Grupos

SAIU O: A PLEBE 86- Abril 2015

01:31 @ 11/04/2015

NÃO ILUDAM MAIS OS TRABALHADORES! Existe uma corja de oportunistas, conhecidos ‘carreiristas sindicais’, que usam o movimento dos trabalhadores como trampolim político. Muitos se veem como líderes da esquerda política brasileira e veneram o marxismo-leninismo/bolcheviques, mas defendem e militam numa organização ligada diretamente ao Estado, de origem na Carta Del Lavoro fascista: o sindicato oficial atrelado ao Estado e a CLT. Dizem fazer isso na defesa dos trabalhadores, mas na verdade trabalham para manter os trabalhadores divididos, fracos e dependentes. O grande exemplo disso é o ‘Paulinho da FORCA’ e seu mais novo partido, ao qual chama de ‘solidariedade’, que como deputado propõem a terceirização de todos os ramos da economia!!! Defende assim a perda de direitos se dizendo ‘defensor dos trabalhadores’. Basta ver as características desses aparelhos utilizados pelos partidos políticos para atingir seus próprios fins. Assim canalizam para seus quadros os fundos que lhes repassam o próprio Estado: o Imposto Sindical, o FAT e outras verbas... São organizações verticais e corporativas, dentro de uma visão de que não há diferenças de interesses e de classes no seio do Estado, que dizem velar pelo bem comum. Falam em sindicalismo de resultado e o ÚNICO RESULTADO DISSO é a merda em que estamos! Vivem da fantasia de que defendem os ‘interesses específicos de categorias profissionais’ e nas greves realizadas pelos trabalhadores terminam fazendo ‘negociações’ que resultam em migalhas para os trabalhadores. No fim das contas se justificam por ações assistenciais e colônias de férias. SÓ NÃO SERVEM PARA A LUTA OPERÁRIA, só servem para trair os trabalhadores e ser um calcanhar de Aquiles (já que o Estado controla as contas dos sindicatos e pode bloquear seus fundos bancários). Assim dividem os trabalhadores por categorias em vez de uni-los para a luta comum contra o Capital. Quem defende e mantem o movimento sindical atrelado ao Estado, usufrui de seus fundos para servir ao Capital, ao Estado e as o fascismo em si. Não precisamos de falsos líderes, precisamos é nos organizar de forma horizontal e solidária a partir dos locais de trabalho e moradia. Um organização intercategorias, independente do Estado, dos partidos e das igrejas, sob o controle direto e somente dos trabalhadores. Reativar nossa própria organização histórica, destruída pelo conluio de fascistas e comunistas, a Confederação Operária Brasileira a partir dos sindicatos livres e revolucionários, que devemos organizar desde já.

TODO APOIO À GREVE DOS GARIS DO RIO DE JANEIRO!

LUTE CONTRA O FASCISMO E A IGNORÂNCIA! E o século XXI chegou, cheio de promessas e modernidades. Todos saudaram com alegria a Era da Informática, do neo-liberalismo... Passados poucos anos percebemos: foi tudo mentira, cultivada pela mídia – controlada pelo Estado. Para o cidadão comum, o/a trabalhador/a, nada mudou! Quando empregado/a é mantido à rédea-curta pelo patrão, sob o eterno medo do desemprego, da sarjeta; quando desempregado/a se submete a todo tipo de trabalho, sem direitos e com baixa remuneração, no subemprego. Enquanto isso toda a classe vai perdendo direitos historicamente adquiridos, a vida humana vai perdendo valor, na crescente violência – resultado da fome e da miséria. Para calar a revolta, que cresce ao lado de tudo isso, o próprio Estado – através de suas diversas polícias - assassinam, torturam, mantém seres humanos como animais no matadouro em prisões superlotadas. E toda essa violência se dirige, principalmente, aos grupos mais frágeis da sociedade: os pobres, os sem-teto, as mulheres, os negros, os homossexuais, os desempregado/as, etc. A classe operária, os trabalhadores, alvo final de toda essa engrenagem contra os seus próprios interesses de classe, se cala, se omite vendo seu irmão de classe cair no desemprego, ser discriminado, atacado, agredido, e, por fim , assassinado por rondas ostensivas da polícia, ou por grupos de discriminação e intolerância, ou na simples luta pelo pão. E os trabalhadores se calam por que estão desorganizados! Por que falsos sindicatos, controlados pelo Estado e partidos políticos, fruto de uma legislação fascista, que falam em nome da classe operária, e, como negociadores se comportam como mercadores de escravos, mantendo a/os trabalhadore/as desorganizado/as e calado/as. Por isso estamos nas ruas no 15º Fevereiro Antifascista, para lembrar o covarde assassinato de Edson Néris, a luz do dia, na Prç. da República, por um bando de fascistas (carecas, skinheads, whitepower), pelo simples motivo de estar de mãos dadas com outro rapaz! Mesmo que depois dele milhares de outros inocentes tenham sido assassinados nos campos, nas cidades, nos morros e nas favelas, continuamos a luta antifascista, em nome da humanidade, pois somos todos iguais em nossas diferenças individuais, no final das contas. Mas não consideramos o fascismo um fenômeno de um ou outro país, mas como um sintoma da decomposição de todo o sistema capitalista, pretendendo usar a reação feroz na defesa dos privilégios da elite: os burgueses, os opressores! Mostra disso são as Guerras Sem Fim, promovidas pelo imperialismo, como o genocídio do povo palestino em Gaza – feito pelos agentes do Sionismo, o Estado israelense. E tudo isso fazem para calar, no proletariado, todas as aspirações libertárias. Por isso consideramos a luta antifascista uma luta contra o próprio regime capitalista – que alimenta a reação fascista desde a Revolução Russa, em 1917, quando também ocorreu uma Greve Geral em São Paulo. Os fascistas encontraram os trabalhadores organizados, sindicatos livres e revolucionários, contra as bases que do próprio fascismo: princípios reacionários, sistemas totalitários, aventureiros atrás de domínio político. E sem medo os enfrentamos então, sofrendo também no Brasil as agruras dos Campos de Concentração já na década de 20 – feitos para manter isolados os militantes da COB/AIT. Mas já em 1933 estávamos na linha de frente contra o fascismo/integralismo: a FOSP convoca os trabalhadores para expulsar os integralistas da Praça da Sé – local de manifestações operárias. A FOSP também denunciou a instituição do sindicato vertical controlado pelo Estado, se recusando a se submeter a Carta Del Lavoro, de Mussoline – adaptada por Getúlio Vargas -, antes de se estabelecer a feroz ditadura do Estado Novo, que encarcerou a todos. Anarcosindicalistas estamos denunciando todas as formas de manifestação do fascismo. Não nos calaremos até a vitória final do proletariado! LUTE POR LIBERDADE E IGUALDADE! NÃO DEFENDA A IGNORÂNCIA, A INTOLERÂNCIA! LUTE CONTRA O FASCISMO! Comitê de Solidariedade e Auto-Defesa Anti-Fascista SINDIVÁRIOS-SP + SINDIVÁRIOS-OSASCO + SINDIVÁRIOS ALTO TIETÊ + SINDIVÁRIOS-CAMPINAS + SINDICATO DE ARTES E ESPETÁCULOS + ASSESA + Federação Operária de São Paulo (FOSP) + Confederação Operária Brasileira (COB) + Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT-IWA) E-mail: profosp@bol.com.br

SALVE O CEMITÉRIO ESPANHOL 1906/2014
Porto Alegre, RGS

Estamos recebendo o comunicado final dos generais do golpe contra o cemitério espanhol.

- O primeiro passo foi abandonar o cemitério.

- o segundo passo foi forjar uma assembléia para o Centro Espanhol fazer a doação do cemitério (sem pagar) para a Funerária Angelus.

- o terceiro passo, foi decorrente da resistência dos associados: O Centro Espanhol elegeu um advogado para presidente do centro espanhol (isso causa problema pois os familiares são pobres e muitos estão na Espanha.

- o quarto passo é o de chamar os associados para retirar os restos mortais dos seus parentes (exumação).

Existem mais de 400 pessoas enterradas!

-É um golpe contra a memória do movimento dos trabalhadores do Brasil e da Espanha.

- do Brasil, por ser uma sociedade mutual, inspirada nas idéias de Proudhon, acolhida pelos trabalhadores.

- da Espanha, por abrigar um significativo grupo de exilados combatentes contra o golpe fascista na Espanha.

- E a ação é certeira, pois na Promotoria Pública, a própria juíza declarou que no cemitério só tem gente pobre (sem valor cultural a preservar).

Obs. o Cemitério Espanhol, tem mais de 100 anos, foi construido pela Sociedade Espanhola de Socorros Mútuos de Porto Alegre.

- A Sociedade sofreu uma série de pressões, pelo consulado local, para unificar-se com uma entidade espanhola também de porto alegre, identificada com o campo fascista espanhol A casa de Espanha (o símbolo da falange sempre foi presente na parte exterior do seu prédio).

Depois da "União" ou anexação.

- Distribuição de benesses para alguns;

- Afastar, os que discordavam.

- Administrar sem associados.

- Mesmo assim foram obrigados a forjar uma Assembleia comandada pelos beneficiados, onde não se permitiu eleição da mesa, como dizem os estatutos.
REPUDIAMOS E CONCLAMAMOS PEDINDO APOIO A TODOS POIS ESTA LUTA ENVOLVE MAIS DO QUE INTERESSES ECONÔMICOS, ENVOLVE OS SENTIMENTO DE UM POVO QUE VIRAM SEUS FAMILIARES E BENS DESTRUÍDOS PELA HIDRA FASCISTA, QUE HOJE LEVANTA A CABEÇA PARA APAGAR A MEMÓRIA E ROUBAR A IDENTIDADE MATERIAL: O TÚMULO DOS NOSSOS FAMILIARES.

Congresso Extraordinário da AIT decorreu no Porto - Portugal

Nos dias 6 e 7 de Dezembro teve lugar no Porto um Congresso extraordinário da AIT. Em agenda estiveram vários pontos que tinham ficado em aberto no XXV Congresso de 2013, para além de outras moções e iniciativas.  Participaram 80 delegados e observadores de 13 secções e uma organização amiga.

As emoções estiveram em alta durante todo o Congresso e, mais uma vez, alguns assuntos tiveram que transitar para o próximo Congresso, a realizar em 2016. Foi aprovada uma série de novas iniciativas, incluindo a criação de um grupo de media, um projeto histórico e a continuação dos preparativos para as grandes comemorações do centenário (da AIT) em 2022.


Damos as boas vindas à OLS da Suécia como um novo Amigo da AIT. Todos nós ficámos agradados ao saber do trabalho que realizam e do sucesso obtido nalguns conflitos laborais e estamos desejosos de uma cooperação frutuosa no futuro.

Além do Congresso, realizou-se também uma sessão pública na noite de sábado. Delegados do STSI de Madrid, SOV do Porto, OLS, SolFed, COB, ZSP, CNT-AIT França e ASI falaram sobre os diferentes conflitos laborais e as lutas que estão a levar a cabo nos seus países. Infelizmente o tempo acabou antes de todos terem tido oportunidade de falarem. No entanto, foi muito interessante e edificante ouvi-los, reforçando quer as nossas lutas, objectivos e tácticas, quer aumentando a solidariedade e o moral.

Agradecemos aos camaradas da AIT-SP pela organização deste evento e pela excelente preparação do Congresso!

Esperamos que no ano que está quase a começar as nossas novas iniciativas se comecem a desenvolver, que as secções continuem empenhadas nas suas batalhas locais e que a coordenação internacional seja melhorada.

Agradecemos também a todas as organizações que enviaram saudações solidárias ao Congresso.

Secretaria Geral

Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT-IWA)

http://www.iwa-ait.org/content/iwa-extraordinary-congress-porto

(tradução portal anarquista)




Palestra proferida no ACAMPA-SP da pr. Joao Mendes, centro de SPcity. http://www.youtube.com/watch?v=675Rfdy-qrg

FILIE-SE A COB-AIT

14:52 @ 12/10/2014



JÁ SOMOS 39 MILHÕES DE INGOVERNÁVEIS:
- NINGUÉM NOS REPRESENTA!








MAIS UMA TENTATIVA

11:17 @ 11/10/2014

O QUE FOI QUE ACONTECEU Na virada do século, no ”boog do milênio”, só se falava da vitória do capitalismo sobre o “comunismo real” – livre mercado versus burocracia estatal. Era a ‘Era da Globalização’, o reinado do neoliberalismo. O mapa político do mundo, redesenhado após a segunda Guerra Mundial, mostrava áreas de influência e rotas comerciais. Pelo controle dessas áreas se travaram então as novas guerras. O PANO DE FUNDO Nessa nova geopolítica, o estabelecimento de um “Estado de Direito”, abrindo a participação de todo o arco-íris político, apontava para a criminalização de todos que se opusessem por outros meios. O objetivo dos poderosos era a completa submissão – mediante a manutenção de “acordos democráticos”, com as forças da oposição (a esquerda, religiosa, nacional e moral). Assim, em respeito a esse “acordo”, e após o espetáculo midiático do ‘atentado contra o WTC’, foram derrubados governos que se desalinharam, definidos como ‘malditos’... Iraque, Afeganistão, Líbia... o Taleban, o Hesbolah e o Hamas são considerados GRUPOS TERRORISTAS... Venezuela, Irã e Coréia do Norte são mantidos na defensiva. Em seu 2º governo Bush/U$A já havia criminalizado o ‘Black Block’, desde 2002, como grupo terrorista. Na Itália, Grécia e Espanha dezenas de ativistas anti-globalização foram presos em situações armadas pelas forças de segurança – como mostraria o desenvolvimento dos processos criminais contra eles. Essa política de perseguição política aos anarquistas, que na Itália era então exercida pelo fascista Berlusconi – o mesmo cuja polícia/carabineri assassinou Carlo Giuliane, na manifestação anti- G8, em Genova/2001 -, definindo os anarkistas como os principais suspeitos de ‘terrorismo’ (Inglaterra, Alemanha, etc.) No Brasil, como parte desse mundo globalizado, a ascensão do movimento social – na virada do século –, com o movimento anti-globalização e a intensificação das greves, é canalizada para o Fórum Social Mundial (FSM), organizado pelo PT, em sua estratégia de catapultar a eterna candidatura Lula. Foi na edição de 2001 que as FARColombianas até então aliada do PT, via movimento Bolivariano, foram proibidas de participar, sendo condenados por Lula – que aconselhou-os a formar um partido político. Nessas condições Lula/PT ganhou o pleito presidencial, em novembro/2002, como o salvador da pátria. O movimento social acalentava essa esperança de mudança eleitoral e com um ‘presidente operário e nordestino’ as greves caíram para cerca de 280 em 2002. O movimento anti-globalização entra em declínio em todo o mundo(devido a perseguiçã /criminalização promovida pelo fascismo internacional). A ascensão de Lula/PT ao poder, dando continuidade ao programa social-democrata do PSDB (FHC – que sucumbira ao neo-liberalismo), com a ampliação de programas sociais (Salário-Família, Minha Casa, Luz, etc), marcou a dupla gestão Lula e sua continuadora, Dilma/PT-Frente Popular. Na verdade nunca deixaram de ser mamulengos daqueles que detém o poder econômico, sob a ameaça do Estado Militar. Mas se eles se venderam por suas 30 moedas, agora esperam dos patrões a clemência contra a ‘punição’ a alguns dos seus, que terminaram presos – contra todas as probabilidades. Se, num primeiro momento o PT manter a paz social, vendendo mentiras e meias verdades, fazendo acordos com os partidos políticos e reconhecendo as centrais sindicais, cooptando setores do movimento social – estratégia básica da socialdemocracia. Mas essa tática nunca deu respostas aos anseios sociais acumulados. O movimento indígena, principalmente, nunca parou de atuar diretamente (com invasões e confrontos) – não podiam se calar frente a política de extermínio aos povos nativos (Tamoios). Assim, tendo outros setores do movimento social como pano de fundo, o movimento operário vai retomando as greves. Já em 2003 foram realizadas 340 greves, em um movimento constante e crescente, atingindo 875/ano 2012 – incluindo AS GREVES SELVAGENS nas usinas dos PAC. A explosão das manifestações massivas, espontâneas e de ação direta apartidária, de Junho/2013, se mostrava como um reflexo das insatisfações locais acumuladas – refletidas naquele momento contra o tarifaço nacional dos transportes. Até então tudo estava sobe controle do Estado, através dos partidos políticos e dos sindicatos oficiais, atrelados ao Estado. Mas Junho/2013 mostrou a capacidade de luta no enfrentamento contra a repressão policial e os partidos políticos, apesar de toda a farsa midiática, a tática se generalizou por todo o país. Essa atitude/tática, tomada espontaneamente em todos os rincões do Brasil, definida como Black Block (devido a sua origem no movimento ecológico dos anos 80 – punks e anarquistas -, na Alemanha, difundidas no movimento anti-globalização). Desde então a polícia vem tentando caracterizar a existência de ‘grupos Black Blocks’ (BBs), definidos, desde então, como grupos criminosos de vândalos e criminosos tese difundida amplamente pela mídia. Começa a caça as bruxas, com novas prisões e armações contra militantes do movimento social autônomo e apartidário. Nós, da FOSP/COB-AIT, já havíamos sido vitimizados por esse tipo de criminalização em 2008, devido a um conflito entre a Manifestação Operária e Libertária de 1º de Maio - que convocáramos - ao cruzar com uma passeata partidária, enquanto protestávamos na frente da sede da Prefeitura. A polícia, defendendo o partido político, nos atacou violentamente, com a detenção de cerca de 60 militantes – o processo continua ativo contra 6 deles, acusados de liderar a ‘destruição’, 3 deles eram Coordenadores da Federação Operária de SP. Hoje continuam com essa tática de criminalizar, e agora arrastar a prisões e processos, forjando provas, apoiados pela mídia e pelo sistema jurídico local. FAZ UM ANO, ESPERAMOS TANTO... Depois das grandes manifestações de Junho/2013 ficou a expectativa: Teria o gigante, afinal, acordado? A capacidade e disposição para a luta já havia sido demonstrada nas manifestações, ocorridas em todo país, com milhões de pessoas nas ruas. Se já havia ficado claro que esse movimento, espontâneo rejeitava a direção institucional dos partidos políticos e dos sindicatos oficiais; por outro lado, pecara pela falta de organização e reivindicações claras, que conseguissem manter a unidade do movimento, de baixo para cima. E, o mais importante, apesar de ser reflexo da insatisfação operária – que já se manifestava claramente pela intensificação dos processos grevistas, tomados nacionalmente, restava satisfazer a expectativa da paralização da produção. Manifestando a insatisfação com uma grande Greve Geral, de toda a classe trabalhadora, em todo o país, em plena Copa do Mundo – o grande golpe político, midiático e especulativo do Capitalismo mundial – era o que se esperava depois de 2013. Os políticos oportunistas das centrais sindicais oficiais perceberam isso e tentaram chamar a Greve para Julho/2013, mas o proletariado rejeitou seu chamado, sua direção e representação política! Mesmo assim a expectativa, sob o lema ‘IMAGINA NA COPA!’ mantinha viva a idéia de uma grande Greve Geral. Mas as centrais sindicais oficiais, partidarizadas, não queriam permitir que o movimento saísse de seu controle, as vésperas de uma eleição presidencial – com a forte tendência de crescimento dos Índices de Rejeição Eleitoral (votos nulos, brancos e abstenções). Todos: os partidos políticos, as mídias oficiais, as instituições do Estado – entre os quais os ditos sindicatos oficiais-, passaram a combater a possibilidade de que a Greve Geral se realizasse. A Policia Militar, o Judiciário, o Estado enfim, trataram de criminalizar as manifestações – através da caracterização dos ‘black bockers’ como grupo criminoso – restaura a legislação da ditadura militar, como a LSN. A mérdia oficial reproduz as mentiras de Estado policial até que elas soem como verdades. A patronal intensifica suas reclamações sobre a ‘crise econômica’, ameaçando demissões em massa, por causa da queda nas vendas – reflexo do arrocho salarial X alta do custo de vida!!! O terrorismo de Estado passa a ser o cotidiano nesse ano pré-Copa. Multiplicam-se os Amarildos... Por seu lado, os partidos e os sindicatos oficiais buscavam intensificar sua atividade (pré-eleitoral), buscando manter seus rebanhos eleitorais. O que se vê é a intensificação das greves localizadas, negociadas a preço de banana pelos burocratas sindicais e suas centrais partidarizadas (CUT/PT, CTB/PCdoB, FARSA SINDICAL/PDT-SOLID, UGT/PSDB, CGT/PCB, CONLUTAS/PSTU, etc). Fora dos movimentos oficiais, setores do movimento dos trabalhadores, desempregados e sem teto, ligados aos ditos partidos da esquerda (PSTU, PSOL, PCO, PCB, intensificam e radicalizam suas ações contando com a omissão/apoio do prefeito Hadad/PT, passam a ser reconhecidos como interlocutores políticos válidos. Setores mais marginalizados lançaram-se numa Cruzada infeliz, tentando canalizar a energia revolucionária das manifestações de Junho/2013 e a manutenção da tática blackblock, se lançam numa parada sem futuro, “NÃO VAI TER COPA!”. Tentando mostrar seu radicalismo anticapitalista apenas conseguiram aumentar seu isolamento dentro do movimento proletário. Mascarados, foram alvos de múltiplas infiltrações, que denunciaram diversos integrantes e deram as condições para que o Estado e a mérdia construíssem a farsa do ’grupo terrorista, de vândalos e bandidos inconsequentes. Com essa tática kamikaze entregaram a cabeça de vários ativistas e foram passando, cada vez mais para a defensiva, e contribuíram para a politica dos partidos – de manter dividida e desorganizada a classe trabalhadora. Essa se mostrou uma tática vanguardista blanquista, seus militantes se ungiam da máxima “lutamos por vocês”. Os anarco-sindicalistas, articulados em torno do Movimento Pela Reativação da COB/AIT , coerentemente buscaram estimular a discussão local acerca da necessidade de organizar uma verdadeira Greve de toda a classe operária, do campo e das cidades, a partir de um movimento assembleário, de baixo para cima. Nessa prática se avançaria na retomada do sindicalismo livre, frente ao Estado, aos partidos e ao Capital, pela retomada da COB/AIT, como forma e Princípios da organização operária no Brasil. Assim centralizamos nossa atividade a necessidade de unir toda a classe trabalhadora para uma grande GREVE GERAL em todo o país. Mas não tínhamos os fundos, a capacidade de propaganda para conseguir contra restar toda a corrente, que impunha a divisão do proletariado urbano e rural e indígena. Buscamos então avançar a discussão social nesse sentido, mantendo a proposta como projeto para a luta social vindoura. Nossa proposta se mostrou correta, na medida em que se verificou a intensificação e radicalização das greves localizadas. A realização de greves espontâneas em setores como os Trabalhadores da Limpeza Pública do Rio de Janeiro, durante o Carnaval-2014, contra o acordo firmado pela direção do sindicato oficial – que terminou sendo vitoriosa. Essa tática, greve contra o sindicato oficial, viria a se repetir em Março e Abril-2014, pelos Trabalhadores do Transporte Rodoviário (essas fortemente reprimidas militarmente e pela demissão de dezenas de militantes). Entre o final de Abril e o Início de Junho a intensificação do Terror de Estado através da repressão direta, com a prisão imediata e abertura de processos contra manifestantes, sempre pré-identificados como blackblockers – previamente criminalizados. Esse conjunto de fatores somados aos aspectos conjunturais mundiais (Guerra na Ucrânia e intensificação das guerras no Oriente Médio, tirando o eixo das manifestações proletárias na Europa) levou a frustração das expectativas sobre a Greve Geral durante a Copa do Mundo. Mas sabemos que nenhum dos movimentos grevistas localizados conseguiu qualquer vitória para a classe trabalhadora. As insatisfações continuam e se agravam. Resta aos trabalhadores conseguir romper com as amarras estatais para enfim poder contar com toda a sua força. O único caminho para isso é a organização autônoma do proletariado, através da retomada do sindicalismo livre e revolucionário, das federações locais e da Confederação Operária Brasileira (COB/AIT) – retomando as origens do movimento operário. ÉPOCA DE ELEIÇÕES:ESTÁ MONTADO O CIRCO ELEITORAL Após as manifestações e greves do ano passado e deste ano, durante a Copa do Mundo (verdadeiro show de estupidez do Capitalismo, que gastou milhões para a sua realização, deixando o povo mais uma vez na miséria total, sem saúde e sem educação). Mas os trabalhadores, inconformados, foram as ruas confrontar a Policia Militar e este governo que se diz de "esquerda", social-democrata, na prática parece ser de "fascistas de vermelho". E agora, em Outubro, veremos mais uma vez a cobra do capitalismo armando o seu mais letal bote: "as eleições", o momento em que a democracia representativa, burguesa, permite a classe trabalhadora escolher o Capataz, que manteria o sistema a escravizá-la e a paz social. Mas nós, os operários - aqueles que operam para criar a riqueza -, já nos cansamos dessa situação em que vivemos em completa penúria e totalmente insatisfeitos com com o Estado e os governos da "esquerda" e da "direita", depois do que já vimos nos governos do do PT e do PSDB. Agora sabemos que é tudo farinha do mesmo saco. Por isso o povo sabe que o VOTO DE PROTESTO é apenas o VOTO NULO, como a mídia oficial - ao combate-lo - publica em seus jornais (Folha de São Paulo, Jornal DO METRO, o CQC/rede Bandeirantes, etc.) e o TRT, com sua propaganda cívica defendendo o voto obrigatório... Como mais uma vez a esquerda dita "socialista e comunista", que se autoproclama representante da classe trabalhadora, nos traiu, vamos demonstrar toda nossa revolta e indignação através do VOTO NULO DE PROTESTO! NÃO APOIAREMOS NINGUÉM, NENHUMA CANDIDATURA! Pois o POVO UNIDO GOVERNA SEM PARTIDO! Por isso: "VOTE NULO, NÃO SUSTENTE PARASITAS! SE ORGANIZE E LUTE! FILIE-SE AO SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT! (se você não está na FOSP/COB-AIT, saiba que a COB/AIT sempre estiveram dentro de você!) - POVO ORGANIZADO GOVERNA SEM ESTADO! - PELA AUTOGESTÃO GENERALIZADA! Comitê Executivo da FOSP/COB-ACAT/AIT

O QUE FOI QUE ACONTECEU? .

22:04 @ 19/09/2014

Na virada do século, no ”boog do milênio”, só se falava da vitória do capitalismo sobre o “comunismo real” – livre mercado versus burocracia estatal. Era a ‘Era da Globalização’, o reinado do neoliberalismo. O mapa político do mundo, redesenhado após a segunda Guerra Mundial, mostrava áreas de influência e rotas comerciais. Pelo controle dessas áreas se travaram então as novas guerras. O PANO DE FUNDO Nessa nova geopolítica, o estabelecimento de um “Estado de Direito”, abrindo a participação de todo o arco-íris político, apontava para a criminalização de todos que se opusessem por outros meios. O objetivo dos poderosos era a completa submissão – mediante a manutenção de “acordos democráticos”, com as forças da oposição (a esquerda, religiosa, nacional e moral). Assim, em respeito a esse “acordo”, e após o espetáculo midiático do ‘atentado contra o WTC’, foram derrubados governos que se desalinharam, definidos como ‘malditos’... Iraque, Afeganistão, Líbia... o Taleban, o Hesbolah e o Hamas são considerados GRUPOS TERRORISTAS... Venezuela, Irã e Coréia do Norte são mantidos na defensiva. Em seu 2º governo Bush/U$A já havia criminalizado o ‘Black Block’, desde 2002, como grupo terrorista. Na Itália, Grécia e Espanha dezenas de ativistas anti-globalização foram presos em situações armadas pelas forças de segurança – como mostraria o desenvolvimento dos processos criminais contra eles. Essa política de perseguição política aos anarquistas, que na Itália era então exercida pelo fascista Berlusconi – o mesmo cuja polícia/carabineri assassinou Carlo Giuliane, na manifestação anti- G8, em Genova/2001 -, definindo os anarkistas como os principais suspeitos de ‘terrorismo’ (Inglaterra, Alemanha, etc.) No Brasil, como parte desse mundo globalizado, a ascensão do movimento social – na virada do século –, com o movimento anti-globalização e a intensificação das greves, é canalizada para o Fórum Social Mundial (FSM), organizado pelo PT, em sua estratégia de catapultar a eterna candidatura Lula. Foi na edição de 2001 que as FARColombianas até então aliada do PT, via movimento Bolivariano, foram proibidas de participar, sendo condenados por Lula – que aconselhou-os a formar um partido político. Nessas condições Lula/PT ganhou o pleito presidencial, em novembro/2002, como o salvador da pátria. O movimento social acalentava essa esperança de mudança eleitoral e com um ‘presidente operário e nordestino’ as greves caíram para cerca de 280 em 2002. O movimento anti-globalização entra em declínio em todo o mundo(devido a perseguiçã /criminalização promovida pelo fascismo internacional). A ascensão de Lula/PT ao poder, dando continuidade ao programa social-democrata do PSDB (FHC – que sucumbira ao neo-liberalismo), com a ampliação de programas sociais (Salário-Família, Minha Casa, Luz, etc), marcou a dupla gestão Lula e sua continuadora, Dilma/PT-Frente Popular. N a verdade nunca deixaram de ser mamulengos daqueles que detém o poder econômico, sob a ameaça do Estado Militar. Mas se eles se venderam por suas 30 moedas, agora esperam dos patrões a clemência contra a ‘punição’ a alguns dos seus, que terminaram presos – contra todas as probabilidades. Se, num primeiro momento o PT manter a paz social, vendendo mentiras e meias verdades, fazendo acordos com os partidos políticos e reconhecendo as centrais sindicais, cooptando setores do movimento social – estratégia básica da socialdemocracia. Mas essa tática nunca deu respostas aos anseios sociais acumulados. O movimento indígena, principalmente, nunca parou de atuar diretamente (com invasões e confrontos) – não podiam se calar frente a política de extermínio aos povos nativos (Tamoios). Assim, tendo outros setores do movimento social como pano de fundo, o movimento operário vai retomando as greves. Já em 2003 foram realizadas 340 greves, em um movimento constante e crescente, atingindo 875/ano 2012. A explosão das manifestações massivas, espontâneas e de ação direta apartidária, de Junho/2013, se mostrava como um reflexo das insatisfações locais acumuladas – refletidas naquele momento contra o tarifaço nacional dos transportes. Até então tudo estava sobe controle do Estado, através dos partidos políticos e dos sindicatos oficiais, atrelados ao Estado. Mas Junho/2013 mostrou a capacidade de luta no enfrentamento contra a repressão policial e os partidos políticos, apesar de toda a farsa midiática, a tática se generalizou por todo o país. Essa atitude/tática , tomada espontaneamente em todos os rincões do Brasil, definida como Black Block (devido a sua origem no movimento ecológico dos anos 80 – punks e anarquistas -, na Alemanha, difundidas no movimento anti-globalização). Desde então a polícia vem tentando caracterizar a existência de ‘grupos Black Blocks’ (BBs), definidos, desde então, como grupos criminosos de vândalos e criminosos tese difundida amplamente pela mídia. Começa a caça as bruxas, com novas prisões e armações contra militantes do movimento social autônomo e apartidário. Nós, da FOSP/COB-AIT, já havíamos sido vitimizados por esse tipo de criminalização em 2008, devido a um conflito entre a Manifestação Operária e Libertária de 1º de Maio - que convocáramos - ao cruzar com uma passeata partidária, enquanto protestávamos na frente da sede da Prefeitura. A polícia, defendendo o partido político, nos atacou violentamente, com a detenção de cerca de 60 militantes – o processo continua ativo contra 6 deles, acusados de liderar a ‘destruição’, 3 deles eram Coordenadores da Federação Operária de SP. Hoje continuam com essa tática de criminalizar, e agora arrastar a prisões e processos, forjando provas, apoiados pela mídia e pelo sistema jurídico local. FAZ UM ANO, ESPERAMOS TANTO... Depois das grandes manifestações de Junho/2013 ficou a expectativa: Teria o gigante, afinal, acordado? A capacidade e disposição para a luta já havia sido demonstrada nas manifestações, ocorridas em todo país, com milhões de pessoas nas ruas. Se já havia ficado claro que esse movimento, espontâneo rejeitava a direção institucional dos partidos políticos e dos sindicatos oficiais; por outro lado, pecara pela falta de organização e reivindicações claras, que conseguissem manter a unidade do movimento, de baixo para cima. E, o mais importante, apesar de ser reflexo da insatisfação operária – que já se manifestava claramente pela intensificação dos processos grevistas, tomados nacionalmente, restava satisfazer a expectativa da paralização da produção. Manifestando a insatisfação com uma grande Greve Geral, de toda a classe trabalhadora, em todo o país, em plena Copa do Mundo – o grande golpe político, midiático e especulativo do Capitalismo mundial – era o que se esperava depois de 2013. Os políticos oportunistas das centrais sindicais oficiais perceberam isso e tentaram chamar a Greve para Julho/2013, mas o proletariado rejeitou seu chamado, sua direção e representação política! Mesmo assim a expectativa, sob o lema ‘IMAGINA NA COPA!’ mantinha viva a idéia de uma grande Greve Geral. Mas as centrais sindicais oficiais, partidarizadas, não queriam permitir que o movimento saísse de seu controle, as vésperas de uma eleição presidencial – com a forte tendência de crescimento dos Índices de Rejeição Eleitoral (votos nulos, brancos e abstenções). Todos: os partidos políticos, as mídias oficiais, as instituições do Estado – entre os quais os ditos sindicatos oficiais-, passaram a combater a possibilidade de que a Greve Geral se realizasse. A Policia Militar, o Judiciário, o Estado enfim, trataram de criminalizar as manifestações – através da caracterização dos ‘black bockers’ como grupo criminoso – restaura a legislação da ditadura militar, como a LSN. A mérdia oficial reproduz as mentiras de Estado policial até que elas soem como verdades. A patronal intensifica suas reclamações sobre a ‘crise econômica’, ameaçando demissões em massa, por causa da queda nas vendas – reflexo do arrocho salarial X alta do custo de vida!!! O terrorismo de Estado passa a ser o cotidiano nesse ano pré-Copa. Multiplicam-se os Amarildos... Por seu lado, os partidos e os sindicatos oficiais buscavam intensificar sua atividade (pré-eleitoral), buscando manter seus rebanhos eleitorais. O que se vê é a intensificação das greves localizadas, negociadas a preço de banana pelos burocratas sindicais e suas centrais partidarizadas (CUT/PT, CTB/PCdoB, FARSA SINDICAL/PDT-SOLID, UGT/PSDB, CGT/PCB, CONLUTAS/PSTU, etc). Fora dos movimentos oficiais, setores do movimento dos trabalhadores, desempregados e sem teto, ligados aos ditos partidos da esquerda (PSTU, PSOL, PCO, PCB, intensificam e radicalizam suas ações contando com a omissão/apoio do prefeito Hadad/PT, passam a ser reconhecidos como interlocutores políticos válidos. Setores mais marginalizados lançaram-se numa Cruzada infeliz, tentando canalizar a energia revolucionária das manifestações de Junho/2013 e a manutenção da tática blackblock, se lançam numa parada sem futuro, “NÃO VAI TER COPA!”. Tentando mostrar seu radicalismo anticapitalista apenas conseguiram aumentar seu isolamento dentro do movimento proletário. Mascarados, foram alvos de múltiplas infiltrações, que denunciaram diversos integrantes e deram as condições para que o Estado e a mérdia construíssem a farsa do ’grupo terrorista, de vândalos e bandidos inconsequentes. Com essa tática kamikaze entregaram a cabeça de vários ativistas e foram passando, cada vez mais para a defensiva, e contribuíram para a politica dos partidos – de manter dividida e desorganizada a classe trabalhadora. Essa se mostrou uma tática vanguardista blanquista, seus militantes se ungiam da máxima “lutamos por vocês”. Os anarco-sindicalistas, articulados em torno do Movimento Pela Reativação da COB/AIT , coerentemente buscaram estimular a discussão local acerca da necessidade de organizar uma verdadeira Greve de toda a classe operária, do campo e das cidades, a partir de um movimento assembleário, de baixo para cima. Nessa prática se avançaria na retomada do sindicalismo livre, frente ao Estado, aos partidos e ao Capital, pela retomada da COB/AIT, como forma e Princípios da organização operária no Brasil. Assim centralizamos nossa atividade a necessidade de unir toda a classe trabalhadora para uma grande GREVE GERAL em todo o país. Mas não tínhamos os fundos, a capacidade de propaganda para conseguir contra restar toda a corrente, que impunha a divisão do proletariado urbano e rural e indígena. Buscamos então avançar a discussão social nesse sentido, mantendo a proposta como projeto para a luta social vindoura. Nossa proposta se mostrou correta, na medida em que se verificou a intensificação e radicalização das greves localizadas. A realização de greves espontâneas em setores como os Trabalhadores da Limpeza Pública do Rio de Janeiro, durante o Carnaval-2014, contra o acordo firmado pela direção do sindicato oficial – que terminou sendo vitoriosa. Essa tática, greve contra o sindicato oficial, viria a se repetir em Março e Abril-2014, pelos Trabalhadores do Transporte Rodoviário (essas fortemente reprimidas militarmente e pela demissão de dezenas de militantes). Entre o final de Abril e o Início de Junho a intensificação do Terror de Estado através da repressão direta, com a prisão imediata e abertura de processos contra manifestantes, sempre pré-identificados como blackblockers – previamente criminalizados. Esse conjunto de fatores somados aos aspectos conjunturais mundiais (Guerra na Ucrânia e intensificação das guerras no Oriente Médio, tirando o eixo das manifestações proletárias na Europa) levou a frustração das expectativas sobre a Greve Geral durante a Copa do Mundo. Mas sabemos que nenhum dos movimentos grevistas localizados conseguiu qualquer vitória para a classe trabalhadora. As insatisfações continuam e se agravam. Resta aos trabalhadores conseguir romper com as amarras estatais para enfim poder contar com toda a sua força. O único caminho para isso é a organização autônoma do proletariado, através da retomada do sindicalismo livre e revolucionário, das federações locais e da Confederação Operária Brasileira (COB/AIT) – retomando as origens do movimento operário. ÉPOCA DE ELEIÇÕES:ESTÁ MONTADO O CIRCO ELEITORAL Após as manifestações e greves do ano passado e deste ano, durante a Copa do Mundo (verdadeiro show de estupidez do Capitalismo, que gastou milhões para a sua realização, deixando o povo mais uma vez na miséria total, sem saúde e sem educação). Mas os trabalhadores, inconformados, foram as ruas confrontar a Policia Militar e este governo que se diz de "esquerda", social-democrata, na prática parece ser de "fascistas de vermelho". E agora, em Outubro, veremos mais uma vez a cobra do capitalismo armando o seu mais letal bote: "as eleições", o momento em que a democracia representativa, burguesa, permite a classe trabalhadora escolher o Capataz, que manteria o sistema a escravizá-la e a paz social. Mas nós, os operários - aqueles que operam para criar a riqueza -, já nos cansamos dessa situação em que vivemos em completa penúria e totalmente insatisfeitos com com o Estado e os governos da "esquerda" e da "direita", depois do que já vimos nos governos do do PT e do PSDB. Agora sabemos que é tudo farinha do mesmo saco. Por isso o povo sabe que o VOTO DE PROTESTO é apenas o VOTO NULO, como a mídia oficial - ao combate-lo - publica em seus jornais (Folha de São Paulo, Jornal DO METRO, o CQC/rede Bandeirantes, etc.) e o TRT, com sua propaganda cívica defendendo o voto obrigatório... Como mais uma vez a esquerda dita "socialista e comunista", que se autoproclama representante da classe trabalhadora, nos traiu, vamos demonstrar toda nossa revolta e indignação através do VOTO NULO DE PROTESTO! NÃO APOIAREMOS NINGUÉM, NENHUMA CANDIDATURA! Pois o POVO UNIDO GOVERNA SEM PARTIDO! Por isso: "VOTE NULO, NÃO SUSTENTE PARASITAS! SE ORGANIZE E LUTE! FILIE-SE AO SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT! (se você não está na FOSP/COB-AIT, saiba que a COB/AIT sempre estiveram dentro de você!) - POVO ORGANIZADO GOVERNA SEM ESTADO! - PELA AUTOGESTÃO GENERALIZADA! Comitê Executivo da FOSP/COB-ACAT/AIT

O QUE FOI QUE ACONTECEU? .

22:04 @ 19/09/2014

Na virada do século, no ”boog do milênio”, só se falava da vitória do capitalismo sobre o “comunismo real” – livre mercado versus burocracia estatal. Era a ‘Era da Globalização’, o reinado do neoliberalismo. O mapa político do mundo, redesenhado após a segunda Guerra Mundial, mostrava áreas de influência e rotas comerciais. Pelo controle dessas áreas se travaram então as novas guerras. O PANO DE FUNDO Nessa nova geopolítica, o estabelecimento de um “Estado de Direito”, abrindo a participação de todo o arco-íris político, apontava para a criminalização de todos que se opusessem por outros meios. O objetivo dos poderosos era a completa submissão – mediante a manutenção de “acordos democráticos”, com as forças da oposição (a esquerda, religiosa, nacional e moral). Assim, em respeito a esse “acordo”, e após o espetáculo midiático do ‘atentado contra o WTC’, foram derrubados governos que se desalinharam, definidos como ‘malditos’... Iraque, Afeganistão, Líbia... o Taleban, o Hesbolah e o Hamas são considerados GRUPOS TERRORISTAS... Venezuela, Irã e Coréia do Norte são mantidos na defensiva. Em seu 2º governo Bush/U$A já havia criminalizado o ‘Black Block’, desde 2002, como grupo terrorista. Na Itália, Grécia e Espanha dezenas de ativistas anti-globalização foram presos em situações armadas pelas forças de segurança – como mostraria o desenvolvimento dos processos criminais contra eles. Essa política de perseguição política aos anarquistas, que na Itália era então exercida pelo fascista Berlusconi – o mesmo cuja polícia/carabineri assassinou Carlo Giuliane, na manifestação anti- G8, em Genova/2001 -, definindo os anarkistas como os principais suspeitos de ‘terrorismo’ (Inglaterra, Alemanha, etc.) No Brasil, como parte desse mundo globalizado, a ascensão do movimento social – na virada do século –, com o movimento anti-globalização e a intensificação das greves, é canalizada para o Fórum Social Mundial (FSM), organizado pelo PT, em sua estratégia de catapultar a eterna candidatura Lula. Foi na edição de 2001 que as FARColombianas até então aliada do PT, via movimento Bolivariano, foram proibidas de participar, sendo condenados por Lula – que aconselhou-os a formar um partido político. Nessas condições Lula/PT ganhou o pleito presidencial, em novembro/2002, como o salvador da pátria. O movimento social acalentava essa esperança de mudança eleitoral e com um ‘presidente operário e nordestino’ as greves caíram para cerca de 280 em 2002. O movimento anti-globalização entra em declínio em todo o mundo(devido a perseguiçã /criminalização promovida pelo fascismo internacional). A ascensão de Lula/PT ao poder, dando continuidade ao programa social-democrata do PSDB (FHC – que sucumbira ao neo-liberalismo), com a ampliação de programas sociais (Salário-Família, Minha Casa, Luz, etc), marcou a dupla gestão Lula e sua continuadora, Dilma/PT-Frente Popular. N a verdade nunca deixaram de ser mamulengos daqueles que detém o poder econômico, sob a ameaça do Estado Militar. Mas se eles se venderam por suas 30 moedas, agora esperam dos patrões a clemência contra a ‘punição’ a alguns dos seus, que terminaram presos – contra todas as probabilidades. Se, num primeiro momento o PT manter a paz social, vendendo mentiras e meias verdades, fazendo acordos com os partidos políticos e reconhecendo as centrais sindicais, cooptando setores do movimento social – estratégia básica da socialdemocracia. Mas essa tática nunca deu respostas aos anseios sociais acumulados. O movimento indígena, principalmente, nunca parou de atuar diretamente (com invasões e confrontos) – não podiam se calar frente a política de extermínio aos povos nativos (Tamoios). Assim, tendo outros setores do movimento social como pano de fundo, o movimento operário vai retomando as greves. Já em 2003 foram realizadas 340 greves, em um movimento constante e crescente, atingindo 875/ano 2012. A explosão das manifestações massivas, espontâneas e de ação direta apartidária, de Junho/2013, se mostrava como um reflexo das insatisfações locais acumuladas – refletidas naquele momento contra o tarifaço nacional dos transportes. Até então tudo estava sobe controle do Estado, através dos partidos políticos e dos sindicatos oficiais, atrelados ao Estado. Mas Junho/2013 mostrou a capacidade de luta no enfrentamento contra a repressão policial e os partidos políticos, apesar de toda a farsa midiática, a tática se generalizou por todo o país. Essa atitude/tática , tomada espontaneamente em todos os rincões do Brasil, definida como Black Block (devido a sua origem no movimento ecológico dos anos 80 – punks e anarquistas -, na Alemanha, difundidas no movimento anti-globalização). Desde então a polícia vem tentando caracterizar a existência de ‘grupos Black Blocks’ (BBs), definidos, desde então, como grupos criminosos de vândalos e criminosos tese difundida amplamente pela mídia. Começa a caça as bruxas, com novas prisões e armações contra militantes do movimento social autônomo e apartidário. Nós, da FOSP/COB-AIT, já havíamos sido vitimizados por esse tipo de criminalização em 2008, devido a um conflito entre a Manifestação Operária e Libertária de 1º de Maio - que convocáramos - ao cruzar com uma passeata partidária, enquanto protestávamos na frente da sede da Prefeitura. A polícia, defendendo o partido político, nos atacou violentamente, com a detenção de cerca de 60 militantes – o processo continua ativo contra 6 deles, acusados de liderar a ‘destruição’, 3 deles eram Coordenadores da Federação Operária de SP. Hoje continuam com essa tática de criminalizar, e agora arrastar a prisões e processos, forjando provas, apoiados pela mídia e pelo sistema jurídico local. FAZ UM ANO, ESPERAMOS TANTO... Depois das grandes manifestações de Junho/2013 ficou a expectativa: Teria o gigante, afinal, acordado? A capacidade e disposição para a luta já havia sido demonstrada nas manifestações, ocorridas em todo país, com milhões de pessoas nas ruas. Se já havia ficado claro que esse movimento, espontâneo rejeitava a direção institucional dos partidos políticos e dos sindicatos oficiais; por outro lado, pecara pela falta de organização e reivindicações claras, que conseguissem manter a unidade do movimento, de baixo para cima. E, o mais importante, apesar de ser reflexo da insatisfação operária – que já se manifestava claramente pela intensificação dos processos grevistas, tomados nacionalmente, restava satisfazer a expectativa da paralização da produção. Manifestando a insatisfação com uma grande Greve Geral, de toda a classe trabalhadora, em todo o país, em plena Copa do Mundo – o grande golpe político, midiático e especulativo do Capitalismo mundial – era o que se esperava depois de 2013. Os políticos oportunistas das centrais sindicais oficiais perceberam isso e tentaram chamar a Greve para Julho/2013, mas o proletariado rejeitou seu chamado, sua direção e representação política! Mesmo assim a expectativa, sob o lema ‘IMAGINA NA COPA!’ mantinha viva a idéia de uma grande Greve Geral. Mas as centrais sindicais oficiais, partidarizadas, não queriam permitir que o movimento saísse de seu controle, as vésperas de uma eleição presidencial – com a forte tendência de crescimento dos Índices de Rejeição Eleitoral (votos nulos, brancos e abstenções). Todos: os partidos políticos, as mídias oficiais, as instituições do Estado – entre os quais os ditos sindicatos oficiais-, passaram a combater a possibilidade de que a Greve Geral se realizasse. A Policia Militar, o Judiciário, o Estado enfim, trataram de criminalizar as manifestações – através da caracterização dos ‘black bockers’ como grupo criminoso – restaura a legislação da ditadura militar, como a LSN. A mérdia oficial reproduz as mentiras de Estado policial até que elas soem como verdades. A patronal intensifica suas reclamações sobre a ‘crise econômica’, ameaçando demissões em massa, por causa da queda nas vendas – reflexo do arrocho salarial X alta do custo de vida!!! O terrorismo de Estado passa a ser o cotidiano nesse ano pré-Copa. Multiplicam-se os Amarildos... Por seu lado, os partidos e os sindicatos oficiais buscavam intensificar sua atividade (pré-eleitoral), buscando manter seus rebanhos eleitorais. O que se vê é a intensificação das greves localizadas, negociadas a preço de banana pelos burocratas sindicais e suas centrais partidarizadas (CUT/PT, CTB/PCdoB, FARSA SINDICAL/PDT-SOLID, UGT/PSDB, CGT/PCB, CONLUTAS/PSTU, etc). Fora dos movimentos oficiais, setores do movimento dos trabalhadores, desempregados e sem teto, ligados aos ditos partidos da esquerda (PSTU, PSOL, PCO, PCB, intensificam e radicalizam suas ações contando com a omissão/apoio do prefeito Hadad/PT, passam a ser reconhecidos como interlocutores políticos válidos. Setores mais marginalizados lançaram-se numa Cruzada infeliz, tentando canalizar a energia revolucionária das manifestações de Junho/2013 e a manutenção da tática blackblock, se lançam numa parada sem futuro, “NÃO VAI TER COPA!”. Tentando mostrar seu radicalismo anticapitalista apenas conseguiram aumentar seu isolamento dentro do movimento proletário. Mascarados, foram alvos de múltiplas infiltrações, que denunciaram diversos integrantes e deram as condições para que o Estado e a mérdia construíssem a farsa do ’grupo terrorista, de vândalos e bandidos inconsequentes. Com essa tática kamikaze entregaram a cabeça de vários ativistas e foram passando, cada vez mais para a defensiva, e contribuíram para a politica dos partidos – de manter dividida e desorganizada a classe trabalhadora. Essa se mostrou uma tática vanguardista blanquista, seus militantes se ungiam da máxima “lutamos por vocês”. Os anarco-sindicalistas, articulados em torno do Movimento Pela Reativação da COB/AIT , coerentemente buscaram estimular a discussão local acerca da necessidade de organizar uma verdadeira Greve de toda a classe operária, do campo e das cidades, a partir de um movimento assembleário, de baixo para cima. Nessa prática se avançaria na retomada do sindicalismo livre, frente ao Estado, aos partidos e ao Capital, pela retomada da COB/AIT, como forma e Princípios da organização operária no Brasil. Assim centralizamos nossa atividade a necessidade de unir toda a classe trabalhadora para uma grande GREVE GERAL em todo o país. Mas não tínhamos os fundos, a capacidade de propaganda para conseguir contra restar toda a corrente, que impunha a divisão do proletariado urbano e rural e indígena. Buscamos então avançar a discussão social nesse sentido, mantendo a proposta como projeto para a luta social vindoura. Nossa proposta se mostrou correta, na medida em que se verificou a intensificação e radicalização das greves localizadas. A realização de greves espontâneas em setores como os Trabalhadores da Limpeza Pública do Rio de Janeiro, durante o Carnaval-2014, contra o acordo firmado pela direção do sindicato oficial – que terminou sendo vitoriosa. Essa tática, greve contra o sindicato oficial, viria a se repetir em Março e Abril-2014, pelos Trabalhadores do Transporte Rodoviário (essas fortemente reprimidas militarmente e pela demissão de dezenas de militantes). Entre o final de Abril e o Início de Junho a intensificação do Terror de Estado através da repressão direta, com a prisão imediata e abertura de processos contra manifestantes, sempre pré-identificados como blackblockers – previamente criminalizados. Esse conjunto de fatores somados aos aspectos conjunturais mundiais (Guerra na Ucrânia e intensificação das guerras no Oriente Médio, tirando o eixo das manifestações proletárias na Europa) levou a frustração das expectativas sobre a Greve Geral durante a Copa do Mundo. Mas sabemos que nenhum dos movimentos grevistas localizados conseguiu qualquer vitória para a classe trabalhadora. As insatisfações continuam e se agravam. Resta aos trabalhadores conseguir romper com as amarras estatais para enfim poder contar com toda a sua força. O único caminho para isso é a organização autônoma do proletariado, através da retomada do sindicalismo livre e revolucionário, das federações locais e da Confederação Operária Brasileira (COB/AIT) – retomando as origens do movimento operário. ÉPOCA DE ELEIÇÕES:ESTÁ MONTADO O CIRCO ELEITORAL Após as manifestações e greves do ano passado e deste ano, durante a Copa do Mundo (verdadeiro show de estupidez do Capitalismo, que gastou milhões para a sua realização, deixando o povo mais uma vez na miséria total, sem saúde e sem educação). Mas os trabalhadores, inconformados, foram as ruas confrontar a Policia Militar e este governo que se diz de "esquerda", social-democrata, na prática parece ser de "fascistas de vermelho". E agora, em Outubro, veremos mais uma vez a cobra do capitalismo armando o seu mais letal bote: "as eleições", o momento em que a democracia representativa, burguesa, permite a classe trabalhadora escolher o Capataz, que manteria o sistema a escravizá-la e a paz social. Mas nós, os operários - aqueles que operam para criar a riqueza -, já nos cansamos dessa situação em que vivemos em completa penúria e totalmente insatisfeitos com com o Estado e os governos da "esquerda" e da "direita", depois do que já vimos nos governos do do PT e do PSDB. Agora sabemos que é tudo farinha do mesmo saco. Por isso o povo sabe que o VOTO DE PROTESTO é apenas o VOTO NULO, como a mídia oficial - ao combate-lo - publica em seus jornais (Folha de São Paulo, Jornal DO METRO, o CQC/rede Bandeirantes, etc.) e o TRT, com sua propaganda cívica defendendo o voto obrigatório... Como mais uma vez a esquerda dita "socialista e comunista", que se autoproclama representante da classe trabalhadora, nos traiu, vamos demonstrar toda nossa revolta e indignação através do VOTO NULO DE PROTESTO! NÃO APOIAREMOS NINGUÉM, NENHUMA CANDIDATURA! Pois o POVO UNIDO GOVERNA SEM PARTIDO! Por isso: "VOTE NULO, NÃO SUSTENTE PARASITAS! SE ORGANIZE E LUTE! FILIE-SE AO SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT! (se você não está na FOSP/COB-AIT, saiba que a COB/AIT sempre estiveram dentro de você!) - POVO ORGANIZADO GOVERNA SEM ESTADO! - PELA AUTOGESTÃO GENERALIZADA! Comitê Executivo da FOSP/COB-ACAT/AIT

 

25  d.R.

HÁ 25 ANOS ATRÁS, em 21 de Agosto de 1989, anunciada a morte de Raul Rock Seixas, a partir do velório no Anhembi – por onde passaram mais de 100.000 pessoas – uma multidão, de mais de 20.000 pessoas, que passara a noite velando o corpo, EXIGIU (e conseguiu) um caminhão do Corpo de Bombeiros para conduzir o caixão – coberto pela bandeira do Brasil – acompanhado por uma PASSEATA, em homenagem ao “Maluco Beleza” – a partir das 7:00 hs da manhã -, que engrossou durante o trajeto (Avs. Cruzeiro do Sul, Tiradentes Preste  Maia, Anhangabaú e 23 de Maio) até o aeroporto de Congonhas, de onde partiria para ser enterrado em Salvador, na Bahia. Desde então, a cada ano, os Raulseixistas temos realizado a TRADICIONAL PASSEATA-HOMENAGEM a RAUL, mostrando que “os homens passam, mas as músicas ficam!”, que a SOCIEDADE ALTERNATIVA está viva em cada um de nós.  

                                        

25 ANOS DEPOIS, RAUL SEIXAS MAIS VIVO DO QUE NUNCA, CONTINUA NA LUTA CONTRA O MOSTRO SIST !!!

Aquela Coisa - Raul Seixas

Meu sofrimento é fruto do que me ensinaram a ser
Sendo obrigado a fazer tudo mesmo sem querer
Quando o passado morreu e você não enterrou
O sofrimento do vazio e da dor
Ficam ciúmes, preconceitos de amor

E então, e então

É preciso você tentar
Mas é preciso você tentar
Talvez alguma coisa muito nova possa lhe acontecer

Minha cabeça só pensa aquilo que ela aprendeu
Por isso mesmo, eu não confio nela eu sou mais eu
Sim... pra ser feliz e olhar as coisas como elas são
Sem permitir da gente uma falsa conclusão                                   
Seguir somente a voz do seu coração                                                                 E então, e então

E aquela coisa que eu sempre tanto procurei
É o verdadeiro sentido da vida
Abandonar o que aprendi parar de sofrer
Viver é ser feliz e nada mais

 

 

OQUE OS NAZISTAS FIZERAM COM OS JUDEUS

OS ISRAELENSES ESTÃO FAZENDO COM OS PALESTINOS!

              

GAZA É A VERSÃO ATUAL DO QUILOMBO DOS PALMARES

 E DO GUETO DE VARSÓVIA.

MAS, O SOL NASCEU PARA TODOS!

PELO FIM DO ESTADO ISRAELENSE!

PELA LIVRE FEDERAÇÃO DOS POVOS SEMITAS!

PAZ ENTRE OS POVOS,

GUERRA ENTRE AS CLASSES!

SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT

 

TODOS POR UM!

SOLIDARIEDADE ATIVA: GREVE GERAL

Enquanto passivamente vemos as greves e manifestações, de cada categoria ou tipo diferente, serem reprimidas a bala; os grevistas são tratados pela mídia e pelo Estado como se fossem marginais, bandidos e inconsequentes. A Justiça burguesa do Trabalho restringe o direito de greve em todos os níveis e a repressão policial é incitado, junto com as ameaças de demissões e processos contra grevistas.

No momento, com a greve dos trabalhadores do Metrô e da CET, o governador Alckimin-Opus Dei/PSDB repete o discurso do prefeito petista de Sampa, “já demos tudo que é possível... tem as melhores condições de salário que a maioria dos trabalhadores...”. Para a (in)Justiça  (burguesa) do Trabalho, que diz respeitar o direito de greve, ordena que se mantenha 100% de funcionamento durante o horário de rush. A Tropa de Choque arremete contra grevistas, baleando e prendendo, e as estações são militarizadas.

 

Repete-se a atitude dos sindicatos oficiais, atrelados ao Estado, de completa omissão – como se o negócio não fosse com eles. As centrais sindicais que são mantidas pelo Estado, com o dinheiro dos impostos que nos arrancam, simplesmente somem ou buscam mudar de assunto.

         

Mas, de fato, as greves de cada categoria isoladamente, que lutam por migalhas (aumento de 5 a 10 %, cumprimento de acordos e garantia de direitos – numa luta defensiva e isolada) vem sendo derrotadas. As greves espontâneas de garis e rodoviários do Rio e São Paulo, contra os acordos firmados pelas direções sindicais, são mantidas isoladas e se intensificam as punições e demissões contra os grevistas.

A mídia vende a idéia de que as greves prejudicam os próprios trabalhadores. Mostram que estão a serviço do poder e buscam nos jogar uns contra os outros. Os desavisados compram essa mentira, esquecendo que os motoristas de ônibus – ou os trabalhadores do Metrô – são os mesmos que os levam e trazem de volta diariamente, nas piores condições de trabalho, com todo tipo de acidente por falta de manutenção. Assim muitos ficam reclamando das greves, sem perceber que estamos todos, trabalhadores, no mesmo barco e que a única solução é unir nossas forças os vários movimentos dispersos:

POR UMA GREVE GERAL ATIVA!

Nossa força coletiva aumentará nossa força em cada local, em cada negociação local, Mas precisamos de reivindicações comuns, valorizando o trabalho e o trabalhador

É PRECISO CHAMAR MANIFESTAÇÕES DE APOIO E SOLIDARIEDADE AOS MOVIMENTOS GREVISTAS, ESTIMULAR A SOLIDARIEDADE ATIVA E UMA GREVE GERAL PELO SALÁRIO MÍNIMO CONSTITUCIONAL (R$ 3000,00 – de acordo com o DIEESE); PELA REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO PARA 6 HORAS DIÁRIAS E 30 HORAS SEMANAIS – SEMANA INGLESA – E CONTRA AS DEMISSÕES, PRISÕES E PROCESSOS CONTRA OS GREVISTAS, LUTADORES SOCIAIS, PELO LIVRE EXERCÍCIO DOS DIREITOS DE EXPRESSÃO, MANIFESTAÇÃO, GREVE, E PELA LIBERDADE DE ORGANIZAÇÃO PARA OS TRABALHADORES.

QUEM SABE FAZ A HORA: AGORA É A HORA!!!

Comitê Executivo da FOSP/COB-ACAT/AIT

 

http://noticias.terra.com.br/brasil/cidades/sp-tropa-de-choque-expulsa-grevistas-de-estacao-do-metro,a5b52679c0076410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html

 - 06 de junho de 2014 • atualizado às 07h48

 

SP: Tropa de Choque expulsa grevistas de estação do Metrô

·         Fábio SantosFábio Santos -Direto de São Paulo

http://p2.trrsf.com.br/image/fget/cf/460/340/images.terra.com/2014/06/06/grevemetrosppmanarosafabiosantos.JPG Foto: Fábio Santos / Terra  Homens da Tropa de Choque expulsaram os grevistas da estação com o uso de bombas

Fábio Santos Direto de São Paulo

 

Funcionários do Metrô de São Paulo que ocupavam a estação Ana Rosa, que atende as linhas 1 – Azul e 2 – Verde, para a realização de um piquete foram expulsos pela Tropa de Choque da Polícia Militar na manhã desta sexta-feira.

Os metroviários estavam no local desde o horário em que a estação deveria ser aberta, às 4h40. A PM chegou ao local cerca de uma hora depois. Apesar de inicialmente não ocorrer nenhuma movimentação, perto das 6h40 a Tropa de Choque foi acionada e, por meio de bombas de efeito moral e golpes de cacetete, os metroviários foram expulsos do local.

Sem metrô, SP suspende rodízio e cria linhas especiais; veja

José Carlos dos Santos, eletricista do Metrô, ficou ferido na perna por estilhaços de uma bomba. "A gente já estava saindo, e eles (policiais) vieram com agressão. Tenho 30 anos de Metrô, e eles vêm aqui e fazem isso", disse dos Santos.

Saiba Mais

SP: com greve mantida, Metrô amanhece com linhas paralisadas

Metrô fecha estações mais cedo e diz que greve é 'crueldade'

Audiência entre Metrô e metroviários termina sem acordo

SP mantém linhas especiais e suspensão do rodízio; veja

A intenção dos funcionários era impedir a abertura da estação e que o plano de contingência do Metrô fosse acionado, pois, de acordo os manifestantes, o pessoal que seria deslocado para este plano não está acostumado nem devidamente qualificado para operar o sistema, e também para não tirar a força da greve.

"A gente vai garantir que os supervisores, que ontem foram obrigados pela empresa a furar a greve, que eles não trabalhem hoje. Eles não têm condiçes psicológicas. Agora, o governo mandou a PM até aqui para coibir o nosso piquete", afirmou Celina Maranhão, diretora do sindicato.

Segundo Raimundo Cordeiro, também diretor do sindicato da categoria, os supervisores se reuniram e decidiram que não vão trabalhar e irão aderir à greve. "Eles (supervisores) não têm experiência na condução. Estamos fazendo isso também para proteger a população", explicou Celina.

Veja confronto entre policias e grevistas na estação Ana RosaClique no link para iniciar o vídeo

Veja confronto entre policias e grevistas na estação Ana Rosa

A estação Bresser-Mooca, na linha 3 – Vermelha, também foi ocupada na madrugada desta sexta-feira para a realização de piquetes, assim como aconteceu na Ana Rosa.

Assim como aconteceu ontem, as linhas 1 – Azul, 2 – Verde, 3 – Vermelha e 5 – Lilás amanheceram paralisadas nesta sexta-feira. Apenas a linha 4 – Amarela, de iniciativa privada, teve seu início de operação normal. Às 5h30, o Metrô informou que a linha 5 - Lilás passou operar normalmente.

Cerca de 60 funcionários ocupam a estação Ana Rosa de forma tranquila e pacífica. Membros da diretoria do sindicato já estão em contato com a polícia. Na estação Bresser-Mooca, há aproximadamente 40 metroviários participando do protesto.

Plano de contingência
Segundo o Metrô informou, o plano de contingência adotado utiliza toda a estrutura existente: a operacional, composta por supervisores e gerentes, e também o pessoal administrativo, em nível gerencial, que vai às estações vender bilhetes e auxiliar os usuários. "Trata-se de um grupo que está preparado para atuar nesses momentos", informou o Metrô. Porém, os engenheiros da empresa anunciaram que também estão em greve, em apoio aos metroviários.

O Metrô diz ainda que "quem opera os trens são pessoas qualificadas, que trabalham na área de operação, ex-operadores, instrutores, monitores, pessoas que dão treinamento e que lidam com a operação".

TRT mantém liminar
Na noite de ontem, o Núcleo de Conciliação do Tribunal Regional do Trabalho manteve a liminar que determina a manutenção de 100% do funcionamento do Metrô nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h) e de 70% nos demais horários de operação. O descumprimento da ordem judicial culminará em aplicação de multa diária de R$ 100 mil. A desembargadora Rilma Aparecida Hemetério, vice-presidente do TRT, que presidiu a reunião, recomendou que o Sindicato dos Metroviários mantenha a cláusula de paz acertada durante as negociações.