Grupos

MARCOS MICHELIN/AE
ORKUT? - Michel Souza, de 21 anos, criou a comunidade Grupo de Estudo Online para conciliar gosto pela web com preparação para vestibular
 

Grupos de estudo online, sites confiáveis e vídeo-aulas são algumas das ferramentas disponíveis para o aluno

Bruno Galo

A web é uma valiosa fonte de informação, mas nem tudo lá é relevante ou confiável. Assim, como fica o vestibulando que, às vésperas do encerramento das inscrições para o vestibular 2009, quer usar a rede como aliada? Há professores e alunos que, ressabiados em relação à credibilidade do conteúdo online, preferem descartá-la – ainda reforçando que um computador conectado também é uma fonte de dispersão de atenção para quem busca justo o contrário. Mas a internet pode servir como grande parceira do estudante às vésperas do exame.

Para isso, é preciso disciplina e organização para driblar as possíveis tentações (MSN, Orkut, YouTube, etc.) e identificar as informações mais confiáveis. Complicado? O Link mostra o caminho.

"O jovem tem muita dificuldade para estudar sozinho", observa a professora de matemática Maria Ângela de Camargo, do colégio Ítaca. Coincidência ou não, eles têm procurado outros vestibulandos na hora de utilizar a internet como ferramenta de estudo.

Michel Souza, de 21 anos, por exemplo, criou a comunidade Grupo de Estudo Online no Orkut, pensando em aproveitar melhor o seu tempo na rede. "Eu gosto muito de ficar na net e isso acabava atrapalhando o meu estudo", lembra Souza, que hoje cursa design gráfico na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Ele conta que chegou a estudar com outras 15 pessoas por meio do Paltalk (http://www.paltalk.com/ ), programa de bate-papo online com recursos de áudio, texto e vídeo.

Souza, que também fez cursinho, acredita que o auxílio do grupo de estudo foi fundamental para o seu sucesso no vestibular. Ele destaca, porém, que "apesar das fontes quase infinitas da web, tem muita coisa ruim". Eis uma importante questão na hora de estudar na rede. Pensando nisso, ouvimos professores e especialistas de diferentes colégios e cursinhos de São Paulo para saber o que há de melhor na internet dividido por matéria (mais informações abaixo).

A comunidade criada por Souza continua no ar. Foi a partir dela que a estudante de Belo Horizonte Thais Prado, de 18 anos, tentou criar um grupo de estudo pelo Messenger. A experiência não foi lá muito bem sucedida. "Diversas pessoas chegaram a me adicionar demonstrando interesse", lembra. "Mas, pelo que vi, estudar para eles não era algo que estava em primeiro plano", conta Thais, que vai prestar vestibular para medicina e faz cursinho.

Os contratempos de Thais revelam uma importante dica aos interessados em criar um grupo de estudo: procure pessoas com os mesmos objetivos. Atualmente, Thais estuda com outras duas pessoas da mesma cidade que ela e que também querem passar em medicina. "Boa parte do tempo que passo hoje em frente ao computador tornou-se mais produtivo", conclui Thais.

"O jovem que deseja se preparar dessa forma deve criar um plano de estudo", afirma Adilson Garcia, diretor do colégio Vértice. "Disciplina e organização são essenciais", complementa o "experiente" Michel. "Tem que estar muito atento para não perder o foco nem começar a bater papo", afirma.

"A rede é hoje uma ferramenta indispensável de pesquisa, rica na variedade de fontes e em perfeita sintonia com o público jovem", afirma o diretor pedagógico da escola Móbile, Blaidi Sant'Anna.

Ele acredita ainda que a resolução de vestibulares passados pelos estudantes é essencial nessa etapa da preparação. O site da Fuvest, o maior e mais concorrido vestibular do País, por exemplo, oferece simulados online das provas desde 1980.

Outra boa forma de manter contato com os colegas que possuem o mesmo objetivo que você são os grupos de discussão online, como o Google Grupos (groups.google.com.br), o Grupos.com.br e o Yahoo Grupos (br.groups.yahoo.com). Eles podem ser usados para tirar dúvidas entre os seus membros e contar até com a participação de algum professor.

ENGENHARIA OU PUBLICIDADE?Mas como estudar sem sequer saber qual curso prestar? "A web é uma ferramenta muito importante de orientação profissional, com informações sobre as universidades e o curso escolhido", observa o coordenador pedagógico do colégio Pentágono, Emerson Barreto.

Os sites das universidades e faculdades costumam oferecer uma série de informações úteis sobre as profissões e o próprio curso. Na web é possível ainda encontrar, por exemplo, testes de temperamento ou vocacionais que podem ajudá-lo na hora de escolher o curso.

Mas corra. Muitos dos principais vestibulares do País já estão com as inscrições abertas e o prazo final de alguns deles vai apenas até meados de setembro. Para saber o calendário completo, além de taxas e outras informações, os endereços das próprias instituições de ensino são o melhor canal.

Depois de tudo isso, só nos resta desejar, aos vestibulandos, como Thais, uma boa prova
 
 
 
 
 
"Quem não fez nada não sabe nada" Thomas Carlyle
Thomas Carlyle

Search Free Fonts

20:36 @ 01/09/2008

Home
 

O site Search Free Fonts oferece mais de 13.000 fontes gratuitas e 45.000 fontes comerciais.
 

As fontes podem ser recuperadas por palavras-chave, listadas em categorias ou ordem alfabética.

 

Destaque para a categoria Fontes não-latinas

 

Também oferece uma grande quantidade de artigos e ferramentas para familiarizar-se com os caracteres tipográficos.

 

 

http://www.searchfreefonts.com/

 

"O que vale a pena ser feito, vale a pena ser bem feito" Nicolas Poussin

Ler é uma viagem, já diriam entusiastas da literatura ou campanhas de incentivo aos livros. Cada leitor, com seu jeito particular de assimilar as linhas, transforma as palavras escritas no papel em imaginação, percorrendo um caminho particular para as aventuras inventadas pelos escritores.


Para tirar as viagens do plano da imaginação e apresentá-las de forma geográfica, a Good Magazine (http://www.goodmagazine.com/) criou o Wanderlust, um mapa que retrata os longos caminhos -tanto factuais quanto ficcionais- percorridos por grandes expoentes da literatura de aventura.


De Júlio Verne, com seu "A Volta ao Mundo em 80 Dias", a Jack Kerouak, com o cultuado "Pé na Estrada", passando pelos desbravamentos de Cristóvão Colombo em 1492, o site tem 23 gráficos interativos, feitos em Flash, que permitem ao leitor compreender geograficamente as trajetórias.


Em texto que acompanha os gráficos, a Good Magazine define o espírito do projeto: "As jornadas deixaram marcas indeléveis em nossos mapas coletivos e são infinitas fontes de fascinação". Por isso, nada melhor do que explorá-las.
Os mapas foram criados pelo designer e ilustrador Graham Yves Roberts, que é editor gráfico do "New York Times".



Embarque


Para dar início à viagem, acesse awesome.goodmagazine.com/features/011/Wanderlust.


Clicando em Electric Kool-Aid Acid Test, o internauta percorre o caminho que o escritor Tom Wolfe, um dos expoentes do New Journalism, fez em 1968 pelos EUA em busca da transcendência -por meio do uso de drogas, como o ácido, como o título indica.


Clique em Explore para começar. A viagem começa com uma foto. Clicando em Next, há contextualização sobre a situação política da época. Em seguida, aparecem mais trechos, como a chegada do escritor a Nova York, onde se juntou ao poeta Allen Gingsberg e ao já citado Kerouak. Depois, aparece o encontro com Timothy Leary, pesquisador que ficou conhecido como "pai do LSD".
Em uma viagem mais tradicional, o internauta acompanha a rota da seda, entre Europa e Ásia, que permitiu a troca de bens de consumo, mas, também, de idéias e cultura, como diz o texto da Good.


"A rota da seda produziu uma ampla troca de idéias e cultura. Tudo, de religião a medicina, passando por arte, aconteceu por essas rotas", diz o texto.
Outro gráfico interessante de explorar é o da circunavegação de Amelia Earhat, pioneira na aviação dos Estados Unidos que desapareceu quando tentava dar uma volta ao redor do globo terrestre nos anos 1930.


Em carta deixada para o marido, ela escreveu: "Por favor, saiba que estou ciente dos perigos. Quero fazer isso porque quero fazer isso. As mulheres têm que tentar fazer as coisas do mesmo jeito que os homens tentaram. Quando eles falham, o seu fracasso deve ser um desafio para os outros".

 

Fonte: Folha Informática

"Todos julgam segundo a aparência, ninguém segundo a essência"

Friedrich Schiller

A Bibvirt (http://www.bibvirt.futuro.usp.br/), que se intitula como biblioteca virtual do estudante de língua portuguesa, tem acervo de audiobooks, ou livros falados. Clique em Sons e procure por gênero ou título. Entre os livros disponíveis, estão "Espumas Flutuantes", de Castro Alves, e "Os Lusíadas", de Luís de Camões, além de diversas obras escritas por Machado de Assis.

 

Fonte: Folha Informática


 

"O rosto é o espelho da alma" Marcus Cícero

A Universidade de Brasília (UnB) democratizará o acesso à produção científica dos seus professores e estudantes de mestrado e doutorado. Na terça-feira, 16 de setembro, às 10h, a Biblioteca Central (BCE) da universidade lançará o Repositório Institucional da UnB, um serviço de divulgação de artigos, livros, teses, dissertações e trabalhos apresentados em eventos, entre outros documentos em formato digital.

 

No lançamento, que será realizado na BCE, estarão presentes o reitor pro tempore Roberto Aguiar e o decano de Pesquisa e Pós-graduação da UnB, Marco Amato, além de diretores de bibliotecas do Distrito Federal.

 

De acordo com a chefe do Serviço de Auxílio ao Usuário, Neide Aparecida Gomes, a idéia do repositório é preservar a memória intelectual da universidade. "Todo o conteúdo será público. Com isso, queremos dar mais visibilidade e aumentar o impacto da produção científica da UnB", afirma Neide.

 

A BCE já dispobiliza na internet, por meio da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD), a produção científica do mestrado e do doutorado.

 

 

Fonte: Universia Brasil

 

 

"O mundo é livro, e quem fica sentado em casa lê somente uma página"

Santo Agostinho

RIO - O Instituto Pereira Passos (IPP) da prefeitura do Rio de Janeiro lançará no dia 18 de setembro o Armazenzinho, nova área do site Armazém de Dados que apresentará de forma atrativa conceitos e conteúdos sobre a cidade para crianças e adolescentes, utilizando jogos, quebra cabeças, curiosidades e animações. O projeto é resultado de parceria do Instituto com a Secretaria Municipal de Educação (SME) que acompanhou, orientou e validou todo o conteúdo pedagógico e a empresa municipal de Multimeios (Multirio), através de apoio técnico na produção de mídia educativa.

 

Ao acessar o site do Armazenzinho , que é suportado por um sistema gerenciador de banco de dados que permite uma atualização dinâmica de suas informações, são disponibilizadas informações sobre os governantes, símbolos, mapas, noções de cartografia, visão espacial, imagens da cidade, informações sobre os bairros, eventos históricos, roteiros pela cidade e uma série de outras informações e aplicativos voltados para o suporte educacional.

 

A apresentação será no Centro de Referência da Educação Pública do Rio(CREP), às 14 horas, na Avenida Presidente Vargas, 1314, auditório, 2º andar, Centro.

 

Fonte: O Globo

 

Se alguém ainda tem alguma dúvida de que a Google já é uma empresa de mídia, pode tirar o cavalo da chuva, pois estamos assistindo o surgimento do maior banco de dados jornalístico da história da imprensa mundial.

 

 A Google acaba de iniciar a digitalização do arquivo de edições completas de jornais pequenos e médios, cujas páginas estarão disponíveis para consultas online exatamente como foram publicadas. O mais antigo jornal , ainda em circulação, publicado nas Américas, o Quebec Chronicle-Telegraph, disponibilizou o seu arquivo de 244 anos.

 

O Google News Archive, que começou a indexar, em 2006, os arquivos digitais de jornais como o The New York Times, Washington Post e The Times, pretende ser a principal referência em matéria de buscas a notícias e informações guardadas em arquivos de jornais no mundo inteiro. A empresa não divulgou quantas publicações já aderiram ao projeto.

 

Este serviço complementa a indexação de notícias de atualidade executado pelo Google News, um sistema automático de captura de informações publicadas em aproximadamente sete mil jornais, revistas, agências de noticias, noticiários de radio e de televisão do mundo inteiro. Só em inglês são monitorados 4.500 páginas web de empresas jornalísticas.

 

O mecanismo de buscas em arquivos de  jornais desenvolvido pela Google é bastante sofisticado porque junta várias publicações numa mesma página de resultados (1 e 7) , permitindo a comparação. Além disso, o usuário pode aplicar o efeito zoom (2) para ver detalhes da página (3) , fazer buscas por página para identificar artigos correlatos(6) , pode compartilhar o material com outras pessoas (4) , sem falar na possibilidade de imprimir e arquivar (5) .

 

Uma busca pela palavra Ronaldinho no Google News Archive Search fornece 166 mil resultados e noticias sobre o jogador publicadas desde 1980 até 2008. No alto da página, há uma linha do tempo onde o usuário pode fazer buscas por ano.

 

Ao concentrar em seus computadores a memória jornalística do mundo nos últimos dois séculos, a empresa Google deu mais um grande passo no sentido de transformar-se na principal repositária das informações produzidas pelo homem. Nunca na história da humanidade uma instituição, pública ou privada, acumulou tanto capital intelectual.

 

A Google não tem o poder de controlar a informação, mas, ao indexá-la em seus computadores, pode recombinar o material por meio de processamento analítico para produzir novos conhecimentos. Isto lhe confere uma extraordinária vantagem em relação a qualquer outra instituição do planeta.

 

As conseqüências deste acúmulo da informação surgirão nos próximos anos, quando a empresa, criada há uma década  por dois estudantes da Universidade de Stanford, começar a faturar em cima do seu mega banco de dados. 

Fonte: Impacto Rondônia

O acesso a informações estatísticas sobre o mundo do trabalho no Brasil será possível em breve, com a disponibilização de uma base de dados. Para este fim, a Unesc e o Ministério do Trabalho e Emprego assinaram termo de compromisso para cooperação técnica no âmbito do Programa de Disseminação de Estatísticas do Trabalho.

Com o convênio, a comunidade acadêmica e público externo (como advogados trabalhistas, sindicalistas e prefeitos) poderão ter acesso à base de dados do Ministério, com informações sobre número de trabalhadores por categoria, índice de desemprego, direitos trabalhistas e atividade econômica nos setores primário, secundário e terciário, entre muitos outros dados, em nível local, regional, estadual e nacional.


 

Ainda neste semestre um técnico do Ministério virá à Unesc para realizar treinamento com os interessados. “Com essa base de dados, a Universidade terá acesso a informações extremamente relevantes”, ressaltou o professor doutor Ronaldo Busnello, do curso de Direito da Unesc, responsável técnico pelo convênio, assinado também pela coordenadora geral de Estatísticas do Trabalho do Ministério. Os interessados podem entrar em contato com Busnello pelo e-mail ronaldo@unesc.net.

 

Fonte: Rádio Difusora AM 910

Depois do texto e do vídeo, a vez do áudio. A Google estreou um novo recurso de pesquisa que analisa o áudio de vídeos colocados no YouTube. Chama-se Gaudi (Google Audio Indexing) e usa uma tecnologia que analisa as palavras ditas num vídeo e regista-as numa base de dados, informa a agência Reuters.

 

O utilizador pode fazer a busca por um termo ou expressão, encontra os vídeos em que estes termos são ditos e em que momento da gravação são proferidos. Se desejar encontrar, por exemplo, uma declaração mais forte ao longo de um vídeo de muitos minutos, pode encontrar exactamente o momento em que tal declaração é dita, fazendo uma busca pela expressão.

 

O Gaudi só lê vídeos colocados na versão em inglês do Youtube, mas a Google pretende ampliar o uso da tecnologia a outras línguas.

 

Fonte: Portugal Diário

Mais de 7400 pessoas solicitaram os serviços dos profissionais da Biblioteca Virtual do Governo do estado de São Paulo, preparados para esclarecer dúvidas sobre diversos assuntos.

Através do link «Fale Connosco» ou do e-mail biblioteca.virtual@sp.gov.br, os cidadão podem colocar questões sobre legislação, normas e resoluções, serviços públicos, governo estadual, pesquisas escolares, direitos e deveres do cidadão, dados dos municípios paulistas e qualquer outro tema.

Após recepção do e-mail, os funcionários da Biblioteca pesquisam a resposta à pergunta do cidadão em livros, CD's, na Internet ou junto de especialistas, e num prazo médio de cinco dias úteis esclarecem as dúvidas.

No entanto, nem sempre as dúvidas ou queixas são relativas àquele serviço e, nesses casos, as questões são reencaminhadas para outros órgãos públicos. No ano passado, foram recepcionados 181 mil e-mails, dos quais 15 mil foram reencaminhados para outros serviços, sendo que 7418 destinavam-se aos funcionáros da Biblioteca. As restantes mensagens eram spam, falhas de entrega ou informações do Governo.

No site existem informações sobre Cidadania, Emprego e Renda, Legislação, Governo, São Paulo e Projectos Sociais, os mais procurados pelas pessoas, que incluem vários subtemas.

Os assuntos mais procurados foram relativos a legislação (58,6 por cento), informações e fontes para trabalhos escolares, académicos ou pesquisas em geral (58,6 por cento), dados sobre serviços e órgãos do governo do Estado (57 por cento), cidadania e direitos dos cidadãos (46,25 por cento) e utilidade pública e serviços (41,9 por cento).

 

Fonte: iGOV

Sites desenvolvidos pela Emsetur divulgam informações e belezas do estado

 

Os internautas agora podem navegar nas informações, na cultura e na história de Sergipe. Já estão disponíveis na internet, desde o começo do mês de setembro, dois sites de responsabilidade da Empresa Sergipana de Turismo (Emsetur).

 

O Turismo Sergipe tem objetivo de divulgar o Estado como um interessante destino a ser descoberto. No site é possível encontrar informações sobre os roteiros por onde o turista poderá desbravar os belos caminhos do Estado; culinária sergipana; cultura da musicalidade e danças do povo sergipano; informações históricas e aquelas sobre arte que brota das mãos dos artesãos; datas dos principais eventos; policiamento turístico; horários de vôos e previsão meteorológica.

 

Já o site institucional da Emsetur possui o conteúdo dos principais programas e ações da empresa. Notícias que envolvem o turismo em Sergipe e no Brasil; dados e pesquisas desenvolvidas pelos técnicos da Emsetur; solicitação de material promocional para divulgação tudo isso pode ser encontrado no site institucional. Além de seções como a Biblioteca Virtual, que está sendo criado um acervo de obras e pesquisas relacionadas ao turismo em Sergipe.

Fonte: Infonet

 

Para comemorar o centenário de morte de Machado de Assis, a Fundação Biblioteca Nacional inaugura, nesta terça-feira, no Rio de Janeiro, a mostra “Machado de Assis: cem anos de uma cartografia inacabada”. Essa é a segunda exposição sobre um dos maiores autores da literatura brasileira na cidade carioca. Desde junho, a Academia Brasileira de Letras (ABL) exibe também “Machado Vive!”, com mobiliários e pertences pessoais do autor.

 

Sob a curadoria do poeta Marco Lucchesi, “Cem anos de uma cartografia inacabada” reúne 200 itens, entre fotos, cartas, documentos manuscritos e periódicos da Biblioteca Nacional.

 

Foram um ano e meio de pesquisas no acervo da instituição, que, entre as relíquias, possui as primeiras edições dos livros de Machado e textos do autor nunca exibidos.

“Se a biblioteca Nacional é um oceano, Machado é um continente vastíssimo. Quanto mais você se aprofunda, mais resta para saber sobre o autor, por isso é uma cartografia inacabada”, explica Lucchesi.

 

Entre os achados, estão fotografias da falecida esposa do escritor, Carolina Novais, quando jovem, que foram entregues à Biblioteca Nacional, dois meses antes do início da exposição.


Segundo Lucchesi, seu desejo é que a mostra seja “republicana”. Isto é, que todas as pessoas tenham acesso à obra de Machado de Assis. No entanto, o poeta diz que a exposição também é para ser aproveitada por críticos e estudiosos. “A mostra é para o atendimento do público, mas também para os críticos”, explica.

A exposição ficará aberta ao público até 8 de novembro, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h, e aos sábados, de 10h às 15h, no Espaço Cultural Eliseu Visconti, no prédio da Biblioteca Nacional (Rua México, s/nº - acesso pelo jardim). A entrada é gratuita.

 

Acervo Digital

Durante a abertura da exposição “Machado de Assis: cem anos de uma cartografia inacabada”, será lançada também a obra completa do autor em formato digital, sistematizadas no site especial do Ministério da Educação. Vale lembrar que toda a obra de Machado de Assis é de domínio público desde 1978, quando se completaram 70 anos do falecimento do autor.

Os livros de Machado de Assis, como Dom Casmurro e Memórias Póstumas de Brás Cubas, estão disponíveis por gênero dentro do site. Além das obras, há também informações sobre a vida e obra de Machado de Assis; teses e dissertações de autores contemporâneos sobre Machado; bibliografia; vídeos e uma relação de endereços eletrônicos que contêm material sobre o escritor. Ao todo são 243 arquivos.


A versão digital das obras é resultado de uma parceria entre o Portal Domínio Público, do MEC, e o Núcleo de Pesquisa e Informática, Literatura e Lingüística (Nupill), da Universidade Federal de Santa Catarina.

Machado de Assis

Machado de Assis Joaquim Maria  nasceu em 1839, no Rio de Janeiro, filho de uma lavadeira e de um pintor. Mulato, era neto de escravos alforriados. Sem nunca ter freqüentado uma universidade, tornou-se um dos maiores autores brasileiros, leitura obrigatória de diferentes vestibulares pelo país. Foi romancista, contista, poeta, crítico literário e teatrólogo.

Entre as principais obras destacam-se: "Memórias Póstumas de Brás Cubas" (1881), "Quincas Borba" (1892), "Dom Casmurro" (1900), "Esaú e Jacó" (1904), "Memorial de Aires" (1908); e as coletâneas de contos, "Papéis Avulsos" (1882), "Várias Histórias" (1896), "Páginas Recolhidas" (1906).

 

Fonte: Último Segundo