Grupos

PROGRAMAÇÃO CULTURAL DE MAIO

00:14 @ 04/05/2010

 

POESIA – DANÇA – MÚSICA – PIADAS - MÁGICAS – CAPOEIRA

Associação CORRENTE LIBERTADORA                                                                                             -  Rua Cerqueira Cesar 185                                                                                                                                                                   (próximo a Pç. Floriano, ao lado do Camelódromo)                                                                                                                         (sede provisória do SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT)                                    

PROGRAMAÇÃO DE MAIO/2010:

Sarau da Associação Corrente Libertadora                                                                     àNesta SEXTA-FEIRA (14/05/2010) – 20 hs

FILME: OS LIBERTÁRIOS                                        CINE-CLUBE Arquivo Edgard Leuenroth - SINDIVÁRIOS-SP                                                                                 SEXTA-FEIRA 28/05/2010 – 18 hs

SARAU da ASSESA – Tema: O mundo do Trabalho                                           (Associação dos Escritores Santamarenses)

SEXTA-FEIRA 28/05/2010 – 20 hs

Iniciativa & Apoio: CORRENTE LIBERTADORA – ASSESA - O COLETIVO LIBERTÁRIO - Coletivo HUMANITUDE - Coletivo Educar Para a Paz –EPP - Coletivo SEMENTE DE FOGO – SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT                       

 

 

OS MÁRTIRES DE CHICAGO 

 

          “Enquanto os trabalhadores estiverem escravizados economicamente eles nunca serão livres politicamente. Chewguei a conclusão que nunca se garantirá emprego,  pão e uma vida feliz através das urnais eleitorais e dos partidos polítcos. George Engel-1886

  

 

“Eu devo ser muito perigoso, pois vieram 35 soldados em minha cas para me prender. Mas não vou me deter nessas bestas que são os policais e confessarei meus crimes. O primeiro foi editar um jornal de notícias e literatura para os trabalhaores, uma vez que acredito que os trabalhadores deve se educar por eles mesmos. O segundo foi ajudar os trabalhadores padeiros, caixeiros e cervejeiros dessa cidade a se organizarem para que consegussem lutar a redução da jornada de trabalho de 16 horas diárias para 8 horas. Por meus crimes, peço que me enforquem. Neebe-1886

 

 “Nosso silêncio será mais poderoso do que nossas vozes, hoje estranguladas. Que todos saibam dos crimes que são cometidos pelo Estado, suposto reprsnetante do povo, mas que vive da miséria dos trabalhadores. A ‘ordem’ em que uma classe domina e vive às custas de outra está condenada a morrer e dar lugar a  uma Sociedade Livre, de Associações Voluntárias e Fraternidade Universal. Vivas à Anarkia! Spies-1886

 

 “Creio que haverá um tempo em que haverá mais inteligência e sabedoria, no qual, vencidas as barreiras da iniquidade e da injustiça, o sol da verdade e da justiça venham iluminar o Mundo Emancipado. Hurras pela Anarkia! Fielden-1886

 

 “Sou inimigo da ‘ordem’ atual e vou combatê-la com todas as minhas forças enquanto eu viver.  Eu desprezo vocês, suas leis e sua autoridade baseada na força. Ling-1886

  

“Nada tenho a ver com a bomba lançada durante o comído de protesto pacífico, organizada por mim para se discutir ac hacina ocorrida na Mcornick’s. Este é um veredito injusto e bárbaro, serei sentenciado a morte por ser anarkista, e não por ser assassino, pois a verdade é que nunca matei ninguem! Os únicos assassinos aqui são o Promotor e o Estado. E se for para morrer pela Anarkia, pelo meu amor a liberdae, a fraternidade e a igualdade, eu não protestarei. Viva a Anarkia! Fischer-1886  

 

"Governo é para escravos, homens livres se governam. Que a voz do povo seja ouvida. Parsons-1886"                         

 

 

 

“ Nos acusam de conspiradores, mas na verdade apenas profetizamos, e publicamente, uma grande Revolução Social, a Anarkia, a qual, logicamente, não será alcançadalançando uma bomba num comício. A anarkia apenas diz que as fábricas e fazendas devem ser usados por todos, trabalhando-se apenas o necessário para suprir as necessidades, sobrando assim amis tempo para o cultivo da mente e para a dedicação a ciência e a arte. Anarkia é o estado da sociedade em que somente a razão governa, onde não há leis nem coerção. Essa é nossa proposta! Schwab-1886

 

 

Solidariedade aos “11 de Lisboa”

Secção solidariedade - http://ait-sp.blogspot.com/

No dia 25 de Abril de 2007 teve lugar na Baixa de Lisboa uma manifestação anti autoritária contra o fascismo e o capitalismo, em protesto contra a crescente influência dos grupos fascistas em Portugal e contra a tentativa de reabilitar a figura do ex-ditador, António de Oliveira Salazar. Nessa altura foram publicados vários livros sobre Salazar e foi inaugurado um museu em Santa Comba Dão, localidade natal do ditador. Um concurso de televisão, destinado a fomentar as atitudes nacionalistas e chauvinistas entre os portugueses, conseguiu mesmo eleger Salazar como "o maior português de todos os tempos". Além disso, o PNR, um partido de extrema-direita, envolvido com grupos de skins nazis, começou a mostrar sinais de grande actividade, com uma campanha em grande escala de promoção da xenofobia e várias manifestações de rua, uma das quais teve lugar, como provocação, num conhecido bairro de imigrantes no centro de Lisboa.

 

Solidariedade aos 11 de Lisboa!!!

 

Como resposta ao crescimento das forças e atitudes reaccionárias na sociedade portuguesa, teve lugar uma grande manifestação no dia da comemoração da “Revolução dos Cravos”, o 25 de Abril, quando a ditadura fascista foi derrubada. A manifestação reuniu mais de 500 pessoas, atravessou o centro de Lisboa, sendo sempre seguida de perto pela polícia, e parou no Largo de Camões, onde a maioria das pessoas dispersou. De lá, começou uma segunda manifestação e, quando os manifestantes estavam a descer a Rua do Carmo, o Corpo de Intervenção da Polícia de Segurança Pública (PSP) fechou todas as saídas da rua, encurralando os manifestantes, e carregou violentamente sobre eles. Várias pessoas ficaram feridas, algumas delas com gravidade, e 11 manifestantes foram detidos e enfrentam actualmente um julgamento, por alegada desobediência civil, injúrias e agressões a agentes policiais, arriscando penas entre os seis meses e os cinco anos de prisão.

 

Apelamos à solidariedade com os 11 inculpados e ao protesto contra esta farsa judicial, à divulgação de informação sobre esta situação e ao envio de cartas, faxes e e-mails de protesto ao Tribunal onde está a decorrer o julgamento.

 

     Modelo de carta de protesto para ser enviada:

 

Vimos por meio da presente carta protestar contra a ida a julgamento dos 11 detidos aquando da realização da manifestação anti-autoritária contra o fascismo e o capitalismo, em 25 de Abril de 2007.

 

Denunciamos o comportamento claramente ofensivo e discriminatório demonstrado pela polícia no decorrer dos acontecimentos, assim como a brutalidade com que a mesma reagiu à manifestação, carregando indiscriminadamente sobre os manifestantes e demais transeuntes presentes na Rua do Carmo, numa acção cujo objectivo manifesto não foi a dispersão da manifestação, mas antes o espancamento do maior número de pessoas possível, posto que todas as saídas da rua foram cortadas pela polícia de forma a não deixar aos manifestantes fuga possível.

 

Afigura-se-nos que as pessoas detidas o foram de forma aleatória e arbitrária, e que a sua ida a tribunal não serve outro propósito que não seja o de mascarar e ilibar a violência policial, culpando os manifestantes pelo sucedido. Consequentemente, exigimos o encerramento deste processo e a absolvição de todos os arguidos. 

 

Com os melhores cumprimentos,

 

Assinado: (...)

 

Direcção do Tribunal:

1º Juízo Criminal

Av. D. João II, nº 1.08.01 - Bloco B

1990-097 Lisboa

Portugal

 

E-mail: lisboa.jcr1@tribunais.org.pt

Telefone: (+351) 213 505 500

Fax: (+351) 211 545 164

 

Número do processo:

42/07.5PALSB (por favor indicá-lo nas cartas, faxes e e-mails enviados)

 

Data da próxima audiência do julgamento:

- 19 de Maio

 

 

CRÔNICA DA MANIFESTAÇÃO DE 1º DE MAIO EM SÃO PAULO

1º DE MAIO DE LUTA PROLETÁRIA, REVOLUCIONÁRIA E LIBERTÁRIA

Iniciado com manifestações locais, marcadas por panfletagens e agitações nos bairros, já nas primeiras horas da manhã do 1º de Maio de 2010, quando a classe operária completa 124 anos de luta por pão e liberdade, desde a grande greve do meio-oeste americano em 1886, da prisão e morte dos mártires de Chicago, a FOSP/COB-ACAT/AIT estava nas ruas. Já nessas manifstações nos bairros se passava o Manifesto de 1º de Maio da FOSP, bem como a convocatória para a Manifestação unificada das Seções e Núcleos da Grande São Paulo, que se inciaria a partir do meio-dia, no antigo Mercado de Escravos da cidade de São Paulo, na Ladeira da Memória – ao lado da Praça das Bandeiras e do Metrô Anhangabaú.

A Concentração na Ladeira da Memória crescia a medida que o pessoal ia chegando das agitações locais, nos bairros ou cidades da Grande SP. As 13 horas, com a presença de mais de 50 camaradas libertários e nucleados pró-COB/AIT, iniciamos a Assembleía Popular, decidindo não aceitar as provocaçõesde partidos e policiais, e evitar perder o caráter operário da nossa manifestação. Decidimos sair em Passeata, com faixas e bandeiras da FOSP/COB-AIT, em direção a praça Ramos de Azevedo e de lá seguir em Passeata até a praça da República, onde realizariamos nossa Assembleia Popular de 1º de Maio.

Chegamos na praça Ramos gritando palavras-de-ordem: ‘LUTAR CONTRA O CAPITAL, LIBERDADE SINDICAL!’, ‘VOTE NULO, NÃO SE ILUDA, VOTE NULO E VÁ A LUTA!’, ‘ A CLASSE OPERÁRIA É INTERNACIONAL!’.  Na praça Ramos encontramos vários punks e populares observando, de longe, uma manifestação  do partido trotskista POM em parte das escadarias do Eatro Municipal – que estãá fechado para reforma a mais de dois anos. Como estavamos munidos de uma aparelho de som adaptado sobre um carrinho, estilo rádio poste,  nos instalamos em meio a praça e ao povo que observava a manifestação do POM e começamos a fazer nossos discursos contra o capital , o Estado e os partidos políticos – em especial, nesse ano de eleições majoritárias. Como, ao final, atraimamos mais atenção do que a manifestação deles eles resolveram fazer um chamamento a unidade e propuseram que falassemos ao microfone e fizessemos a manifestação conjunta. Falamos no microfone deles e frisamos que qualquer proposta de unificação da classe trabalhadora deve vir diretamente da necessidade prática da luta revoluciopnária e não de partidos políticos , que rejeitavamos. Essa unidade proletária, surgida de baixo para cima, deveria ter como valor máximo a solidariedade na luta, em especial por liberdade de organização – onde colocamos o problema da FOSP e da COB, que por não querer manter vínculos com o Estado, em nome da autonomia sindical, não conseguia ser legalizada! Isso nos mantem como uma organização clandestina, sujeita a todo tipo de sanção, colocamos essa questão para explicar que é algo que vem acontecendo com a AIT-IWA em todo o mundo: citamos a prisão do  Secretariado da ASI/AIT, na Sérvia, e a questão da FAU-IWA, colocada na ilegalidade na Alemanha. Por fim, anunciamos nossa retirada da praça Ramos em direção a praça da República, onde realizariamos uma Assembleia Popular, para discutir as lutas e a preparação de uma grande grevve geral anti-capitalista, para a qual os chamamos em nome dessa unidade. Eles preferiram ficar na praça e continuar sua pequena manifestação. Nos retiramos em cerca de 200 pessoas e subimos a Barão de Itapetininga em direção a República, gritando palavras-de-ordem: ‘OCUPAR, PRODUZIR, AUTOGERIR!’, ‘ARROZ, TESÃO, SAÚDE E AUTOGESTÃO!’, ‘POVO UNIDO GOVERNA SEM PARTIDO!’, ‘POVO ORGANIZADO GOVERNA SEM ESTADO!’. Eram então por volta das 14:30 hs.

Na Barão, devido ao alto movimento, e buscando arregimentar pessoas para participar da manifestação, fizemos dua paradas com várias pessoas fazendo uso da palavra. A participação das pesssoas que estavam na rua, só fazia crescer nossa manifestação. Seguiamos a passeata com nossas palavras-de-ordem. Ao chegar na praça da República, onde ocorria a Feira de Artesanato, a Polícia Militar – buscando nos dispersar – fechou a entrada da República, do lado da Avenida Ipiranga. Reagimos com agilidade, evgitando a confrontação e atravessando a praça da República, por baixo, para entrar na praça pelo outro lado. Ao chegar na região da rua Vieira de Carvalho, as pessoas , epontaneamente, decidiram fechar a pista – o que quase provocou um racha na manifstação, já que várias pesoas achavam que o mais certo seria entrart logo na República e realizar a Assembléia Popular, antes que a PM fechasse por ali também. Nesse momento pudemos faze uma avaliação do número  pessoas presntes na manifestação , cerca de 500 – 400 fechavam a rua. Enquanto discutiamos se irimos na Republica ou não começaram a surgir vários carros da policia para dispersar a manifetação. Novamente agimos rápido, ao perceber que nos cercavam, voltamos em asseata e nos dirigimos a praça da República , para realizar a Assembléia. (15 hs)

Ao chegarmos na pça. da República, por volta das 16:30 hs, nos instalamos e demos início às discussões da ASSEMBLEÍA POPULAR. Lá estava ocorrendo a Feira de Artesanato e todos ficaram atentos aos nossos discursos, muitos apoiavam. Eramos então cerca de 500 pessoas. A Assembléia foi tensa – devido a presença da polícia e a ira de vários manifestantes que faziam discursos anti-militares e pela liberdde de manifestação. Existia a possibilidade de confronto, mas fizemos ver a todos a importância da discussão coletiva , que se deu com a palavra aberta a todos. Discutimos a questão da Greve Geral e das lutas lançadas pela FOSP/COB-AIT, na periferia da Assembléia miltantes conversavam com as pessoas que se aproximavam sem entender bem o que se passava.

Por volta das 16:30 hs, após a discusão de sairmos em Passeata ser derrotada, uma parte dos manifestantes se retira em Passeata até a pça. da Sé e em seguida para a Roosevel, onde haveria uma Gig de Protesto. A assembleía Popular prosseguiu, discutindo os temas sindicais da FOSP, sempre com o microfone aberto, se encerradno por bota das 17:30 hs. Em seguida houve a dispersão da manifestação, mas vários militantes da FOSP decidiram retornar ao Mercado de Escravos para lá dar in[ico a avaliação geral da manifestação. Vários aspectos foram levantados por diferentes pessoas e simpatizantes que nos acompanharam até o fim das  discussões.

A avaliação geral foi de que a manifestação foi vitoriosa e positiva – apesar das falhas que naturalmente ocorrem em manifestações públicas marcadas pelo espontaneísmo, não pela disciplina partidária -, pois se demosntrou certa insegurança – devido a falta de experiência dos jovens militantes – o que permitiu certa confusãoentre o discurso sindical da FOSP e o discurso punk de várias organizações locais. Mas tudo foi também uma imporortante fonte de experiência para todos, sendo que vários militantes – além dos Coordenadore da FOSP – tomaram a palavra, ainda que timidamente. Encerramos as discussões por volta das 18:30 hs e então nos dispersamos, cansados, mas felizes pela manifestção que realizamos, marcando com louvor , mai uma vez , o 1º de Maio de Luta Proltária. Revolucionária e Libertária.

VIVA A FOSP!

VIVA A COB/AIT!

VIVA A LUTA E O EXEMPLO DOS MÁRTIRES DE CHICAGO!!!

 

 

 

Imagens e palavras de ordem da Manifestação Proletária, Revolucionária e Libertária! 

1º de maio de 2010

     

Iníco da Passeata na Xavier de Toledo                                      Coordenador do SINDIVÁRIOS-SP-FOSP/COB-ACAT/AIT-IWA

              CONTRA O GOVERNO CONTRA O PATRONAL,SINDICATO LIVRE, LIBERDADE SINDICAL!

     

Comíco relâmpago fecha uma das pistas da Vieira de Carvalho.

A COB NAS RUAS, A LUTA CONTINUA!  VOTE NULO, NÃO SE ILUDA VOTE NULO E VÁ A LUTA!

 

     

Driblando a PM.                                                    Microfone da FOSP/COB-ACAT/AIT aberto para todos os trabalhadores protestarem.

VOTE NULO, NÃO SE ILUDA VOTE NULO E VÁ A LUTA!

  

Cenas da Assembléia Popular da FOSP/COB-ACAT/AIT-IWA na Praça da República.

SEM ESTADO, SEM PATRÃO, SOCIALISMO É AUTOGESTÃO! 

OCUPAR,  RESISTIR, PRÁ DEPOIS AUTOGERIR!

 

VIVA A FOSP!

VIVA A COB/AIT!

VIVA A LUTA E O EXEMPLO DOS MÁRTIRES DE CHICAGO!!!