e Micro Empresa (PIPE), Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE), Programa de Apoio à Propriedade Intelectual (PAPI/Nuplitec) e Apoio a Jovens Pesquisadores.


O site Oportunidades (www.oportunidades.fapesp.br) tem o objetivo de reunir anúncios de vagas para bolsistas de pós-doutorado em Projetos Temáticos. Coordenadores de projetos podem se inscrever para enviar dados sobre as vagas e bolsistas podem enviar currículos.


Outra novidade do portal é o novo site da Agência FAPESP (www.agencia.fapesp.br), que distribui diariamente boletins eletrônicos para mais de 67 mil leitores em todo o país. O site traz em sua página inicial as chamadas principais do dia e as mais recentes reportagens publicadas nas seções "Especiais", "Entrevistas" e "Divulgação Científica". "Notícias" e "Agenda" também são destacadas na homepage e seções internas, assim como a seção "Mais lidas". O leitor pode ainda acessar todos os boletins enviados pela Agência FAPESP desde o lançamento do serviço noticioso, em 24 de junho de 2003.


Mais informações: www.fapesp.br



  "Aprender? Certamente mas, primeiro, viver e aprender pela vida, na vida"
John Dewey
John Dewey



 

Imagine uma biblioteca sem paredes, estantes ou livros, mas que oferece aos usuários os mesmos serviços de uma biblioteca tradicional, auxiliando na pesquisa e direcionando para as fontes de informações. Trata-se da Biblioteca Virtual (BV), um serviço gratuito que o Governo do Estado de São Paulo oferece a toda a população pela internet. Criada em 1997 para oferecer suporte às necessidades de informação dos dirigentes e executivos da administração estadual, a Biblioteca Virtual cresceu e é hoje um importante centro de pesquisa pública, que recebe cerca de 47 mil visitantes mensais, além das solicitações que chegam por telefone ou pelo correio.


“Diferente da biblioteca digital, que contém material digitalizado, ou da on-line, que garante interatividade com respostas imediatas, a biblioteca virtual mostra o caminho”, explica a coordenadora da Biblioteca Virtual do Governo do Estado, Regina Fazioli. Para atender a todas as solicitações de informações, a Biblioteca Virtual conta com uma enxuta equipe, composta por seis pessoas qualificadas para a função, sendo quatro bibliotecários, uma licenciada em e letras e uma advogada.


Pronta entrega


Com a experiência acumulada ao longo do tempo, a Biblioteca Virtual resolveu criar áreas com conteúdos sobre as informações mais procuradas. Em seu site (www.bibliotecavirtual.sp.gov.br), elas foram organizadas por temas para facilitar as pesquisas. Em “Cidadania”, o internauta encontra o caminho para sites que contenham informações sobre educação, saúde, emprego, documentos (RG, Carteira de Trabalho, CPF etc.) e direitos do consumidor, entre outros. “Legislação” direciona o usuário a sites que tratam de leis estaduais, federais e municipais, além de resoluções de secretarias e órgãos do Estado; “Governo do Estado” contém os principais sites de serviços ao cidadão, como o Poupatempo, o Acessa São Paulo e as Ouvidorias do Governo paulista, entre outros; “São Paulo” traz informações referentes ao Estado, como aspectos geográficos, história, mapas e símbolos, folclore e turismo.


Em “Projetos Sociais”, o cidadão localiza informações referentes aos programas e projetos sociais do Estado, divididos por Secretaria e ‘clientela’, como Terceira Idade, Estudante, Atleta, Mulher, entre outros. Assuntos diversos foram condensados em “Outros Temas”, onde é possível obter informações sobre bibliotecas virtuais e públicas, os principais sites para pesquisa escolar, informações sobre serviços de utilidade pública, como o localizador de CEP dos Correios, lista de endereços de cartórios, Delegacia Eletrônica e etc.


A Biblioteca Virtual também reuniu os endereços dos principais sites de dicionário e enciclopédias digitais. Em Dicionários da Língua Portuguesa, por exemplo, é possível encontrar link para conjugador de verbos e um site com um dicionário que traz as diferenças entre o português falado no Brasil e em Portugal.


Caminho das pedras


Quem não encontra o que procura no site, pode enviar uma mensagem pelo “Fale Conosco”. A partir daí, toda a equipe trabalha na localização da informação, dos sites que contenham tais informações e até descobrem especialistas que possam responder as questões formuladas pelo usuário. A preocupação em atender a solicitação é tamanha, que a equipe chega a telefonar para o usuário para entender melhor a dúvida ou até mesmo para oferecer a resposta.


Regina Fazioli explica que a Biblioteca Virtual é muito acessada por estudantes em busca de informações para trabalhos escolares. “Quando não encontram o que precisam, nós vamos atrás. Mas não entregamos o trabalho pronto. Mostramos onde conseguir as informações para a elaboração desse trabalho”, explica.


Especialista em formigas


A equipe, porém, se empenha ao máximo para encontrar todas as respostas, independente da motivação da pesquisa. “Uma internauta quis saber se as formigas soltavam algum tipo de secreção que fosse prejudicial à saúde. Achei interessante a preocupação dela. Deu para perceber que era uma pessoa que estava descobrindo o mundo”, contou a radialista e pesquisadora Anamaria Sobral, integrante da equipe da Biblioteca Virtual.


Depois de algumas pesquisas, Anamaria descobriu que as formigas soltavam, sim, uma secreção, mas que só oferecia perigo em ambientes hospitalares. A pesquisadora, então, encaminhou à usuária uma pesquisa sobre as formigas e outra sobre formigas no ambiente hospitalar, o endereço de um site que continha informações sobre formiga doméstica e recomendou bibliografia sobre o assunto. “Durante a pesquisa, entrei em contato com uma especialista em formiga do Instituto Biológico, que se dispôs a contatar, por e-mail, a internauta em dúvida para mais informações”, lembra Sobral.


Biblioteca Virtual: www.bibliotecavirtual.sp.gov.br


Fonte: Jornal O Serrano





  "Não se aprende bem a não ser pela experiência"
Francis Bacon
Francis Bacon

A Google e as bibliotecas municipais de Lyon, na França, passarão a ter mais de 500 mil livros disponíveis on-line como parte do Google Book Search.

A Biblioteca Municipal de Lyon, que é a segunda maior depois da Biblioteca Nacional de Paris, é a primeira instituição francesa a participar do projeto, que vai disponibilizar aos usuários o acesso pela Internet de obras, pesquisáveis através do Google Book Search. Há também a possibilidade de fazer o download dos textos completos a partir do histórico e coleções especiais.

O projeto inclui obras em latim, italiano, Inglês, alemão e espanhol, que serão adicionadas ao índice do Google multilingue. A Biblioteca Municipal de Lyon é o 29º biblioteca a participar do projeto, que inclui também Oxford University, Universidade de Harvard, Stanford University e Universidade de Princeton.


Fonte: PublishNews / The Bookseller


  "Cada homem deve criar o seu caminho"
Jean-Paul Sartre
Jean-Paul Sartre

Por puro interesse ou necessidade de realizar algum trabalho ou pesquisa, há sempre situações que nos levam a ter de fazer uma deslocação à biblioteca, numa ou noutra altura. Além do acesso a milhares de colecções de livros que cada visita deste género permite, pode também ser uma oportunidade para visitar um edifício antigo ou um belo jardim, tantas vezes associados ao espaço das bibliotecas.

Mas verdade seja dita, muitas vezes o que fazia mesmo falta era conseguir ter acesso à informação pretendida o mais rápido possível e sem sair de casa. É precisamente sobre estas possibilidades que hoje lhe falamos. Um conjunto de projectos, nacionais ou internacionais, têm trazido para a Internet muita da cultura depositada nas bibliotecas e com isso facilitado um acesso sem fronteiras e sem horas a conteúdos que, de outra, forma teriam acesso mais complicado.

Começamos a visita cultural pela versão digital da Biblioteca Nacional. A iniciativa já conta alguns anos e tem permitido a digitalização de várias colecções à guarda da BN. A consulta online pode ser orientada por datas, autores, ou referência atribuída pela biblioteca. Teses e dissertações, publicações periódicas, partituras, livros antigos e documentos cartográficos são apenas alguns dos materiais que pode encontrar por esta via. O espólio está constantemente a crescer, muitas vezes na medida dos apoios privados que financiam a sua digitalização, mas também através de financiamento público. No início deste ano estavam disponíveis mais de 10 mil obras.

Portugal é parte integrante de um projecto que está a ser desenvolvido em vários outros países europeus e que tem como objectivo maior criar uma Biblioteca Digital Europeia. O trabalho já realizado pelos vários países tem como porta de entrada o site The European Library onde pode entrar em dezenas de bibliotecas europeias.

Em Novembro deste ano, o trabalho desenvolvida pelos vários países desde 2005 vai ter nova porta de entrada. A Europeana, que já pode ser acedida, e que compilará não apenas os trabalhos digitais das bibliotecas nacionais, como dará também acesso aos materiais digitalizados por museus e arquivos nacionais.

O Arquivo Nacional da Torre do Tombo será uma das presenças no Europeana. Os milhares de documentos que este depósito da história portuguesa tem vindo a guardar ao longo dos séculos já começaram a ser digitalizados e boa parte já pode ser acedida online, através da página de Internet da instituição.

Fechamos esta nossa visita cultural com o Google Book Search. Para muitos já dispensa apresentações, quer pela dimensão que começa a ganhar, quer pela muita polémica que tem provocado desde que arrancou. O serviço de digitalização de livros da Google tem uma vertente dirigida a editoras e uma outra, onde o alvo são bibliotecas universitárias. Já fechou dezenas de acordos em todo o mundo que lhe permitem dar acesso a milhares de livros, em versão completa ou parcial. Um dos mais recentes foi com a Universidade de Coimbra. Os títulos em questão deverão estar disponíveis em breve.


Fonte: TeK

"A originalidade não é mais do que uma imitação criteriosa"
Voltaire
Voltaire

Por Marcus Vinícius Brasil

São Paulo, 16 (AE) - Para quem estiver aprendendo um idioma na web, as facilidades não param nas redes sociais. Há sites que oferecem ferramentas para agilizar o aprendizado de línguas, solucionar dúvidas de pronúncia e oferecer ajuda através de vídeos didáticos.Mas, além de facilitar a vida de quem estuda línguas estrangeiras, a tecnologia oferece soluções para destrinchar a boa e velha gramática portuguesa.



Um bom começo é procurar por extensões para navegadores como o Firefox ou Internet Explorer. Há inúmeras opções de add-ons, inclusive de dicionários e ferramentas de tradução. Em vez de navegar por sites ou recorrer aos livros tradicionais, esse tipo de atalho quebra um bom galho.


O FoxLingo (do Firefox), por exemplo, oferece um pacote que inclui tradução de páginas na web para cerca de mil idiomas e uma centena de links para sites de aprendizado de línguas.

Também há endereços na web nascidos para solucionar pequenas dúvidas de português. O Só língua Portuguesa (www.solp.com.br), por exemplo, lança luz sobre algumas das maiores fontes de erros gramaticais. Para acessar todo o conteúdo, basta preencher um cadastro gratuito.


Desde dúvidas mais básicas - como a diferença entre "mau" e "mal" - até material sobre morfologia, sintaxe e semântica estão no endereço, que reúne também jogos, provas online e exercícios resolvidos.


No Gramática On-line (www.gramaticaonline.com.br), a proposta é semelhante. O endereço possui exercícios de ortografia, fonética, dicas para uso de hífen, pronomes e verbos. Além do "grosso" gramatical, o menu inclui um guia para o estudante evitar pegadinhas idiomáticas.


Há até um agregador de sites educacionais disponível na internet. O INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - mantém a Biblioteca Virtual de Educação (http://bve.cibec.inep.gov.br), em que estão reunidos sites educacionais brasileiros e estrangeiros. Lá você encontra bibliografias, endereços sobre educação infantil, etc.


Colaboração - Outra maneira de encontrar informação na internet - se você confia em wikis elaborados a partir do esforço coletivo - é o Wikcionário (www.pt.wiktionary.org).


Apesar de ser um pouco diferente dos dicionários aos quais estamos acostumados, o interessante do site é que ele encara o português de uma maneira menos localizada, considerando expressões não apenas usadas no Brasil ou em Portugal, mas também algumas definições características de Angola, Cabo Verde e Moçambique, onde também se fala o idioma de Camões. Tudo graças ao caráter colaborativo do site.


Fonte: Yahoo Notícias


"O último esforço da razão é reconhecer que existe uma infinidade de coisas que a ultrapassam"
Blaise Pascal
Blaise Pascal



Serão publicadas as primeiras 43 páginas e parte do Velho Testamento dos pergaminhos do 'Codex Sinaiticus'

BERLIM - Os primeiros pergaminhos do Codex Sinaiticus, uma Bíblia manuscrita do século IV, estarão na internet em edição fac-símile a partir de quinta-feira, 24, informou nesta segunda-feira, 21, a Biblioteca Universitária de Leipzig, na Alemanha.

Serão publicadas na rede as primeiras 43 páginas mantidas em Leipzig, além de algumas do Velho Testamento que estão na Biblioteca Britânica de Londres.


Outros pergaminhos se encontram no Monastério de Santa Catalina, no monte Sinai, no Egito, e na Biblioteca Nacional da Rússia, em São Petersburgo.


A versão digital não se limita à reprodução do texto, escrito totalmente em maiúsculas, sem espaços e imagens, mas permite sua modificação como um filme digital, com a possibilidade de mover parágrafos e intercalar a transcrição grega com a tradução em alemão, disse a biblioteca.


O compêndio total de 390 pergaminhos - o Novo Testamento completo e metade do Velho, escritos em grego antigo - estarão na internet em 2009.


A edição online dessa Bíblia, uma das mais antigas do mundo, juntamente com o Codex Vaticanus, também do mesmo século, será deste modo "acessível para todo o mundo", indicou o diretor da biblioteca, Ulrich Johannes Schneider, ao apresentar o projeto.


O Codex Sinaiticus, de 33,5 centímetros de largura por 37,5 de comprimento, foi encontrado em 1844 pelo teólogo Konstantin von Tischendorf, em uma prateleira do Monastério Santa Catalina.


Os monges autorizaram que o teólogo levasse 43 páginas do pergaminho para Leipzig.


Em 1895, Von Tischendorf voltou ao monte Sinai, descobriu mais partes do manuscrito e convenceu os monges que também era melhor que fossem levadas a Leipzig para serem doadas ao czar da Rússia, que o apoiou para que conseguisse fazer a viagem.


Parte do manuscrito foi parar na União Soviética, que vendeu parte para o Museu Britânico de Londres em 1933, enquanto o restante continuou em São Petersburgo.


Fonte: O Estado de S. Paulo


Os nossos conhecimentos são a reunião do raciocínio e

experiência de numerosas mentes”

Ralph Waldo Emerson

Ralph Emerson




O site internacional lançado no início deste ano Gojaba.com , que facilita a venda e a compra de livros usados, raros e fora de circulação acaba de chegar ao Brasil - terceiro país a aderir à página virtual, depois de Rússia e Suécia.


O portal ajuda amantes de livros a encontrar qualquer título, como também estimula o aumento das vendas de livreiros profissionais no Brasil e no mundo. Compradores já poderão encontrar mais de 350.000 livros na plataforma brasileira, incluindo diversos títulos raros e colecionáveis como "Mensagem ao Congresso Nacional" - Mensagem autografada por Getúlio Vargas, datada de 15 de março de 1951, e colocada à venda ao preço de R$ 3.435,67.


Os livreiros interessados em vender suas publicações no site devem preencher um modelo de inscrição disponível na home do Gojaba e pagar uma tarifa mensal de R$ 15. Feito isso, eles podem listar até 50 mil livros. Aqueles que se inscreverem antes do dia 21 de agosto terão mensalidade gratuita nos primeiros seis meses. O portal não cobra aos livreiros comissão pelas vendas e já existem mais de 50 brasileiros oferecendo seu acervo no site.


Gojaba é uma subsidiária independente do AbeBooks.com, o maior mercado online do mundo para livros novos, usados e fora de circulação, com sede no Canadá.


"Gojaba.com é atrativo para leitores, colecionadores, bibliófilos e, é claro, livreiros profissionais," disse Hannes Blum, CEO e presidente do AbeBooks. "Já existe uma grande seleção de livros usados e raros para venda no website e nós aguardamos a participação de ainda mais vendedores e compradores brasileiros no Gojaba.com."

 
Com informações da PRNewswire


Fonte: Portal Imprensa



“A sabedoria tem os seus excessos e não é menos necessário moderá-la do que à loucura”

Michel de Montaigne

Michel de Montaigne


Livro: A Biblioteca Digital

15:39 @ 25/07/2008

A BIBLIOTECA DIGITAL, de Anna Maria Tammaro e

Alberto Salarelli


Tradução de Antonio Agenor Briquet de Lemos

 


Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 2008

378 páginas

ISBN 978-85-85637-34-7


 

A primeira edição deste manual foi publicada na Itália em 2000. O sucesso que alcançou e as mudanças por que tem passado a tecnologia da informação levaram os autores a lançar uma segunda edição em setembro de 2006, cuja tradução é agora entregue ao público brasileiro. A biblioteca digital começa a fazer parte do mundo da cultura, embora seu conceito ainda não seja claramente compreendido. Este livro contribuirá para um melhor entendimento do presente e do futuro da biblioteca digital, ao examinar quais os obstáculos que ela tem de superar para alcançar ressonância social, quem são os responsáveis por sua implantação, como será administrada e qual o novo papel que ela e o bibliotecário desempenharão na sociedade da aprendizagem.


 

Sumário

 

Prefácio desta edição ix

Introdução à primeira edição, Luigi Balsamo xiii

 

Primeira Parte - A Informação Digital, Alberto Salarelli    

1.       O documento digital

2.       A produção do documento digital

3.       A evolução das tecnologias da informação

4.       A transmissão da informação digital: World Wide Web e Z39.50

 


Segunda Parte - A Biblioteca Digital, Anna Maria Tammaro

5.       Conversações sobre a biblioteca digital

6.       O usuário da biblioteca digital

8.       Arquivamento e preservação

9.       Catalogação e metadados  

10.     Acesso à biblioteca digital  

11.     Acesso remoto à biblioteca

12.     Problemas jurídicos e econômicos da biblioteca digital

13.     Medição e avaliação da biblioteca digital

         Bibliografia

Webliografia

Índice





Fonte: Briquet de Lemos


“O homem prudente não diz tudo quanto pensa, mas pensa tudo quanto diz”

Aristóteles

Aristóteles


Boicote Pequim 2008

12:10 @ 29/07/2008



Un proyecto regional de la Organización Panamericana de la Salud (OPS) para facilitar el acceso de manera equitativa a recursos de información en Ciencias de la Salud disponibles en Internet fue inaugurado en la capital cubana.


Amparo Zequeira, Representante de la OPS participó en la apertura del primer punto de presencia de la Biblioteca Virtual en Salud (BVS), ubicado en la Biblioteca Pública Provincial Rubén Martínez Villena de la Oficina del Historiador.


Gustavo Kourí, vicepresidente de INFOMED, e Ignacio Uguet, jefe de coordinación de Proyectos, participaron también en el arranque de la Biblioteca Virtual en Salud, que cuenta con alrededor de tres mil 300 revistas científicas con texto completo, editadas en Cuba y en el extranjero.


La idea de desarrollar estos puntos de presencia con las estaciones BVS en las bibliotecas públicas surge a partir de la necesidad de abrir sitios en los cuales los usuarios -sean personal de la salud o aficionados a esos temas- puedan acceder a un grupo de recursos de información organizados y distribuidos en red.


Para garantizar la validez de los documentos disponibles en las BVS se trabaja con diversas metodologías, herramientas y criterios de selección.


Con este proyecto la OPS pretende favorecer el acceso a la información en Ciencias de la Salud en aquellas bibliotecas públicas que tengan las condiciones requeridas para ello.


Los interesados en acceder a este servicio deben presentar dos fotos tamaño carnet de identidad, y su identificación personal.


Se brindarán servicios de lunes a viernes a partir de las ocho de la mañana y hasta las siete de la noche, y los sábados de ocho de la mañana a cuatro de la tarde.


Más información para este servicio puede obtenerse mediante el correo promocion@bpvillena.ohc.cu, o mediante los teléfonos 862-9035 al 39 extensión 118.


Fonte: Jornal Granma

Tudo é caro de mais quando não é necessário”

James Joyce

James Joyce


Página de resultados do Cuil para uma busca por The Beatles / Foto: Reprodução


RIO - Ex-funcionários do Google lançaram nesta segunda-feira uma nova ferramenta de busca que promete ser mais simples de usar e trazer mais websites em seu banco de dados. O Cuil (pronuncia-se "cool" e significa conhecimento em gaélico) entra num mercado disputado para enfrentar rivais poderosos. Segundo o NY Times, em junho o Google tinha 61,5% do mercado de buscas nos EUA, contra 20,9% do Yahoo e 9,2% da Microsoft.


O site foi desenvolvido por Tom Costello, professor de Stanford, sua mulher, Anna Patterson, ex-arquiteta de buscas do Google e outros dois ex-engenheiros do Google, Russell Power e Louis Monier.


A maior diferença entre os dois estaria no sistema de classificação dos sites. Enquanto o Google se baseia nos links que o site recebe, o Cuil procura fazer uma busca contextual: "Nós estamos tentando entender o mundo real, e não a internet", disse Costello ao site CNet News.


Os fundadores do Cuil dizem que, em vez de analisar apenas o número e a qualidade dos links relacionados a um site, como faz o Google, o Cuil tenta compreender mais as informações na página e os termos usados pelas pessoas para a procura.


Os resultados das buscas são automaticamente categorizados. Uma procura por "The Beatles", por exemplo, devolve respostas em abas como "Beatles Lyrics" e "Beatles Anthology", além de oferecer categorias de álbuns, músicas dos Beatles e até "Músicas produzidas por George Martin". Uma busca por "O Globo Online", por outro lado, deu como principal resultado uma matéria sobre resultados de Rolland Garros, e não a página principal do site.


Costello afirma ainda que o Cuil está sendo lançado com mais de 120 bilhões de páginas indexadas, muito mais que os 40 bilhões de páginas que ele diz que o maior rival tem. O Google, na sexta-feira passada, disse que já encontrou mais de um trilhão de páginas na internet, mas nem todas entram no seu índice. O número total de sites indexados pelo Google, portanto, ainda é um segredo.


Fonte: O Globo


“O verdadeiro valor das coisas é o esforço e o problema de as adquirir”

Adam Smith

A imagem “http://www.citador.pt/images/autorid00953.jpg” contém erros e não pode ser exibida.



Com programa AdSense do Google, sistema funcionará com base em incentivos financeiros

O Google lançou recentemente o Knol, um site colaborativo de referências. O conceito é muito parecido com o da Wikipedia, a única diferença é que os colaboradores receberão pelos artigos publicados.


“Embora a web ofereça uma grande quantidade de informações, ainda não se pode encontrar de tudo”, disseram Cedric Dupont, gerente de produtos, e Michael McNally, engenheiro de software do  Google, em seu blog. “Cada pessoa pode ser considerada uma grande fonte de informação: milhões de pessoas entendem sobre assuntos extremamente úteis, e bilhões de outras podem se beneficiar disso. O Knol quer encorajar esses internautas a compartilharem seu conhecimento online, tornado-o acessível a todos.”


O encorajamento será por meio do programa AdSense, do Google. Os autores dos artigos publicados no Knol que não gostam da idéia de contribuir gratuitamente, poderão incluir anúncios em texto ou imagem do programa AdSense, em seus artigos.


Desta forma, o Knol promete gerar renda. Dado que os anunciantes do Google AdSense pagam mais quando estão acompanhados de conteúdos associados a produtos e serviços caros, pode-se esperar que muitos Knols estejam associados a palavras-chave sobre medicina ou outros tópicos que levem a serviços ou produtos caros.


O Google pode evitar o vandalismo e as edições errôneas que têm acabado com a Wikipedia, por meio de sua ferramenta de verificação de nome.


Qualquer um pode criar um Knol, mas os autores também têm a opção de terem a identidade verificada. Aqueles que aparecem como confiáveis para outros usuários do Knol podem optar por serem confirmados pelo número do telefone ou do cartão de crédito. Os Knols verificados podem apresentar seu distintivo para provar que passaram no exame do sistema automático do Google.


Tais esquemas raramente são infalíveis, portanto, talvez não demore para que os spammers encontrem uma maneira de burlar o sistema.


Em que o Knol se diferencia da Wikipedia?


A diferença é que cada Knol tem um único autor, que pode ter colaboradores - sendo o rendimento apenas do titular. Se houver qualquer distribuição de lucro, são os membros do grupo que resolvem.

 
O modelo de colaboração do Knol também é mais hierárquico do que o da Wikipedia. Os colaboradores podem sugerir mudanças nos artigos, mas não podem alterá-los sem a autorização do autor. Esse impedimento pode tornar o Knol mais desatualizado do que a Wikipedia, que normalmente registra as notícias mais importantes quase imediatamente, mas também vai prevenir as constantes revisões de artigos polêmicos.


No entanto, o que pode acontecer é o surgimento de vários artigos sobre o mesmo assunto. Se isso ocorrer de fato, pode-se esperar grandes esforços para ganhar no sistema de avaliação de artigos do Knol.

 
É claro que é possível que a versão do Knol como “Wikipedia com lucro“, não dê certo. Talvez seja a vulnerabilidade da Wikipedia que faz com que as pessoas vejam o site como algo que os tira de sua rotina para ajeitar. Outros, como o Metaweb’s Freebase, têm tentado, sem sucesso, capturar um pouco da mágica da Wikipedia.

Por outro lado, o Knol parece com a versão 2.0 Google Base (uma ferramenta lançada em 2005 que permite aos usuários que têm conta no Google anunciar produtos, serviços e notícias na internet. Um tipo de classificado online) com a diferença de oferecer mais estrutura e senso de comunidade que fizeram falta na versão anterior.


Ainda não está claro o significado do surgimento do Knol em comparação a ferramentas como o Blogger. Ambos permitem que os usuários criem e monetizem conteúdo. Mas talvez haja espaço para ambos, já que o Knol oferece uma identidade pessoal e uma estrutura de conteúdo baseada em tópicos, enquanto o Blogger oferece uma identidade de domínio e uma estrutura de conteúdo baseada em tempo.


E também não está claro ainda o que o sucesso do Knol pode significar para a Wikipedia, um dos sites mais visitados na internet. Para que o Knol se torne famoso às custas da Wikipedia, o Google terá de se esforçar para provar que seu método de busca trata de todos os assuntos, como a empresa insiste em garantir.


A questão da privacidade pode ser um problema para quem gosta de postar anonimamente. Os termos de serviço do Knol alegam que o Google pode revelar informações pessoais ao obedecer processos legais ou solicitação governamental.


“As informações pessoais coletadas pelo Google podem ser armazenadas e processadas nos Estados Unidos ou em qualquer outro país em que o Google ou seus agentes tenham escritório. Ao usar o serviço, você concorda com a transferência de informações para fora do seu país”, diz o contrato.


Este é o procedimento legal padrão - como em todas as empresas, o Google obedece as leis dos países em que opera. Esse, por enquanto, ainda não é um problema para o Knol, que é um produto disponível apenas nos EUA. Mas é preocupante pensar que o Google se reserva o direito de transferir informações de usuários dos EUA para outros países. Os processos legais em países estrangeiros não são necessariamente compatíveis com os direitos de liberdade de expressão tão adorados pelos cidadãos norte-americanos.


Fonte: IT Web


“Um homem de valor pensa em si mesmo em último lugar”

Friedrich Von Schiller

Friedrich Schiller