voltar para página principal

grupos.com.br

a vida acontece em grupos


MEU EX-PASTOR: ANJO OU DEMONIO

informação do grupo
.: acesso
*usuário:
*senha:

sempre identificado
Esqueci minha senha
.: grupo

MEU EX-PASTOR: ANJO OU DEMONIO

6 assinaturas
0 mensagens (mês)
Assinar RSS


Aberto:
Usuários podem participar deste grupo sem aprovação

Visível:
Este grupo é visível no diretório de grupos

Group logo

Descrição

O TEXTO A BAIXO É UMA PUBLIÇÃO DO TEXO SEM CORREÇÃO. TODOS ESSES TEXTOS ESTÃO EM FORMA DE MINUTA, NADA AINDA É DEFINITIVO, DEVENDO SER DESCONSIDERADO TODO E QUALQUER ERRO DE CONCORDANCIA, GRAFIA, ETC. A MATERIA FOI DISPONIBILIZADA SOMENTE PARA ADIANTAR PARA QUE OS INTERNAUTAS TENHAM ACESSO IMEDIATO Á MATÉRIA. MAIORES INFORMAÇÕES, ACESSEM http:// ozeas.zip.net O TEXTO ABAIXO É UM DOS CAPÍTULOS DO LIVRO “MEU EX-PASTOR: ANJO OU DEMONIO O oração na cachoeira e a grande “descoberta”! Davi, resolveu dar mais uma de suas fantasiosas cartadas espiritual. No programa de rádio divulgava que em determinada sexta feira, juntamente com seus obreiros, foi direcionado a orar em determinados lugares onde eram realizadas obras de macumba. Ao descer orando por determinada cachoeira, descobriu lá o nome dele e de sua igreja no meio de uma macumba, inclusive o nome de uma empresária da cidade. Isso foi repetidas vezes transmitido pelo rádio. O incrível é que foi exatamente ele quem achou isso. Veja como foi a “cultura” aplicada: Davi horas antes, tinha ido ao local e deixado lá o nome dele e de sua igreja, num papel amassado e sujo de gordura. Encontrar despacho nesses lugares é a coisa mais fácil que existe. Era só chegar lá com os obreiros e “descobrir” a “perseguição do diabo contra o homem de Deus”. O TEXTO ABAIXO É UM DOS CAPÍTULOS da minuta do LIVRO “MEU EX-PASTOR: ANJO OU DEMONIO?” Pastor Ozéas Rodrigues de Oliveira ozeasdeoliveira@bol.com.br O milagre do Boticário O que se sabe é que Davi é especialista em “criar” milagres. Certa vez juntou-se com outro oportunista, o pastor Júlio Karlos e no decorrer de uma campanha de posperidade, na terceira sexta feira, antes de orar e ungir o povo, revelou que Deus estava marcando algumas pessoas para receberem uma grande benção de prosperidade e que Deus iria dar um sinal para várias pessoas que estavam ali naquela noite. Que todos ficassem atentos no decorrer da semana seguinte. Pregou um sermão forte sobre o segredo de dar para receber e chamou o povo para formar uma fila e receber a unção forte da prosperidade. Ele tinha em sua mão dois recipientes: um com o óleo da unção e outro com um pouco de certo cosmético produzido pelo Boticário. Esse produto, no decorrer do dia apresenta uma coloração pigmentada com brilho dourado. Ao claro do sol brilha feito ouro. Ele escolheu para receber essa “unção milagrosa” exatamente aquelas pessoas que pareciam ter melhor poder aquisitivo, e que poderiam influenciar os demais quando contassem seu testemunho; e para não dar a entender que “deus” tinha escolhido somente pessoas boas de “breu” (“breu” é o nome que ele e os demais profetas da prosperidade usam para referir-se ao dinheiro arrecadado do povo), ungia também umas duas pessoas simples. Pronto. O milagre estava lançado. Era só esperar a sexta feira seguinte para colher os testemunhos. Já estavam preparado doze Envelopes Especiais. A expectativa era se aquelas pessoas que receberam a “unção especial” estariam no culto. Mesmo que não estivessem, Davi teria outra oportunidade de explorar o testemunho em outros cultos, pois quando a pessoa “ungida” aparecesse, contaria o testemunho e manteria vivo o clima de “poder” da unção forte. Finalmente chegou a hora do culto e a maioria das pessoas estava lá, lógico! Davi direcionou a mensagem para finalmente chegar onde pretentendia, ou seja, no momento máximo do culto onde inocentemente perguntaria se alguém tinha algum testemunho para dar. Levantou-se uma irmã e disse que pela manhã, quando estava indo para o trabalho com uma amiga, foi questionada sobre o brilho em sua testa. Ela disse desconhecer esse brilho. A amiga tirou um espelho da bolsa e mostrou para ela o brilho. Ela viu realmente aquele brilho dourado e instantaneamente lembrou-se da unção recebida na igreja. Disse para sua amiga que aquilo era o sinal de “ deus” na vida dela, um sinal de prosperidade. Aproveitou para fazer o convite para que sua amiga fosse participar da campanha do Pastor Davi. Outra irmã contou que pela manhã, quando lavava roupas percebeu um brilho no seu braço, mas não deu muita atenção. Mais tarde, quando estava lavando algumas panelas e as colocou ao sol, percebeu no brilho do alumínio o reflexo dourado em sua testa. Olhou-se no espelho. Vendo o brilho lembrou-se imediatamente da “unção” na noite anterior. E daí por diante, foi colhendo os testemunhos. Teve um policial militar que era obreiro naquela igreja que também recebeu a unção, e disse que quem viu o brilho foi o colega de farda no horário da ronda. CONTINUA.... 14 de setembro de 2005 – 10:20 hs Aconselhamento pastoral e nôjo sexual No inicio do pastorado de Davi numa determinada congregação filiada a Daniel de Oliveira, ele conheceu um casal que passaram a congregar com ele, que futuramente seriam obreiros em sua igreja. Davi, sempre expansivo e agradável, conquistou a simpatia e confiança daquele jovem casal. Ocorre que o casal vivia em crise conjugal e Davi, como confidente, ouvia as lamentações da jovem esposa. Como era de se esperar, Davi foi se deixando tornar mais íntimo daquela senhora e passava horas ouvindo as lamurias. Isso era motivo para visitar com freqüência aquela “ovelha”. Aos poucos surgiu maior liberdade e finalmente houve um envolvimento “emocional”. Davi, por sua vez era também “consolado” pela jovem, afirmando que também não era feliz no casamento, considerando que sua esposa era uma pessoa fechada, nada sociável, que dormia cedo, etc... além do fato de ser muitos anos mais velha que ele. Daí para a intimidade sexual foi um pulo. Na própria casa daquele irmão que tanto confiava no seu pastor, Davi estava “alimentando-se” daquela ovelha. Davi confidenciou a certo irmão que aquela mulher era insaciável, pois tinha preferencias até então praticada por ele. Ele foi se deixando levar nessa aventura por um bom tempo, até que começou a causar alguns problemas. A irmã estava apaixonada por ele, segundo ele mesmo afirmara. O pior nisso era a convivência e intimidade que existia entre ela e a esposa dele. Chegaram a viajar para outro estado e ela foi junto no carro da família dela. O irmão Gelson que trabalhava numa mecânica revisou o carro para emprestar ao pastor para essa viajem. Dá para imaginar o diabo cirandando nessa situação: um pastor viajando com a família para outro estado e levando junto a amante? O que se passava na cabeça dessa mulher que tinha sido recentemente evangelizada, conhecia a Cristo a pouco tempo e já tinha sido conquistada era amante de seu pastor? Mais adiante leia sobre o relacionamento de Davi com garotas adolescentes. Davi estava se cansando daquela aventura que estava ficando cada vez mais séria, não devido a envolvimento emocional da parte dele, mas da parte dela, que estava perdida entre a fé e a emoção. Ela estava em crise. Já tinha pensado em sair da igreja, tendo até mesmo deixado de participar dos cultos por algum tempo, indo somente o esposo e os filhos que tinham. O marido não entendia o desinteresse da esposa em não ir à igreja, somente Heloísa sabia. Davi comentou que ela, quando ficava excitada, era de dar “nojo”, pois tornava-se excessivamente úmida, e isso era novidade para ele, causando-lhe náuseas, pois na intimidade sexual dele com a esposa isso ele nunca vira. Heloísa fazia de tudo para encontrar Davi, nas mais diversas horas do dia. Como a esposa dele trabalhava o dia todo, ele tinha todo o tempo necessário para fazer suas “visitas pastorais”. Ele, finalmente teve que tratar com ela sobre o fim desse caso, que para ele era apenas o principio de suas aventuras sexuais. Houve um dia em que nessas “visitas pastorais” á casa de Heloísa, pouco tempo depois de mais uma sessão de “aconselhamento”, enquanto Heloísa estava no banheiro, e Davi se vestia, Gelson chegou e quase os flagra. Davi afirmara ao seu confidente, sorrindo e demonstrando preocupação, que chegava a imaginar que Gelson desconfiava que alguma coisa estava acontecendo, mas nunca tratou do assunto. E isso o deixava preocupado, pois não sabia se Gelson iria um dia resolver tirar satisfações sobre o assunto, e o caso se tornar publico. O pior é que Gelson demonstrava muita fidelidade, respeito, prontidão em atender Davi, que apesar de preocupado, parecia não demonstrar estar consciente da gravidade espiritual do caso. Davi, inconscientemente, não percebia que o diabo estava alimentando seu ego ...Davi percebeu que a sedução como pastor era fácil, e deixou desenvolver seu lado promiscuo, carnal, hipócrita, etc. E o diabo sempre ao seu redor, deixando-o viver cada nova experiência na esfera sexual paralela. Continuará... 04 outubro de 2005 – 2315 hs Como foi o casamento de Davi Uma vez que Davi tinha se convertido, e já estava batizado, inclusive com o Espírito Santo, o Missionário Jonas J. o nomeou para ser o presidente da mocidade. Davi que era bastante dinâmico, assumiu aquela mocidade, e como era comum, havia sempre encontro de mocidades que se revezavam visitando-se mutuamente. Cada grupo fazia a sua apresentação nesses encontros, e sempre tinha uma equipe que se destacava, tanto pelo número de membros como pela apresentação. Davi passou a desejar ser destaque naqueles encontros. Durante as grandes reuniões de inicio de mês na sede do ministério e as mocidades eram convidadas a fazerem sua apresentação no culto, Davi mantinha a juventude em fila, e entrava à frente do grupo, como se fosse um general, um grande líder conduzindo seus seguidores. Como sempre existiam reuniões de obreiros, Davi com seu carisma, passou a participar como liderança. Era o máximo para ele: estar entre os obreiros nas reuniões de ministério na Sede. A fabrica de tropeços para a o evangelho O que se percebe é que a maioria daqueles que hoje são “pastores” ou líderes de “ministérios” começaram como líderes de juventude, dentre outros cargos eclesiásticos . Aos poucos vão almejando posições mais elevadas. O caso de Davi é uma situação que se repete nas igrejas neo-pentecostais: o sujeito se converte, começa como porteiro, é promovido a auxiliar de pastor, depois diácono, presbítero, evangelista, pastor e finalmente missionário. Isso quando já é pessoa adulta. Quando é um jovem, inicia como presidente de mocidade. O grave nessa situação, é que quando o sujeito vem do mundo, onde foi o que havia de pior, é dado uma grande ênfase ao passado dele. No meio evangélico, quanto pior foi, melhor. É até aceitável, pois quanto maior foi o estado pecaminoso, maior é a demonstração do poder restaurador de Cristo na vida da pessoa. Mas se o caráter do novo cristão não for tratado, aquela capacidade que ele tinha como alguém que fez tudo o que não prestava no mundo, fará quase o mesmo na igreja. Se antes ele era um problemas para a sociedade secular, passa a ser um problema para a comunidade religiosa, quer traspassa os limites da igreja e torna-se conhecido do povo que não pertence ao segmento evangélico, e o escândalo se instala. Quando o trabalho de evangelismo é desenvolvido, ou coletivamente ou individualmente, alguém sempre vai mencionar aquele crente, aquele pastor, aquela irmã que fez algo que o crente não deve fazer. Isso prejudica a evangelização. Ao longo dos anos temos visto grandes escândalos envolvendo grandes nomes no meio evangélico, grandes ministérios envolvidos em casos que tornam-se desgastante para a evangelização. O que se vê hoje é que o diabo está usando a mesma estratégia inteligente utilizado pelos mentores do ataque contra o World Trade Center em Nova york em 1999. O Estados Unidos estavam tranquilos, com seus aviões de guerra protegendo a fronteira aérea, a Marinha protegendo via marítima e o exercito a fronteira terrestre, sem contar Policia Federal controlando a entrada de estrangeiros. Mas como aconteceu a tragédia. O inimigo não precisou enfrentar força aérea, marinha , exercito ou barreiras em portos e aeroporto. O inimigo já estava lá dentro a muito tempo. Entrou legalmente, tinha passaporte, aprendeu aviação, transitava livremente... Não precisou trazer avião algum de seu país de origem. No dia certo, de posse de um bilhete de passagem comprado legalmente, embarcou num avião comercial e sabe-se lá como, dominou as aeronaves e a arremessou contra os alvos. Pronto. Foi a estratégia mais inteligente que poderia ser elaborada: utilizar tudo o que o inimigo tinha disponível. No caso deles foram os aviões que transitavam livremente, fora de qualquer suspeita, dentro os espaço aéreo americano. O diabo hoje está fazendo a mesma coisa. Ele não precisa infiltrar seus mensageiros na igreja. Ele está usando os próprios mensageiros que estão na igreja. E na maioria das vezes são os próprios líderes, inclusive certos “pastoretas” (um misto de pastor com picaretas). Esses sujeitos se tiverem vindos do mundão, eram pessoas que apresentavam um comportamento inaceitável para a sociedade ordeira, ou seja, eram criminosos com tendência ao roubo, furto, estelionato, desordeiro, vândalo, desestabilizadores de lares, estupradores, mulherengos, líderes de quadrilhas, dentre outros. Quando os tais descobrem que conseguem a atenção, respeito e admiração do povo que maravilha-se com a história que eles contam sobre o seu passado e principalmente sobre a nova vida que estão experimentando, vêm surgir uma nova porta para volta à velha conduta desonesta que vivia anteriormente no mundo ímpio, só que dessa vez o ambiente será outro: agora será na igreja, e no mundo, pois ainda existe o conceito de que crente é honesto. O sujeito que agora fala língua estranha, encanta mais ainda aqueles que acham que se o pregador é do tipo que grita mais do que prega, fala língua estranha mais do que prega, dá “glória a Deus”, “aleluia” e “louvado seja o Senhor” a cada três palavras gritadas, afirmando que Deus o está usando para entregar visões, revelações e profecias ao povo, e ainda sapateia e canta aqueles hinos “de fogo”, ai pronto. O circo que o diabo precisa está montado. Falta muita maturidade na igreja atual. Graças à Deus ocorrem bem menos nas igrejas tradicionais tipo Presbiterianas, Batistas e outras históricas. A desgraceira maior está nas diversas sub-sub-sub-sub divisões da histórica Assembléia de Deus. Quando não vira outra Assembléia, recebe outro nome, e sempre com caráter pentecostal mais poderoso que a igreja mãe de onde saiu. O sujeito basta falar língua estranha, saber ler um pouco, e ter uma gravata para se achar capacitado para dirigir uma congregação e tornar-se um fundador de ministério se o pastor não aceitar suas “visões” dadas por ‘deus”. Ele se rebela e assim surge mais um “ Ministério Internacional Fundo de Quintal”. O sujeito aluga uma sala de um fundo de quintal, e já coloca uma placa com os dizeres “ Sede do Ministério Fundo de Quintal – Presidente Fundador Missionário Zé Mané.” A esposa do tal passa a ser a presidente do departamento de senhoras, e a dita cuja geralmente é a profeta da casa, e o nome dessas profetizas é sempre no diminutivo: Nenzinha, Zefinha, Mariazinha, etc. Já perceberam que nome de profetiza é sempre assim? Sempre termina com “inha”. E o filho se torna presidente de jovens. Depois se desvia. E vira o que o pai foi antes de se converter: drogado, traficante, anda em más companhias. A filha geralmente simpatiza-se por uma rapaz recém-convertido do mundo do crime, e algum tempo depois aparece grávida, isso quando não se desvia antes da gravidez. O sujeito agora é dono de seu próprio ministério, não está sujeito a nenhuma instancia superior... é o todo poderoso. Passa a ensinar baboseiras espirituais, e em curto espaço de tempo “unge” seus obreiros que serão tão desajustados e despreparados quanto ele é, tanto espiritual, teológico, familiar e eticamente. A principio até que alguns trabalhos crescem, pois o atrativo é o misticismo. Geralmente onde tem “profetadas” o povo ali está. 07 outubro 05 – 23:45 diário tirei parte do dia para verificar o andamento de alguns processos: Passei pela 14ª DP e fui informado que o processo do suposto arrombamento da suposta igreja, foi encaminhado dia cinco para a Corregedoria da Civil, no SIA e depois será encaminhado para o fórum. O processo já tem número. Ainda bem que (ainda) não foi arquivado sem julgamento. No final da tarde, às 18 hs, fui ao fórum, e li o processo do DPC, onde o ilibado representou contra mim, por ter divulgado o DPC dele. O Ministério Público recomendou o arquivamento e o juiz acatou. Arquivado. Caso encerrado. EBENEZER! Houve uma intimação para eu comparecer em audiência , mas a intimação foi recebida por uma vizinha, que não me entregou. Consta que houve a audiência dia 3 novembro 2003, às 16:30 hs. Consultando a agenda da referida data, eu estava participando por três dias de um evento no Hotel Nacional. O juiz solicitou ao CDL que prestasse informações sobre os registros cadastrais do tal. Foi encaminhado a ficha dele, constando dívidas que eu acusei. O mala ao depor, informou que o DPC tinha descadastrado o comerciante que consultou os dados dele, que só informaria os dados do tal mediante ordem judicial. Mentira. O juiz solicitou que fosse informado também quem acessou os dados, mas isso não foi informado. 09 de outubro de 2005 – 10:35 Hoje acordei inspirado para escrever sobre o tema Igreja ou Sinagoga de Satanás? Anteriormente escrevi sobre a estratégia do diabo em não ter necessidade de utilizar seus agentes próprios, ou seja, pessoas de fora da igreja para prejudicar o andamento da obra de Deus, pois ele muitas vezes tem-se utilizado de certos ministros que estão supostamente à serviço de Deus. Jesus Disse que se o pastor for ferido, as ovelhas se dispersam. É bem sabido que o diabo tem por objetivo destruir a humanidade levando o máximo possível de pessoas ao inferno, e ele vai utilizar-se de todas as estratégias possíveis. Quanto mas eficiente for o método utilizado, maior será o prejuízo. Osama Bin Laden utilizou-se de um método eficiente: procurou atingir um lugar estratégico, de forma que o que ali acontecesse seria amplamente divulgado. O local escolhido estava no centro das atenções do país de influencia mundial, e um local de grande concentração de pessoas; o que ali acontecesse seria fato divulgado em todos os cantos do mundo, principalmente pela dimensão do fato. Pessoas sempre são o centro das atenções: se elas forem valorizadas, beneficiadas, maltratadas, desprezadas, vilipendiadas, ignoradas, discriminadas, valorizadas, transformadas, deformadas, ou sofrerem qualquer tipo de tratamento, principalmente de forma coletiva, certamente vão receber especial atenção e isso torna-se noticias, às vezes em nível global, assim como as grandes tragédias e calamidades públicas. O fato se torna notório. O diabo é um ser que gosta de notoriedade. Ele desejou ser o centro das atenções quando via o Senhor receber adoração e desejou o mesmo para si. E se for possível, ele vai fazer o possível para desmerecer quem merece crédito e honra, colocando em dúvida o caráter daquele a quem deseja superar e ocupar o lugar. Ele fez isso com Eva, quando afirmou que o que Deus pretendia era manter sua posição e não permitir que ela e Adão fossem iguais a Ele. O que se viu na história da humanidade foi pessoas que se dispuseram a dar tudo o que pudesse para ser o centro das atenções. E para ser o centro das atenções, é necessário ter para quem aparecer, ou seja, atrair para si a atenção de pessoas, quanto mais melhor. Adianta alguma coisa ser importante e não ser do conhecimento público, não ser notícia na boca do povo? O Diabo ao rebelar-se contra Deus, necessitava de alguém que o reconhecesse, que o adorasse, que o visse como alguém especial. Ele tinha um vantagem, afinal ele tinha estado com o Grande Deus, conhecia o Deus Todo Poderoso, aprendera sobre Ele. Isso o fazia especial. Ele tinha sido “assessor do homem”. O principal era o fato para tornar-se um líder merecedor de crédito era o fato de ter desafiado o Criador do universo. Como dizem na linguagem atual, Lúcifer era o cara! Como não era possível os dois grandes líderes do universo ocuparem o mesmo espaço, o diabo foi expulso. Além do grupo de seguidores que trouxe consigo, procurou atrair para si parte da criação de Deus, a humanidade, e Eva foi a primeira a se deixar seduzir por seus argumentos. A humanidade tem atração por Deus. È natural, pois temos origem em Deus. O diabo se mostrou conhecedor do tema religioso, mostrando à ela que sabia sobre Deus, e que era bem entendido do assunto. Não satisfeito como fato de o Deus todo poderoso dar especial atenção a gentinha que Ele tinha criado, e considerado algo tão valioso ao ponto de entregar à morte Seu único filho, o diabo prosseguiu em seu propósito de arregimentar o maior número possível de seguidores, ainda que inconcientes, mas seguidores, pois quem não faz a vontade de Deus automaticamente está fazendo a vontade do opositor. E era isso que a ele interessava. Se pudesse ao menos impedir que as pessoas não obedecessem ou cressem em Deus, seu objetivo estava alcançado. Às vezes a dúvida é o suficiente para acabar com a reputação e a credibilidade que alguém tenha em outro. Se o diabo conseguisse colocar dúvida no coração do povo com relação à divindade e o amor de Deus, isso já era mais de noventa e cinco por cento do caminho andado para destruir esse povo, e atacar ao Senhor de forma grave. Parto do princípio de que atingir uma pessoa é uma coisa, mas atingir o filho dessa pessoa é extremamente grave. Dói mais, irrita mais, ofende mais, agride mais do que um ataque frontal à própria pessoa. E essa tem sido a estratégia do diabo. Para agredir a Deus, ele tem atacado a criatura, e principalmente a igreja, através de seus próprios ministros. A igreja hoje não escapa dessa estratégia do diabo. A igreja é a luz do mundo. Que ela tem um papel importante na sociedade, isso é notório pois objetivo dela é recuperar o indivíduo na esfera social, moral e religiosa. Isso a torna alvo das atenções. Quando a igreja se apresenta como aquela que é a representação de Deus no meio dos homens, isso a faz alvo das atenções, afinal ela se apresenta como a solução única da humanidade, pois diz-se verdadeira, a detentora da autoridade divina e imaculada. Seus ministros passam a merecer especial atenção por apresentarem-se como representantes do Divino. Onde quer que entrem são vistos como embaixadores e representantes de Deus. O diabo está alerta. Ele fica procurando uma forma de alcança seus objetivos. Ele iniciou tentando com Eva. Como ela deu atenção, isso afetou o relacionamento dela com o marido, e a seguir conflitar aquela família com Deus, e a sociedade daí por diante tornou-se um caos e a humanidade jaz no maligno . E o diabo está batendo palmas para si próprio, achando-se o máximo. Conseguiu através da família desestruturar a sociedade. Agrediu o criador através de sua cria. Tudo o que Osama Bin Laden precisou para atingir os Estados Unidos era de propriedade dos Estados Unidos. Ele tinha obreiros militantes que estavam prontos à morrer pela causa. O diabo tem usado demônios para influenciar o que Deus tem disponibilizado na igreja para fazer a sua obra. Os aviões utilizados eram americanos. Só precisou dominar o piloto e a tripulação. O avião era algo considerado seguro, onde as pessoas podiam confiar suas vidas na certeza de que chegariam ao destino, mas o que era seguro virou uma bomba quando passou a ser controlada por alguém, que, além de destruir as vidas que estavam em seu interior, destruiu milhares de outras que foram atingidas. A forma de destruição foi o avião. O mesmo acontece hoje na igreja. Pessoas que representam Deus estão no comando da igreja, onde pessoas confiam suas vidas, na esperança de chegarem ao Céu, onde Deus está. Mas essa igreja é alvo de um terrorista espiritual invisível. O Bin Laden não estava naquele avião, mas seus seguidores estavam dominando a situação mantendo o piloto sob controle. O diabo hoje tem seqüestrado a igreja, primeiramente dominando o pastor, que exerce influencia e domínio sobre a tripulação de obreiros, que por usa vez controla os membros, levando alguns à morte espiritual, tornando público que ela não é confiável em seus propósitos. Assim como muitos deixaram de viajar depois daquela tragédia, muitos deixa de freqüentar ou acreditar na eficácia da igreja após cada escândalo, sem contar que em função dos transtornos causados a alguns membros de igreja, famílias ficam de luto (revoltadas , aborrecidas, consternadas) com o que aconteceu àquela pessoa naquela igreja. A credibilidade da igreja está prejudicada. Quando alguém compra uma passagem aérea, demonstra que crê na segurança oferecida pela empresa; quando uma pessoa passa a freqüentar uma igreja, está demonstrando sua confiança naquela instituição para cuidar de sua alma. Jamais alguém embarcaria num avião sabendo que ele vai ser seqüestrado e dominado por terroristas, ou que alguém da tripulação seja terrorista, muito menos que o piloto seja o terrorista; o mesmo ocorre com a igreja. Quando alguém ingressa numa igreja não passa pela mente dela que naquela igreja haja falta de segurança , ou que ela esteja sendo conduzida por pessoas que estão sob o domínio de terroristas espirituais que irão destruir suas vidas levando desespero para suas famílias e para a população. Quais são as formas utilizadas pelo diabo para seduzir os novos terroristas espirituais que conduzem bombas espirituais? Assim como Satanás fez propostas para Jesus no deserto, o mesmo ele tem feito para muitos representantes de Deus ao longo da historia da igreja. A princípio tentou fazer Jesus conscientizar-se de que ele (Jesus) tinha poder, sugerindo que transformasse pedras em pão. Atitude estratégica. A proposta era demonstrar a capacidade de suprir suas necessidades utilizando o poder que possuía. Jesus tinha saído de um período de consagração e estava fortalecido espiritualmente a ponto de poder realizar milagres. Alguns elementos hoje descobriram que o tempo de convivência com Deus é suficiente para que realizem certas obras até mesmo miraculosas, e assim passam a tirar proveito pessoal disso. Utilizam-se inicialmente do “poder” para sobreviver. Passam a pensar primeiramente em si próprios. A segunda proposta do diabo para Jesus era que ele se lançasse precipício abaixo, alegando que ele estaria sob a proteção de Deus. Hoje essa proposta é aceita, usada e abusada por muitos “ministros”. Ele entendem que são intocáveis e que pelo fato de serem ministros de Deus estão sob a total proteção Dele. Fazem o que bem entendem, com quem bem entendem, gerenciam a igreja como querem, e “ai daquele que tocar no ungido do Senhor”!!!! Depois que Davi deu sua opinião pessoal afirmando “ai daquele que tocar no ungido do Senhor” essa passou a ser o a munição mais utilizada por esses terroristas espirituais contra quem quer que conteste o comportamento desses aventureiros religiosos. Os tais esquecem-se que Jesus definiu essa atitude como tentar ao Senhor. Não sei se de forma consciente ou inconsciente, mas esses pseudoministros estão fazendo exatamente isso que Jesus evitou: tentar à Deus e vivem enganando-se a si próprios. Consideram-se superiores aos demais pecadores na igreja, afinal já são “anjos” da igreja. Lembro-me de ter lido um depoimento do David Wilkerson. Ele foi grandemente conhecido no meio evangélico devido ao ministério entre os viciados em drogas. Isso o tornou ‘famoso”. Dava conferencias e testemunhos sobre o sucesso de seu ministério. Com isso a soberba subiu-lhe à cabeça e perdeu a simplicidade que possuía quando era um simples pregador desconhecido de uma igrejinha. Era necessário marcar horário para falar com ele, devido ao seu sucesso. Um dia apareceu-lhe um Zé ninguém e disse-lhe que ele deveria voltar à simplicidade. Aquele homem falou isso e sumiu, sem esperar comentário algum. Aquelas palavras à princípio foram recebidas como uma ofensa, afinal quem era aquele que Zé ninguém que se atrevera a exortar o poderoso David Wilkerson? Aquelas palavras ficaram martelando na memória dele. Até que ele resolveu dar atenção e reavaliar sua vida. Cancelou todos os seus compromissos, e voltou à velha igrejinha onde tudo começou. Em Apocalipse foi recomendado a anjo de determinada igreja : “ lembra-te de onde caístes”. Acho que é melhor ver todo o texto. Apocalipse 2. 1. “Ao anjo da igreja em Éfeso escreve:... Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua perseverança; sei que não podes suportar os maus, e que puseste à prova os que se dizem apóstolos e não o são, e os achaste mentirosos; 3 e tens perseverança e por amor do meu nome sofreste, e não desfaleceste. 4 Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. 5 Lembra-te, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres. O que dizer desse texto? Inicialmente vamos analisar cada uma das frase grifadas. a) Conheço as tuas obras – a palavra de exortação foi para o “anjo”, demonstrando o fato de que Deus está analisando a vidinha desses que se consideram super-crentes “intocáveis” . b) .. e o teu trabalho, e a tua perseverança; sei que não podes suportar os maus, e que puseste à prova os que se dizem apóstolos e não o são, e os achaste mentirosos. Deus está observando e considerando o fato de o tal ser trabalhador, ser perseverante, não suportar determinados pecados em certas pessoas, principalmente em outros que se apresentam como apóstolos (ultimamente tem surgido alguns que se auto intitulam “apóstolos”, que vivem vida regalada e esplendida às custas da fé alheia) e a concorrência é tão grande entre eles que alguns conseguem até mesmo desmascarar os outros; isso comprova a capacidade e poder de ação deles, demonstrando o conhecimento bíblico que possuem para discernir os maus entre os maus. c) ... e tens perseverança e por amor do meu nome sofreste, e não desfaleceste – os sujeitos são tão corruptos e seguros da impunidade no meio evangélico que são perseverantes neste caminho religioso. Até pregam o evangelho verdadeiro, mas é na prática que apresentam os desvios. Até sofrem com os que sofrem por amor de verdade quando o evangelho é confrontado, mas não desfalecem na prática da perversidade. d) Tenho, porém, contra ti – mais uma vez vemos o tratamento individual de Deus. Ninguém escapa. Todos são iguais quanto à atenção de Deus. e) ... que deixaste o teu primeiro amor – O próprio Senhor demonstrou indignação com o fato do “anjo” que estava naquela igreja não possuir mais o primeiro amor e ainda assim continuar exercendo o ministério . HIPÓCRITAS!!! f) Lembra-te, donde caíste – Essa é uma situação grave que a igreja enfrenta. Existem muitos que já caíram da graça e continuam exercendo o ministério! São lâmpadas queimadas que não possuem mais luz, e para piorar ainda dificultam a vida daqueles que estão lutando para ao menos permanecer na luz. g) arrepende-te, e pratica as primeiras obras - Ministros arrependerem-se?! Isso é piada atualmente. Voltar às primeiras obras?! Nem pensar. Voltar a exercer o ministério com a simplicidade de antes, submisso a uma convenção e a um pastor-presidente?! Agora que o sujeito fundou sua própria igreja, tem seu próprio ministério independente, e o comanda como quer sem ter que dar satisfação alguma à quem quer que seja, podendo promover ou excluir quem que se seja? Isso não existe! h) ... e se não, brevemente virei a ti – O alerta está feito. Se o “anjinho” ungido não se arrepender, fica a promessa de que brevemente (lógico que no tempo do Senhor) ele receberá uma visita pessoal. O texto é claro em afirmar que brevemente virei a ti. Não virá para toda a igreja. É só para eles. i) ... e removerei do seu lugar o teu candeeiro – Pronto! Tudo indica que o sujeito vai perder os privilégios. E quem vai tirar é o próprio Deus, já que os tais não se sujeitam à igreja. j) ... se não te arrependeres. Mais uma vez a justificativa é a FALTA DE ARREPENDIMENTO, o que os tais requerem do povo que os sustentam. Falta aos tais a pratica da recomendação de que, quem quiser ser servo, que sirva. Os tais só servem para se servirem do que o povo tem. Com relação ao item f, muitos já receberam essa visita prometida pelo Senhor. Tivemos o caso Jimmy Swaggart. Era poderoso, liderando um ministério internacional, que insistia em atacar determinados pecados. Quem o ouvia tinha mesmo convicção de estar diante de um sério pregador. A surpresa foi grande quando o tal foi flagrado praticando o que condenava insistentemente. Publicara obras literárias ensinando sobre fé, vida cristã, santidade, com ter o nome escrito na glória. No Brasil o mesmo aconteceu com outro grande teólogo e pregador eloqüente; escreveu diversos livros, fundou uma fabrica de esperança, juntou-se com uma emissora de TV para falar contra a Universal e foi desmascarado por envolvimento sexual ilícito; e a emissora a quem se aliou foi quem mais deu destaque ao fato. Mais uma vítima da bem esplanada Síndrome de Lúcifer. Outro auto-intitulado “apostolo” foi capa de revista e matérias bem exploradas. Foi divulgado a “simplicidade” do estilo de vida desse “servos”. O interessante é que os tais pregam uma coisa que não vivem. Pregam que o cristão deve ter uma vida próspera e que isso é possível; só que não é qualquer um que pode ter a cada dia um número maior de pessoas fazendo pequenos depósitos financeiros em suas contas; os depósitos serão administrados pelo “próspero anjo”, sem sequer prestar relatório aos sustentadores, como forma de transparência no uso do que é dado em nome do Senhor. Com esse dinheiro novas filiais são abertas, o que resulta em novos colaboradores contribuindo, e o império dos tais vai sendo estabelecido. Com esse dinheiro são financiadas campanhas políticas e o circo que o diabo deseja estabelecer vai sendo montado. Vamos analisar outro texto que esses “ungidos” conhecem muito bem, mas fazem questão de invocar a impunidade que acham possuir. Apocalipse 3.1-3. Ao anjo da igreja... escreve: .... conheço as tuas obras, .... tens nome de que vives, ... mas estás morto, ... sê vigilante, .... não tenho achado as tuas obras perfeitas; lembra-te do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, ... e arrepende-te. Porque se não vigiares, virei como um ladrão e não saberás a que hora sobre ti virei. E existem algumas pessoas nessa igreja que não contaminaram suas vestes e comigo andarão vestidas de branco, porque são dignas. Essa palavra é muito forte! . a) Ao anjo da igreja. Foi envida uma palavra específica para o anjo, e não para a igreja. Isso reforça o item “a” da análise anterior. O que fazer com os “anjos ungidos” que pregam a palavra que Deus revelou para o povo, enfatizando a necessidade do povo colocar a “vida no altar”, mas se eles próprios não fazem o mesmo? A palavra pregada não os alcança. b) conheço as tuas obras – a seqüência é a mesma, conforme o item “ b “ analisado anteriormente. Até parece que os pastores das igrejas em Sardes e Éfeso tinham o mesmo desvio de conduta. De quem será que eles foram discípulos? De Paulo certamente não foi, pois Paulo fazia tendas para se sustentar. O que menos se vê hoje é pastor trabalhando secularmente para não tornar-se pesado para a igreja. Se bem que muitos, em nome da igreja se envolvem com a política, tornam-se assessores, recebem para trabalhar para parlamentares, e ainda recebem salário integral da igreja, como se fossem pastores de tempo integral. Passam a envolverem-se mais com a politicagem secular que com o reino de Deus. Para falar com um desses é mais difícil que qualquer coisa. Mas caso se apresente como representante de determinado ocupante de cargo público, e informando um telefone que não seja o já conhecido, pode ter certeza que vai ter retorno garantido. Isso aconteceu comigo. Precisei falar com o presidente do conselho de pastores de minha cidade, e não consegui. Deixei recados, vários números telefônicos onde poderia ser encontrado, escrevi um texto manifestando necessidade de falar com ele. Cheguei a ir à residência do tal, mas ainda assim “ele não estava”. Até hoje não tive retorno. Como fui comissionado pelo diretor de determinado órgão publico para tratar de assunto que envolvia o segmento evangélico e que teria a necessidade de tratar com o tal, deixei telefonei para o tal no “gabinete pastoral-parlamentar” identificando-me com assessor daquele diretor; dei outro nome e informei o telefone de minha esposa, pois o meu ele já devia ter decorado. Não passou duas horas e ele me ligou. É lógico que reconheceu minha voz, mas tratamos do assunto que precisava. Eu não me identifiquei como sendo eu, e ele fez de conta que não sabia quem era eu. É assim que as coisas funcionam com certos “anjos” que aceita a proposta 2 do diabo: a glória desse mundo. c) .... tens nome de que vives - Isso é outra colocação interessante. Tem “anjo” que demonstra que vive, mas está morto a muito tempo. Tem gente que parece crente, fala como crente, prega como crente, ora igual crente, se veste igual crente, e até se comporta como crente, mas já não é mais crente. Eu soube de um caso de uma pessoa que teve que cumprir o estatuto da igreja que ele pensava que era uma igreja. Ajudou a fundar aquilo que nasceu como igreja mas tornou-se sinagoga de satanás. O regimento interno afirmava e garantia o direito de denunciar qualquer irregularidade que comprometesse o bom nome do evangelho ou do ministério. Aquele que era o pastor resolveu manter seu comportamento cada dia mais reprovável. Primeiro foi chamado em particular, exortado a mudar de atitude pois uma pessoa como ele não necessitava agir de forma indevida para levar a vida confortável que desejava; como não houve mudança, o assunto foi ao conhecimento da diretoria, e como nenhuma providencia foi tomada, o assunto foi levado ao conhecimento da igreja. Como o tal era “o dono da igreja” tomou as providencias dele, convocou uma suposta assembléia, onde excluiu aquele que cumpriu o estatuto e os termos de Mateus 18, fazendo o povo ver o denunciante como o errado na questão. Mas com isso muita gente que já conhecia a idoneidade do tal “ungido do senhor”, saiu daquela que já era sinagoga de satanás. O comportamento dele só confirmou o que muitos sabiam. Era o que necessitavam para procurar uma igreja séria. O povo que participou dessa suposta assembléia assinou um caderno de freqüência sem saber que aquela lista de presença seria utilizada para embasar a ata da suposta exclusão de quem ele que pretendia excluir. Numa das correspondências que circulou entre o povo, o denunciante fez um comentário sobre pessoas que pregam o evangelho mas nunca chegarão ao céu. Fez uma ilustração interessante, comparando o líder daquela suposta igreja com a jumenta de Balaão. De acordo com ele Deus usou aquela jumenta para falar com o profeta, mas aquela jumenta não iria para o céu. Mencionou ainda o urubu que levou pão e carne para Elias, e também o jumentinho em que Jesus viajou. Todos esses meios foram utilizados por Deus, mas nenhum deles iriam para o céu. Achamos interessante ouvir o papagaio falar. E se esse papagaio pregasse? Seria fantástico! O papagaio fala, é capaz de citar algum texto bíblico mas nunca terá direito ao céu. O texto contestando aquele líder religioso fez a caricatura da jumenta da Balaão como pregadora. Simulou a possibilidade da jumenta se achar no direito de continuar pregando, afinal Deus a usara uma vez. Ainda sobre a comparação com o líder daquela seita, que às vezes usava uma indumentária semelhante à do padre Marcelo Rossi, disse que o espetáculo seria da seguinte forma: a jumenta estaria no púlpito, vestida com roupas do padre Marcelo Rossi, falando no microfone, orando pelos infermos e ungindo o povo com azeite e pedindo oferta especial mediante a distribuição de envelopes. Deus tinha usado a jumenta uma vez, mas ela se empolgou e achou que podia continuar fazendo como bem entendesse. O jumentinho que transportou Jesus passou a exigir respeito dentre os demais animais, afinal Jesus o escolhera para servi-Lo. Isso o tornava especial. Lamentavelmente isso tem acontecido com alguns “ministros” que já foram usado por Deus,; o Senhor até que até gostaria de continuar usando-os permanentemente, mas eles já não estão mais disponíveis como Deus deseja. Continuam pregando a palavra de Deus, orando em nome de Deus, dirigindo igrejas em nome de Deus, mas só tem nome de quem está vivo, pois para Deus já morreram em Seu Divino propósito. Continuam fazendo a obra de Deus, mas qualquer um pode fazer, afinal Jesus respondeu aos discípulos que quem não era contra Ele, era por Ele. Hoje existem muitos jumento, urubus e papagaios, que fazem a obra de Deus, mas nada tem mais a ver com o Deus puro e soberano. Fazem o que fazem porque sabem fazer. Aprenderam a pregar, a orar, a dirigir igrejas, a arrecadar dízimos e ofertas especiais, etc, mas pastoreiam para si próprios, e como disse Jesus, não passam de sepulcros caiados, lobos vestidos de ovelhas. d) ...mas estás morto - Estão mortos. De vivos só têm o nome. e) ... sê vigilante - A vigilância dos tais é ineficiente, pois mais cedo ou mais tarde tropeçam onde pensavam ter segurança. Mas a natureza humana é falha. Quem tem tendência a ser corrupto mais cedo ou mais tarde o será, só vai depender da oportunidade. Retornar é difícil. f) .... não tenho achado as tuas obras perfeitas – esse texto já foi comentado acima. Os “anjos” dessas duas igrejas pareciam ser parceiros, pois tinham quase os mesmos desvios de conduta. g) lembra-te do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, ... e arrepende-te – Esses “anjos” quando chegam à determinada fase ministerial esquecem-se de onde vieram. Davi esqueceu-se de onde Deus o tirou, dentre quantos foi escolhido e onde foi colocado. Esquecem a preciosidade do que receberam de Deus, a excelência do ministério. Esquecem-se do que tem ouvido tanto da palavra de Deus sobre os escândalos que é necessário acontecer quanto dos colegas de ministério que caíram em desgraça por não serem vigilantes. A prudência não é praticada, mas é guardada não se sabe onde. Falta o arrependimento. Ô coisa difícil é a evidencia desse arrependimento na vida de um desses supostos anjos. Só se lembram da importância dessa prática espiritual quando é para exigir do povo. h) Porque se não vigiares, virei como um ladrão e não saberás a que hora sobre ti virei – Esse comentário já vimos acima, mas vale lembrar que é uma vinda pessoal, somente para os tais, caso não se arrependerem. i) E existem algumas pessoas nessa igreja que não contaminaram suas vestes e comigo andarão vestidas de branco – O que mais irritará esses “anjos” é quando um simples irmãozinho ou irmãzinha chega para ele e diz que tem algo errado na igreja e que ele precisa tomar alguma providencia, principalmente quando tem coragem de dizer que ele não está agindo de forma condizente com o requerido para um ministro do evangelho. Aí a casa cai! O púlpito passa a ser usado para acusar, para afirmar que tem gente com espirito de rebelião na igreja, que tem crente querendo dividir a igreja. Eu conheço um elemento que quando chega em sua seita (ex-igreja) uma pessoa que parece ter situação financeira favorável, ele faz essa pessoa sentir-se importante e o centro das atenções. Aos poucos conquista a confiança dela e quando entende que a pessoa está no ponto, aí dá o bote. Para fazer a pessoa sentir-se útil à causa de Deus, chama essa pessoa, e em caráter confidencial, diz que a igreja está passando por uma dificuldade e que necessita adquirir isso ou aquilo, mas não está podendo. O sujeito tem quase todas as características de um bom estelionatário, pois é muito bom para argumentar, é do tipo chamado de “bom de papo”. A pessoa fica sensibilizada e se disponibiliza para fazer o que for necessário para ajudar a “obra de deus” (é deus minúsculo mesmo). O sujeito promete que em determinada data a igreja vai poder cumprir o compromisso com aquela pessoa bem intencionada, caso ela se disponha a ajudar a igreja vencer essa dificuldade. Houve caso em que o tal, tencionando concorrer às eleições em sua cidade, convenceu uma irmã a financiar uma komb. Comprou também equipamento de som para “divulgar as atividades da igreja” nas ruas. Imprimiu milhares de adesivos com o seu nome e o nome da igreja e distribuiu fartamente. Na komb escreveu um letreiro com o nome de sua seita, o seu nome e um slogan afirmando que era hora de mudar, tendo inclusive plagiado a logomarca de uma empresa telefônica local. A irmã que financiou o veículo o fez contra a vontade do marido. O marido dela é um servidor público que lida com gente da mais baixa estirpe e sabe muito bem conhecer um oportunista, e recomendou à ela que não entrasse naquele enrascada. Mas ela ignorou e deu-se mal. O sujeito foi desmascarado pela família dele quanto à sua idoneidade pessoal, e como a família afirmou publicamente que não o apoiaria, isso foi suficiente para ele sentir-se enfraquecido na pretensão de concorrer ao pleito político, e para complicar mais ainda, houve a enxurrada de denuncias contra ele quanto à irregularidades administrativas e pessoais à frente da igreja. Por fim , ele desistiu da política e deu a komb para pagar uma obra que decidiu realizar na igreja. As prestações continuaram a chegar e aquela irmão bem intencionada foi induzida a sair da igreja para não “bater com a língua nos dentes” ao povo com relação ao problema do veiculo financiado em favor “da obra de deus”. A komb estava com várias multas que foram todas parar no nome dela. O tal quando percebe que determinada pessoa já não serve mais aos seus propósitos, dá um jeito de fazer essa pessoa sentir-se fora de ambiente, sentir-se destratada, e então começa a falar publicamente sobre certas pessoas que são um tropeço para a obra de Deus, mas que Deus vai tirar tais pessoas da igreja, estimulando o povo à ficar alerta para ver quem estará fora da igreja a partir dali. Quando a pessoa não agüenta mais tanta pressão e hipocrisia e vai embora, na primeira oportunidade que tem ele consulta publicamente se a igreja está sentindo falta de alguém. Com isso ele demonstra ao povo que Deus lhe revelado sobre os tropeços que Ele vai tirar da igreja. Isso faz o povo menos esclarecido imaginar que o tal é realmente uma pessoa que tem “intima comunhão com o Senhor”. Retornando ao texto anterior, o Senhor se indigna com esses pseudo-anjos, principalmente porque os tais dificultam a comunhão dessas “pessoas que não contaminaram suas vestes”. Por outro lado, existem aqueles que são vítimas desses oportunista, mas continuam apoiando a permanência dos tais na Obra do Senhor. Alguns porque gostam dos tais porque pregam bem, são carismáticos, erram muito, mas possuem outras qualidades. Outros esperam Deus agir. Outros não querem se levantar contra o “ungido do senhor”. Alguns ficam porque não querem perder a posição na igreja, ou sejam, são do louvor, são obreiros, etc, pois se forem para outra igreja poderão não receber o mesmo cargo.... Enfim, aprenderam bem. São micro-parasitas. j) ... e comigo andarão vestidos de branco – Uma das coisas que também irritam esses “anjinhos” é o testemunho de Jesus a favor desses que não fazem parte dessas “gangs espirituais” e que mantêm suas vestes brancas, sendo habilitados a andar com Jesus. k) porque são dignas. Isso é mais irritante ainda. Eram pessoas consideradas dignas pelo Senhor, a despeito dos tais. 1855 hs 22hs O que pode-se dizer de uma instituição que começou como igreja e agora passa a ser conduzida por esse tipo de ”ministro” ? No meu conceito está pior que uma sinagoga de satanás! O diabo tem ou não cirandado com esses outros “anjos” caídos? O Bin Laden tem um propósito que não justifica tantas mortes físicas, mas o que justifica tantas mortes espirituais que essas supostas igrejas lideradas por ministros que não são contra Jesus mas que o resultado do que fazem é mais desastroso que positivo para o Reino de Deus? Quantas pessoas estão fora da igreja devido ao mau testemunho e mau comportamento desses “anjos”? Quantas pessoas não querem saber de igreja devido aos escândalos causados pela má administração que geram crentes deficientes. 12:45 hs reiniciado em . 13: 35 hs A Constituição Brasileira declara não poder interferir com a prática religiosa, mas não age dessa forma. 13 de outubro –23:39hs Davi e a revista Playboy Um dos programas de televisão favoritos de Davi era o seriado Sai de Baixo, cujo astro principal era protagonizado por Miguel Falabella, que fazia o personagem do Caco, a Marisa Orth, que encenava a Magda, e Araci Balabanian. O Caco era o personagem preferido de Davi, pois era com quem ele se identificava. Era o sujeito que não queria saber de trabalhar, vivia inventando um jeito de ganhar a vida de forma fácil, e sempre dando tombo nos outros; era o tipo do sujeito “ixperto”. Era metido a galã, gostava de estar sempre vestido com boas roupas, era entendido de tudo, inclusive conhecedor e bom em desprezar os pobres. A frase que o marcava era: “ Eu tenho horrrroooorrrrr a pobre!”, apesar de viver de aparência. Humilhava a coitada da “doméstica” que trabalhava para eles, principalmente porque ela morava num “puxadin”. “Puxadin” é coisa de pobre! Vivia correndo de cobradores, pois sempre estava inventando uma coisa nova para arrancar dinheiro do povo que tanto desprezava. Mas a inveja maior de Davi com relação ao Caco era a mulher dele. Achava a Magda o máximo! A personagem apresentava-se como uma mulher sedutora, usando roupa curtíssima, expondo suas pernas compridas e bem torneadas. A personagem demonstrava falta de inteligência, mas a sedução dela supria essa falha. Não se sabe se ele era assíduo em assistir o programa devido a diversão, se pela identificação com o personagem Caco, ou pelas sedutoras pernas da Magda. Uma característica inegável Davi possui: a perseverança. Ele é o tipo da pessoa que faz de tudo para conseguir o que deseja. Não importa a que preço, mas ele consegue o que quer. O Caco tinha uma Magda, coisa que ele não possuia. Mas isso não era problema. Diante do sucesso daquela sedutora mulher, a revista Playboy publicou uma edição com as fotos da Magda. Foi um sucesso de venda. E advinha quem imediatamente comprou um exemplar? Isso mesmo! Essa revista esteve no porta-luvas de seu carro por muito tempo. E ele não se preocupava em manter o fato em sigilo. Era escancarado para algumas pessoas. Quando entendeu que não deveria manter a posse daquela revista resolveu se desfazer dela. De que forma fez isso? Jogando fora, rasgando, queimando ou coisa desse tipo? Não! Ele deu para um adolescente filho de uma senhora que durante muito tempo trabalhou com ele na direção da igreja, e cuja maior tarefa dela foi negociar as dívidas que ele contraíra ao longo dos anos que antecederam a chegada dela na sua igreja. Os filhos dessa senhora, que durante um bom tempo ocupou o segundo cargo nessa igreja, deixaram de acompanhar a mãe ao perceberem que Davi era o tipo de pessoa que servia como companhia para determinadas coisas, mas era reprovável como pastor. O que o adolescente fez com a revista eu não sei, mas tenho certeza de que ficou confirmado para ele que de pastor aquele sujeito era vez menos recomendado. As qualidades de Davi. Davi não é o tipo de pessoa que tinha somente defeitos. Possuía qualidades. Era o tipo de pessoa que estava a maioria do tempo alegre. Era raro vê-lo triste. Nem a falta de dinheiro o deixava triste (com certeza ele já estava maquinando um jeito de resolver essa questão, só precisava encontrar o momento e a pessoa certa). Quando sabia de alguém passando alguma necessidade de alimentos dava um jeito de supri-la, afinal para que serviria um futuro escravo morto? Com essa ajuda, lógico, ele criava uma divida moral dessa pessoa com ele. Era do tipo que não dava ponto sem nó. Tudo o que fazia tinha uma intenção futura. Isso pode parecer uma contradição quando afirma-se que ele tinha qualidades. Mas ele possuía sentimentos fraternos, de fidelidade e de bem servir. Mas quando ele decidia que era a hora dele se beneficiar, não importava quem estivesse pela frente. E se alguém o confrontasse ia ver o que era bom para tosse. Inicialmente inventava mil e uma desculpas. Nisso ele era bom. Se fosse jogar bola com algum grupo da igreja, e errasse um chute, dava um jeito de simular um desequilíbrio, afirmava que escorregou, que a chuteira estava frouxa. A criatividade era uma de suas marcas maiores. Para tudo criava uma situação. Para novos os cobradores que o visitavam, sempre criava uma história, sendo a principal delas o fato de o povo não ter contribuido com de costume, e isso o impossibilitava de cumprir aquele compromisso naquela data, remarcando novo dia para quitar o débito. E assim ia vivendo. Se alguma outra igreja quizesse se filiar à dele, era muito bem vinda. Era a chance que ele tinha para levantar dinheiro de um povo novo. Se algum pastor ou obreiro de alguma outra igreja chegasse para ele afirmando que estava passando alguma dificuldade, ele prontamente oferecia tudo o que aquela pessoa necessitasse. Dava especial atenção à família da pessoa, e aos poucos ia cortando o apoio, até que por fim a pessoa procurasse outro rumo. Era bem explorada e depois deixada de lado. Foram diversos pastores e colaboradores que foram trabalhar com ele, tendo suas familias dependente da ajuda que ele oferecera, de forma que a pessoa passava a dedicar-se exclusivamente à igreja dele. Teve uma senhora sem família que passou a freqüentar sua igreja. Ela era doméstica numa casa de família, e ali trabalhou por um bom tempo. Sabe-se lá porque , ela saiu do emprego, teve o consentimento de Davi para construir uma salinha onde seria a lanchonete na igreja. Ela passaria a morar na igreja e iria fazer a limpeza do tempo. Sabe-se que ele não conseguiu concluir a construção e ficou tudo para lá. Por fim ela voltou para seu estado de origem e com isso Davi ficou com uma construção bem adiantada para ser concluída e utilizada para outro fim. Aquela pessoa tinha do que reclamar? Não. Ela recebeu o apoio que precisava, não deu certo para ela, mas ele deu. Com isso o ponto que ele deu não ficou sem nó. Ela não iria levar aquela construção com ela, e se pedisse alguma indenização, sabia que não iria receber, pois a igreja estava sempre no “vermelho”. IMPRESSIONANDO UM CANDIDATO A GOVERNADOR. Certo dia, seu irmão Josué chegou à igreja e percebeu que estava havendo algo diferente na igreja. Era aproximadamente quinze horas, e havia uma reunião na igreja. Passando pela porte, Josué percebeu que ali estava um político que já exercera o cargo de governador naquele estado, e o tal estava falando para um grupo sentado em forma de circulo. Observando direito, Josué percebeu que aqueles que ali estavam eram na maioria pessoas simples que freqüentava aquela igreja. Era aproximadamente vinte pessoas, e estavam bem vestidas para o horário, alguns até com gravata. Conhecendo Davi como só Josué conhecia, entendeu que Davi tinha reunido aquele povo ali para os apresentar ao candidato com sendo sua equipe de pastores, pastoras, e demais líderes daquela comunidade. Pura encenação. Criatividade fantasiosa. Resultado: o candidato perdeu. No período pré-eleitoral Davi decidiu abrir uma congregação em uma cidade próxima; e aproveitou a chegada de um novo membro que possuía boa aparência e certo poder aquisitivo, e o enviou para pastorear aquela igreja. O novo pastor, empolgado, passou a investir seus próprios recursos para melhorar as condições daquele trabalho precário que estava começando. Nesse mesmo período chegou também um ex-pastor da Igreja Universal e passou a trabalhar com Davi, sendo posteriormente nomeado seu vice presidente. Como o pastor daquela nova congregação não estava rendendo o esperado, Davi resolveu comissionar o pastor Valdo para assumir o trabalho. Resolveram reunir povo, pois é isso que político gosta; decidiram trazer para uma série de apresentações o Zezé Santa Ana, muito conhecido no meio artístico, que se convertera ao evangelho. No dia do evento, formou-se uma multidão para ver o artista. No palanque estavam muitos políticos sonhando com os votos daquele povo, e Davi sonhando com o prestígio e respeito que teria junto aqueles candidatos. Após o testemunho do Zezé Santa Ana, passou-se á segunda parte mais importante daquele evento: arrecadar o “breu” (esse era o nome que usava para referir-se ao dinheiro arrecadado do povo). O que se viu foi cada um dos políticos, lógico, contribuindo com aquela “ obra de deus”. O pastor Valdo mesmo só serviu para trabalhar naquela cidade e atrair o povo, e sequer foi apresentado enfaticamente como o pastor responsável por aquela igreja naquela cidade. Quanto ao “breu” arrecadado, é lógico que não ficou naquela igreja. Davi levou tudo consigo. Quanto àquele trabalho, não durou muito tempo, tendo outro ex-pastor da Universal passado por lá, mas o trabalho faliu. Nunca uma congregação aberta por Davi conseguiu superar um ano de existência. 13 de outubro –23:39hs Davi e a revista Playboy Um dos programas de televisão favoritos de Davi era o seriado Sai de Baixo, cujo astro principal era protagonizado por Miguel Falabella, que fazia o personagem do Caco, a Marisa Orth, que encenava a Magda, e Araci Balabanian. O Caco era o personagem preferido de Davi, pois era com quem ele se identificava. Era o sujeito que não queria saber de trabalhar, vivia inventando um jeito de ganhar a vida de forma fácil, e sempre dando tombo nos outros; era o tipo do sujeito “ixperto”. Era metido a galã, gostava de estar sempre vestido com boas roupas, era entendido de tudo, inclusive conhecedor e bom em desprezar os pobres. A frase que o marcava era: “ Eu tenho horrrroooorrrrr a pobre!”, apesar de viver de aparência. Humilhava a coitada da “doméstica” que trabalhava para eles, principalmente porque ela morava num “puxadin”. “Puxadin” é coisa de pobre! Vivia correndo de cobradores, pois sempre estava inventando uma coisa nova para arrancar dinheiro do povo que tanto desprezava. Mas a inveja maior de Davi com relação ao Caco era a mulher dele. Achava a Magda o máximo! A personagem apresentava-se como uma mulher sedutora, usando roupa curtíssima, expondo suas pernas compridas e bem torneadas. A personagem demonstrava falta de inteligência, mas a sedução dela supria essa falha. Não se sabe se ele era assíduo em assistir o programa devido a diversão, se pela identificação com o personagem Caco, ou pelas sedutoras pernas da Magda. Uma característica inegável Davi possui: a perseverança. Ele é o tipo da pessoa que faz de tudo para conseguir o que deseja. Não importa a que preço, mas ele consegue o que quer. O Caco tinha uma Magda, coisa que ele não possuia. Mas isso não era problema. Diante do sucesso daquela sedutora mulher, a revista Playboy publicou uma edição com as fotos da Magda. Foi um sucesso de venda. E advinha quem imediatamente comprou um exemplar? Isso mesmo! Essa revista esteve no porta-luvas de seu carro por muito tempo. E ele não se preocupava em manter o fato em sigilo. Era escancarado para algumas pessoas. Quando entendeu que não deveria manter a posse daquela revista resolveu se desfazer dela. De que forma fez isso? Jogando fora, rasgando, queimando ou coisa desse tipo? Não! Ele deu para um adolescente filho de uma senhora que durante muito tempo trabalhou com ele na direção da igreja, e cuja maior tarefa dela foi negociar as dívidas que ele contraíra ao longo dos anos que antecederam a chegada dela na sua igreja. Os filhos dessa senhora, que durante um bom tempo ocupou o segundo cargo nessa igreja, deixaram de acompanhar a mãe ao perceberem que Davi era o tipo de pessoa que servia como companhia para determinadas coisas, mas era reprovável como pastor. O que o adolescente fez com a revista eu não sei, mas tenho certeza de que ficou confirmado para ele que de pastor aquele sujeito era vez menos recomendado. As qualidades de Davi. Davi não é o tipo de pessoa que tinha somente defeitos. Possuía qualidades. Era o tipo de pessoa que estava a maioria do tempo alegre. Era raro vê-lo triste. Nem a falta de dinheiro o deixava triste (com certeza ele já estava maquinando um jeito de resolver essa questão, só precisava encontrar o momento e a pessoa certa). Quando sabia de alguém passando alguma necessidade de alimentos dava um jeito de supri-la, afinal para que serviria um futuro escravo morto? Com essa ajuda, lógico, ele criava uma divida moral dessa pessoa com ele. Era do tipo que não dava ponto sem nó. Tudo o que fazia tinha uma intenção futura. Isso pode parecer uma contradição quando afirma-se que ele tinha qualidades. Mas ele possuía sentimentos fraternos, de fidelidade e de bem servir. Mas quando ele decidia que era a hora dele se beneficiar, não importava quem estivesse pela frente. E se alguém o confrontasse ia ver o que era bom para tosse. Inicialmente inventava mil e uma desculpas. Nisso ele era bom. Se fosse jogar bola com algum grupo da igreja, e errasse um chute, dava um jeito de simular um desequilíbrio, afirmava que escorregou, que a chuteira estava frouxa. A criatividade era uma de suas marcas maiores. Para tudo criava uma situação. Para novos os cobradores que o visitavam, sempre criava uma história, sendo a principal delas o fato de o povo não ter contribuido com de costume, e isso o impossibilitava de cumprir aquele compromisso naquela data, remarcando novo dia para quitar o débito. E assim ia vivendo. Se alguma outra igreja quizesse se filiar à dele, era muito bem vinda. Era a chance que ele tinha para levantar dinheiro de um povo novo. Se algum pastor ou obreiro de alguma outra igreja chegasse para ele afirmando que estava passando alguma dificuldade, ele prontamente oferecia tudo o que aquela pessoa necessitasse. Dava especial atenção à família da pessoa, e aos poucos ia cortando o apoio, até que por fim a pessoa procurasse outro rumo. Era bem explorada e depois deixada de lado. Foram diversos pastores e colaboradores que foram trabalhar com ele, tendo suas familias dependente da ajuda que ele oferecera, de forma que a pessoa passava a dedicar-se exclusivamente à igreja dele. Teve uma senhora sem família que passou a freqüentar sua igreja. Ela era doméstica numa casa de família, e ali trabalhou por um bom tempo. Sabe-se lá porque , ela saiu do emprego, teve o consentimento de Davi para construir uma salinha onde seria a lanchonete na igreja. Ela passaria a morar na igreja e iria fazer a limpeza do tempo. Sabe-se que ele não conseguiu concluir a construção e ficou tudo para lá. Por fim ela voltou para seu estado de origem e com isso Davi ficou com uma construção bem adiantada para ser concluída e utilizada para outro fim. Aquela pessoa tinha do que reclamar? Não. Ela recebeu o apoio que precisava, não deu certo para ela, mas ele deu. Com isso o ponto que ele deu não ficou sem nó. Ela não iria levar aquela construção com ela, e se pedisse alguma indenização, sabia que não iria receber, pois a igreja estava sempre no “vermelho”. IMPRESSIONANDO UM CANDIDATO A GOVERNADOR. Certo dia, seu irmão Josué chegou à igreja e percebeu que estava havendo algo diferente na igreja. Era aproximadamente quinze horas, e havia uma reunião na igreja. Passando pela porte, Josué percebeu que ali estava um político que já exercera o cargo de governador naquele estado, e o tal estava falando para um grupo sentado em forma de circulo. Observando direito, Josué percebeu que aqueles que ali estavam eram na maioria pessoas simples que freqüentava aquela igreja. Era aproximadamente vinte pessoas, e estavam bem vestidas para o horário, alguns até com gravata. Conhecendo Davi como só Josué conhecia, entendeu que Davi tinha reunido aquele povo ali para os apresentar ao candidato com sendo sua equipe de pastores, pastoras, e demais líderes daquela comunidade. Pura encenação. Criatividade fantasiosa. Resultado: o candidato perdeu. No período pré-eleitoral Davi decidiu abrir uma congregação em uma cidade próxima; e aproveitou a chegada de um novo membro que possuía boa aparência e certo poder aquisitivo, e o enviou para pastorear aquela igreja. O novo pastor, empolgado, passou a investir seus próprios recursos para melhorar as condições daquele trabalho precário que estava começando. Nesse mesmo período chegou também um ex-pastor da Igreja Universal e passou a trabalhar com Davi, sendo posteriormente nomeado seu vice presidente. Como o pastor daquela nova congregação não estava rendendo o esperado, Davi resolveu comissionar o pastor Valdo para assumir o trabalho. Resolveram reunir povo, pois é isso que político gosta; decidiram trazer para uma série de apresentações o Zezé Santa Ana, muito conhecido no meio artístico, que se convertera ao


Category : Religião e Espiritualidade : História

Configurações:

Aberto:
Usuários podem participar deste grupo sem aprovação

Discussão:
Todos os membros enviam mensagens

Visível:
Este grupo é visível no diretório de grupos

Carregando Carregando...