Grupos

 

PROGRAMAÇÃO CULTURAL NA SEDE PROVISÓRIA DO SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT

Associação CORRENTE LIBERTADORA   

-  Rua Cerqueira Cesar 185

(próximo a Pç. Floriano, ao lado do Camelódromo)

(sede provisória do SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT)          

  PROGRAMAÇÃO

DE ABRIL/2010:

Sarau

da Associação Corrente Libertadora      

àNesta SEXTA-FEIRA (9/04/2010)20 hs

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

CINE-CLUBE Arquivo Edgard Leuenroth

- SINDIVÁRIOS-SP- FOSP/COB-ACAT/AIT  

FILME: SACCO E VANZETTI   

SEXTA-FEIRA

23/04/2010 – 18 hs

SARAU da ASSESA   

(Associação dos Escritores Santamarenses)

SEXTA-FEIRA

23/04/2010 – 20 hs

Iniciativa & Apoio: CORRENTE LIBERTADORA – ASSESA - O COLETIVO LIBERTÁRIO - Coletivo HUMANITUDE - Coletivo Educar Para a Paz –EPP - Coletivo SEMENTE DE FOGO – SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT                       

 

 

 

MANIFESTO EM DEFESA DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DOS TRABALHADORES

 

 

Os trabalhadores que militamos dentro da Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT-IWA), a que se integra a Confederação Nacional do Trabalho de Espanha (CNTE), estamos acostumados aos Estados, sempre comprometidosevitar nossa articulação no mundo do trabalho do trabalho. Recentemente, essa  organização tão perseguido desde sua refundação, em 1922-1923, que é o AIT, lhe foram dados dois novos golpes que visam inviabilizá-la em um momento de crise econômica para a classe trabalhadora no qual uma feramenta de luta a nível internacional torna-se mais perigosa do que nunca para a burguesia. Então nos colocamos de volta para a rua.

 

No início de setembro de 2009, seis trabalhadores foram presos, em Belgrado, pelo Poder Judiciário da Sérvia sob acusações de terrorismo internacional, apesar da falta de prova legal para comprovar a denúncia. Como nos tempos da Inquisição, as provas se iam fabricando a partir da prisão, violando o princípio da presunção de inocência. A afiliação com o movimento libertário desses trabalhadores, especialmente cinco deles pertencentes ao sindicato Iniciativa Anarco-Sindicalista (ASI), por sua vez ligada a AIT, levou a mídia e os relatórios da polícia a apresentá-los como uma verdadeira praga, apresentando-os como criminosos suspeitos meses antes de se abrir o processo.

 

Enquanto os sérvios nossos companheiros permaneciam na prisão, em 11 de dezembro de 2009 um Tribunal alemão do Estado proibiu o Sindicato Livre dos Trabalhadores (FAU, com sua sigla em alemão) em Berlim, também anexado ao AIT, para não continuar seu trabalho sindical sem que  a chamar sua organização de ‘sindicato’. Esta decisão, tomada sem revisão oral e pelas costas do sindicato em questão e, posteriormente, confirmada pelo Tribunal Regional do Trabalho de Berlim, tem a ver com as medidas legais tomadas pelo ‘Babylon Cinemas Berlim’ depois de seu trabalhadores se organizarem e aderirem a FAU/AIT e ao iniciar-se uma mobilização bem sucedida de um sindicato em favor de um acordo coletivo.

 

Em 17 de Fevereiro passado, realizo-se a primeira audiência do julgamento contra os colegas da ASI-AIT, que decretou a retirada das acusações de terrorismo internacional e libertando os presos com acusações menores. Embora isto nos alegre, a verdade é que o processo kafkiano contra os trabalhadores, está em curso e em 23 de março se passou a segunda sessão do tribunal. Por outro lado, nossos companheiros da FAU-AIT são agora confrontados com a aplicação de uma multa de até 250.000 Euros ou uma pena de até seis meses para seu secretário, pela continuidade do boicote à Babilônia Cinemas.

 

Dois casos aparentemente diferentes, mas, como dizemos, têm em comum a adoção de medidas preventivas contra a introdução da união que se encarna na AIT: o anarco-sindicalismo, um sindicalismo de caráter assembleário, horizontal, federalista e autogestionario, além de internacionalista, dentro do qual los trabajadores recorremos ao apoio-mútuo e a ação direta para defender-nos das agressões da classe dominante e a ir construindo uma sociedade igualitária. Estamos conscientes de que as democracias de mercado só permitem a liberdade e o direito no âmbito do intercâmbio de mercadorias.

 

Por tudo isso chamamos, a partir da CNT-AIT, toda a classe trabalhadora a uma concentração em defesa da AIT. É necessário que, ante este novo revés proveniente da patronal e dos banqueiros, organizados a nível internacional e com o apoio estatal da Justiça e das principais forças políticas, articulemos umaresposta de solidariedade internacional e vamos voltar para as ruas.

 

 

INTERNACIONAL É SUA REPRESSÃO, INTERNACIONAL É NOSSA SOLIDARIEDADE!

 

MOBILIZEMO-NOS E DEFESA DA INTERNACIONAL ANARCOSINDICALISTA, CONTRA O CAPITAL E O ESTADO!

 

- CNTE/AIT-IWA (Confederação Regional Centro) - Abril de 2010.

 

PROGRAMAÇÃO DE ABRIL NA SEDE PROVISÓRIA DO SINDIVÁRIOS-SP

(Sede da Associação Corrente Libertadora)

1º DE MAIO A LUTA CONTINUA!

14:40 @ 24/04/2010

 

 

NÃO SE DEIXE ESMAGAR NAS ENGRENAGENS DO CAPITALISMO!!!

NÃO SE DEIXE ILUDIR!

SE UNA A COB-AIT E VAMOS À LUTA!!!

PELA LIBERDADE DE ORGANIZAÇÃO PARA OS TRABALHADORES!

PELO SOCIALISMO LIBERTÁRIO!

VIVAS À AIT!



http://www.youtube.com/user/Sindivarios#p/a/u/0/uxzMldZHhm4

--
Na construção do socialismo libertário através do sindicalismo
revolucionário!
Associado:
Federação Operária de São Paulo - FOSP
Confederação Operária Brasileira - COB
Associação Continental Americana dos Trabalhadores - ACAT
Associação Internacional dos Trabalhadores - AIT
http://fosp.anarkio.net
http://cob-ait.net
_______________________________________________
Fosp mailing list
Fosp@list.cob-ait.net
http://list.cob-ait.net/listinfo/fosp

 

1º de maio de luta por liberdade e pão!

 

 

Os capitalistas, que sempre visaram os lucros e pouco se importam com as questões sociais, levaram o mundo a uma crise tão ou maior que a crise de 1929, que quebrou a Bolsa de Valores de Nova Iorque e levou o mundo a chamada Grande Depressão, só superada pela 2ª Guerra Mundial! Evidente que na outra ponta está a classe trabalhadora, como na crise de 29, mais uma vez seremos nós a pagar pela crise! Ou seja, eles fazem falcatruas e os pobres é que pagam a conta. Você acha isso justo?

 

Cabe a pergunta: se eles criam as crises, é você que tem que pagar? A Europa registra uma média assustadora de 10.000 desempregados por dia; os Estados Unidos registraram, só no mês de Dezembro 650.000 desempregados, já são mais de 5 milhões! E no Brasil cerca de 200.000 perderam seus empregos. Ou seja: a burguesia, na loucura do lucro sem controle, levou o mundo a uma nova crise, e querem que nós paguemos! Pior que isso é são os sindicatos pelegos/amarelos em vez de organizar os trabalhadores negociam com os patrões a flexibilização dos direitos trabalhistas! Tudo isso apesart da mentirosa propaganda do governo alardeando que o desemprego acabou, oquer a midia burguesa repete incessantemente.

 

A Força Sindical, e outras FARÇAS SINDICAIS, que há nos controlam o Ministério do Trabalho, tem levado os trabalhadores a ficar nas mãos dos patrões, levando falsas assembléias manobradas que votaram até pela redução de 25% dos salários. Os trabalhadores, acuados pela fantasma do desemprego, terminaram votando a favor dessa traição. Foi um tiro no pé!

 

Quem deu inicio a esse debate foi o Presidente da Vale do Rio Doce, dizendo que a crise era grave e que as demissões seriam inevitáveis, que seria a hora de discutir a suspensão dos contratos de trabalho. Mas ele não fala sobre dos lucros da Vale do Rio Doce.

 

A verdade é que pela nunca antes na história desse país tivemos uma crise tão profunda sem que a classe trabalhadora esteja desorganizada: os sindicatos oficiais estão sob controle do Estado, da burguesia e dos partidos – estão mais preocupados em administrar suas vaidades políticas. Chegou a hora de lutarmos pelo direito a liberdade de organização para organizar sindicatos livres de verdade, de luta e sob o controle dos trabalhadores e não dos partidos!

 

Cremos que seja hora de se reorganizar e de combater os interesses do capital e da burguesia: eles criaram a crise, eles devem pagar por ela! Não devemos nos curvar, mas nos organizar para lutar de fato! Queremos a Redução da Jornada de Trabalho, mas Sem Redução dos Salários e Sem Demissões, combatendo o Desemprego, pois é importante nos mantermos unidos em nossa defesa. A partir daí        lutar por um isso Salarial Nacional (Salário Mínimo Real de R$ 2.000,00); aumento de salários para todos, melhores condições de transporte com a INTEGRAÇÃO TOTAL DO TRANSPORTE PÚBLICO, por um preço decente que não seja um roubo; melhores condições de moradia (casa para todos!); melhores condições de ensino, desde a pré-escola (para todos) até a universidade de qualidade, com ensino e pesquisa; por melhores condições de saúde, com criação de uma rede de Hospitais ao nível do Hospital das Clínicas, até para descentralizar e racionalizar os tratamentos.

 

Também devemso manifestar nossa solidariedade de classe, não só contra as desgraças (como o terrempoto no Haiti), mas contra as pequenas misérias do cotidiano, que consumiram todas as energias do povo haitiano, sufocado por longas ditaduras e governos populistas, que submeteram sua classe trabalhadora a sanha capitalista, e os vvampiros sugartam tudo e querrem mais! Mas devemos nos solidarizar a luta apolítica da classe trabalhadora em todos o mundo, pois a classe operária é internacional! Solidariedade a Federação dos Trabalhadores Alemães, colocados na ilegalidade, por sua ação em defesa da classe trabalhadora berlinense, assim como também devevmos nos solidarizar ao Iniciativa Asnarco-Sindicalista, confederação sindical dos trabalhadores da Sérvia, qwue tem seu Secretariado processado pelo governo por organizar a solidariedade a nsurreição Grega. Não à toa, ambas ligadas a Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT-IWA, em sua sigla britânica), única confederação mundial de sindicatos livres e revolucionários (autônomos frente ao Estado,a Patronal e as Igrejas),l q2ue vem sendo atacado em todas as suas Seções no mundo, como a FOSP/COB-AIT, que tem vários integrantes de sua Coordenação Estadual sendo processados pela polícia, devido a realização da manifestação de 1º de Maio em 2.008. Mas não nos calaram e nem nos calarão!

 

Convocamos os trabalhadores a se organizar, resistir e combater os capitalistas exploradores, que são geradores desta e de todas as demais crises, entre elas a ambiental e alimentar. Chega! É hora de levantar as bandeiras da luta, contra as demissões e as negociações medíocres dos sindcatos atrelados ao EStado, como a FARÇA SINDICAL E DE OUTROS QUE VÃO NO EMBALO DESSA TRAIÇÃO (CUT, CONLUTAS, CGT, CGT do B, NSF, etc.).

 

  REDUZIR A JORNADA PARA 30 HORAS SEMANAIS, SEM REDUZIR OS SALÁRIOS!   

 

TODOS AO 1º DE MAIO DE LUTA: LADEIRA DA MEMÓRIA – MEIO-DIA!  

 

CONTRA A CRIMINALIZAÇÃO DA QUESTÃO SOCIAL!

PELA LIBERDADE DE ORGANIZAÇÃO SINDICAL PARA A CLASSE TRABALHADORA!

PELA LEGALIZAÇÃO DA COB/AIT!

TODO APOIO A FAU/IWA E A ASI/IWA!

   

  Federação Operária de São Paulo (FOSP) – Confederação Operária Brasileira (COB/AIT)

SINDIVÁRIOS-SP, SINDIVÁRIOS-ALTO TIETÊ, SINDIVÁRIOS-OSASCO, SINDVÁRIOS-CAMPINAS, SINDICATO DE ARTES E ESPETÁCULOS, ASSOCIAÇÃO DOS ESCRITORES SANTAMARENSES

 

Sem Estado, Sem Partido, Sem Patrão!

 

E-mail para contato:          

fospcobait@yahoo.co.uk  

fosp@cob-ait.net

http://www.grupos.com.br/blog/sindivariosspfospcobacatait/

http://cob-ait.net/

 

                  

 

 

 

 

 

1º DE MAIO: 124 ANOS DE LUTA POR LIBERDADE E PÃO

Chegamos a mais um 1º de Maio, desfigurado pelas centrais sindicais oficiais pelegas. Infelizmente esse dia histórico, que nos traz a memória os trabalhadores mortos por lutar pela Redução da Jornada de Trabalho, por direitos e dignidade para o trabalhador e Contra a Carestia da Vida, tentam reduzir a festas e discursos oficiais para lançar candidaturas do circo eleitoral. As festas, pagas com o dinheiro do Imposto Sindical e do Fundo de Amparo ao Trabalhador, querem colocar a classe trabalhadora massificada em um dia de festas e sorteios, enquanto para trabalhadores lançam as migalhas das riquezas que nós mesmos produzimos. Mas 1 de Maio não é dia de festa, é dia de luta e de luto!

O 1º de Maio, como Dia de Luta dos Trabalhadores, tem sua origem na luta pela Redução da Jornada de Trabalho para 8 hs/dia. Para o dia 1º de Maio de 1886 os trabalhadores de Chicago chamaram uma Greve Geral pelas 8 horas - na época a Jornada de Trabalho era de 15 horas diárias para homens, mulheres e crianças – sem assistência médica, aposentadoria, enfim: nenhum direito.  A repressão patronal apela ao Estado que reprime violentamente uma manifestação operárias na Praça Haymarket, levando a um enfrentamento entre os trabalhadores e a policia e a morte de mais de 100 trabalhadores. Nove operários são responsabilizados pela polícia e condenados a morte, sem provas, sendo até hoje conhecidos como os “Mártires de Chicago”. Assim estamos nas ruas para a 124ª Jornada de Protestos Proletários no 1º de Maio Contra o Arrocho Salarial, o Desemprego e Pela Redução da Jornada de Trabalho sem redução salarial e por uma sociedade socialista libertária.

Hoje a situação não se apresenta tão diferente: apesar da Jornada legal ser de 8 horas/dia, ainda não conquistamos a semana inglesa e a Jornada semanla oficial é de 44 horas. Mas sabemos que isso é nominal já que nem no trabalho os chefes obedecem os horários dos operários, pois, devido ao arrocho salarial e a alta do custo de vida , o trabalhador tem que fazer extra, pegar bicos e até a ter 2 empregos, o que leva sua Jornada diária a 10-16 horas dia. Da mesma forma o Estado e a patronal tudo fazem para impedir a livre organização dos trabalhadores. No Brasil a COB não é reconhecida pelo Estado, e os seus sindicatos livres não encontram respaldo nas leis de excessão criados pela ditadura de Getúlio Vargas (1930-1937-1946). No mundo a situação se repete de forma dramática.

Recentemente a AIT-IWA,  organização internacional a qual a COB está ligada, tão perseguida desde sua refundação, em 1922-1923, foram dados dois novos golpes que visam inviabilizá-la num momento de crise econômica para a classe trabalhadora no qual uma feramenta de luta a nível internacional torna-se mais perigosa do que nunca para a burguesia. Já em setembro de 2009, seis trabalhadores foram presos, em Belgrado/Sérvia, pelo Poder Judiciário Sérvio sob acusações de terrorismo internacional, apesar da falta de prova legal para comprovar a denúncia. Como nos tempos da Inquisição, as provas se iam fabricando a partir da prisão, violando o princípio da presunção de inocência. A afiliação desses trabalhadores ao movimento libertário, especialmente de 5 deles afiliados ao sindicato ’Iniciativa Anarco-Sindicalista’ (ASI), por sua vez ligada a AIT, levou a mídia e os relatórios da polícia a apresentá-los como uma verdadeira praga, apresentando-os como criminosos suspeitos meses antes de se abrir o processo. Depois, em 11 de dezembro de 2009 um Tribunal do Estado alemão proibiu o Sindicato Livre dos Trabalhadores (FAU, em sua sigla alemã) em Berlim, também ligado a AIT, para não continuar seu trabalho sindical e  a chamar sua organização de ‘sindicato’. Esta decisão, tomada sem revisão oral e pelas costas do sindicato em questão e, posteriormente, confirmada pelo Tribunal Regional do Trabalho de Berlim, tem a ver com as medidas legais tomadas pelo ‘Babylon Cinemas Berlim’ depois que seus trabalhadores se organizarem e aderirem a FAU/AIT e ao iniciar-se uma mobilização bem sucedida do sindicato em favor de um acordo coletivo.

 

Dois casos aparentemente diferentes, mas, como dizemos, têm em comum a adoção de medidas preventivas contra a introdução da união que se encarna na AIT: o anarco-sindicalismo, um sindicalismo de caráter assembleário, horizontal, federalista e autogestionario, além de internacionalista, dentro do qual los trabalhadores recorremos ao apoio-mútuo e a ação direta para defendermo-nos das agressões da classe dominante e para ir construindo uma sociedade igualitária. Estamos conscientes de que as democracias de mercado só permitem a liberdade e o direito no âmbito do intercâmbio de mercadorias.

 

Não podemos deixar que nos classifiquem como meras mercadorias ou eleitores, pois seres humanos é o que somos!  Nossa dignidade exige mais: direito a vida (habitação, saúde, educação, trabalho) e direito a liberdade de ir e vir e se auto-organizar para lutar pelos nossos interesses econômicos imediatos e por uma sociedade socialista autogerida.

 

- VOTE NULO, NÃO SUSTENTE PARASITAS NO PODER!

(Contra a exploração capitalista se una a FOSP/COB-AIT: Organize-se e lute!)

- CONTRA O DESEMPREGO: REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO PARA 6 Hs/DIA, 30 Hs Semanais, SEM REDUÇÃO SALARIAL!

- PELO DIREITO AO TRABALHO: REFORMA URBANA E AGRÁRIA RADICAL E IMEDIATA!

- CONTRA A CRIMINALIZAÇÃO DA QUESTÃO SOCIAL: LIBERDADE PARA OS SEM-TERRA CLAUDEMIR E CÍCERO!

- VIVA A LUTA DOS TRABALHADORES!

- VIVA O 1º DE MAIO DE LUTA PELA REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO!

- VIDA LONGA À COB-AIT!